Desejos de liberdade: tutelas, fugas e a fundação da colônia orfanológica de Pindamonhangaba/SP (1888-1892)

Autores

  • Mateus Henrique Obristi Castilho Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.46812/e-2020310207

Palavras-chave:

Palavras-chave: tutelas, órfãos, pós-abolição.

Resumo

Este artigo tem, como objetivo, a compreensão da esfera do trabalho na sociedade de Pindamonhangaba, localizada no Vale do Paraíba Paulista, no período da pós-abolição da escravidão. Para a realização desta pesquisa, as fontes utilizadas são Ações de Tutelas, manuscritos do século XIX, processados na esfera do Juízo de Órfãos, que traziam em suas páginas a procura pela mão de obra infantil, principalmente o trabalho dos filhos de mulheres ex-escravas, libertas e solteiras pobres, por ex-escravocratas, conforme demonstra a série documental de tutelas de 1888 a 1892. Mais uma vez, a família negra era separada; dessa vez, pela tutela. Novas lutas pela liberdade eram necessárias. Destacam-se, então, as fugas empenhadas por menores tutelados da companhia de seus tutores. Dependurada na estrutura da temática, há figura lateral da criação da primeira colônia orfanológica de Pindamonhangaba.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO DO JUÍZO DE ÓRFÃOS - Centro de Memória Barão Homem de Mello - Arquivo Histórico Dr. Waldomiro de Abreu – Pindamonhangaba/SP. Ações de Tutela: Data 1887-1888 CX072 / Data 1889-1890 CX073 / Data 1891-1892 CX074 / Data 1891-1892 CX075 / Data 1891-1944 CX410.

MUSEU HISTÓRICO PEDAGÓGICO DOM PEDRO I E DONA LEOPOLDINA – Pindamonhangaba/SP. Folha Tribuna do Norte: Edição de 11 de Julho de 1886 – Nº 03 / Edição de 18 de Julho de 1886 – Nº 04 / Edição de 21 de Novembro de 1886 – Nº 22 / Edição de 22 de Abril de 1888 – Nº 45.

PEREIRA, Lafayette Rodrigues (1834-1917). Direitos de família. Ed, Fac-similar. Brasília. Senado Federal, Conselho Editorial: Superior Tribunal de Justiça, 2004.

Obras Gerais

ALANIZ, Anna Gicelle Garcia. Ingênuos e Libertos: Estratégias de sobrevivência familiar em épocas de transição 1871-1895. Campinas: Centro de Memória-Unicamp, 1997.

ARIZA, Marília B. A. Mães infames, rebentos venturosos: mulheres e crianças, trabalho e emancipação em São Paulo (século XIX). Tese (Doutorado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2017.

_______. Mães libertas, filhos escravos: desafios femininos nas últimas décadas da escravidão em São Paulo. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 38, n. 79, p. 151-171, 2018.

_______. O ofício da liberdade: contratos de locação de serviços e trabalhadores libertandos em São Paulo e Campinas (1830 - 1888). 2012. Dissertação (Mestrado em História Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

AZEVEDO, Gislane Campos. A tutela e o contrato de soldada: a reinvenção do trabalho compulsório infantil. História Social, Campinas, SP, n. 3, p. 11-36, 1996.

_______. De Sebastianas e Geovannis: o universo do menor nos processos dos juízes de órfãos da cidade de São Paulo (1871-1917). Dissertação (Mestrado em História) - Faculdade de Ciências Sociais, Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). São Paulo, 1995.

BIROLLI, Maria Izabel de Azevedo Marques. Os filhos da República: a criança pobre na cidade de São Paulo (1900-1927). Dissertação (Mestrado em História) - Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP). São Paulo, 2000.

BOTIN, Lívia Maria. Trajetória cruzadas: meninos (as), moleques e juízes em Campinas 1866-1899. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia Ciências e Humanas, Campinas, SP, 2007.

CARDOZO, José Carlos da Silva. Enredos tutelares: o Juizado de Órfãos e a (re)organização da família porto-alegrense no início do século XX. Dissertação (Mestrado em História). Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo/RS, Brasil, 2011.

CASTILHO, Mateus Henrique Obristi. Liberdade vigiada: tutelas e órfãos em Pindamonhangaba/SP (1888-1892). Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Estudos Pós-Graduados em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

CONCEIÇÃO, Miguel Luiz da. O aprendizado da liberdade: educação de escravos, libertos e ingênuos na Bahia oitocentista. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007.

FERREIRA FILHO, Alberto Heráclito. Quem pariu e bateu que balance: mundos femininos, maternidade e pobreza: Salvador, 1890-1940. Salvador, Ba: EDUFBa, 2003.

FRANCISCO, R. P. Apreensão de 'menores': a infância pobre de Juiz de Fora nos processos judiciais (1888-1930). In: Colóquio Internacional América Ibérica e as Relações Ibero-Americanas no Contexto do MERCOSUL, 2011, Niterói. Anais do 3º Colóquio Internacional do Laboratório Cidade e Poder. A América Ibérica e as Relações Ibero-Americanas no Contexto do MERCOSUL. Niterói: PPGHISTÓRIA-UFF, p. 65-76, 2011.

GEREMIAS, Patrícia Ramos. Ser “ingênuo” em Desterro/SC: a lei de 1871, o vínculo tutelar e a luta pela manutenção dos laços familiares das populações de origem africana (1871-1889). Dissertação (Mestrado em História) - Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Universidade Federal Fluminense (UFF). Niterói, 2005.

GUSMÃO, Giovanna Ferreira Nunes. Histórias de ingênuos e órfãos tutelados na Bahia (1871-1900). Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Pós-Graduação em História Regional e Local, Universidade do Estado da Bahia, Santo Antônio de Jesus, 2016.

LARA, Silvia Hunold. Silvia Hunold Lara. Escravidão, Cidadania e História do Trabalho no Brasil. Texto Apresentado na mesa-redonda Memória, escravidão e cidadania no Brasil. XIX Simpósio Nacional da ANPUH, em Belo Horizonte, 24/07/1997.

LONDOÑO, Fernando Torres. A origem do conceito Menor. In: DEL PRIORE, Mary (Org.). História da Criança no Brasil. São Paulo: Contexto, 1991, p.129-145.

MARCILIO, Maria Luiza. História social da criança abandonada. São Paulo: Editora HUCITEC,1998.

MATTOSO, Katia M. de Queirós. O filho da escrava (em torno de Lei do Ventre Livre). Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 8, n. 16, p. 37-55, mar./ago. 1988.

NADER, Gislene; CERQUEIRA FILHO, Gisálio. Os filhos da lei. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo: ANPOCS, v. 16, n. 45, p. 113-125, 2011.

PAPALI, Maria Aparecida C. R. A legislação de 1871, o judiciário e a tutela de ingênuos na cidade de Taubaté. Disponível em: http://www1.tjrs.jus.br/export/poder_judiciario/historia/memorial_do_poder_judiciario/memo rial_judiciario_gaucho/revista_justica_e_historia/issn_1676-5834/v2n3/doc/09-Papali.pdf. Acesso em: 12 de maio de 2020.

_______. A legislação de 1890, mães solteiras pobres e o trabalho infantil. Projeto História, São Paulo, n. 39, p. 209-216, jul/dez. 2009.

_______. CASTILHO, Mateus Henrique Obristi; ZANETTI, Valéria. Cenários do Pós-Abolição no Vale do Paraíba Paulista: tutela, trabalho infantil e violência sexual (1888 – 1889). Afro-Ásia, Salvador, n.56, p. 147-67, 2017.

_______. Escravos, libertos e órfãos: a construção da liberdade em Taubaté (1871-1895). São Paulo: Annablume: FAPESP, 2003.

_______. Ingênuos e órfãos pobres: a utilização do trabalho infantil no final da escravidão. Estudos Ibero-Americanos. PUCRS, v. XXXIII, n. 1, p. 149-159, junho 2007.

PINHEIRO, Luciana de Araújo. A civilização do Brasil através da infância: propostas e ações voltadas à criança pobre nos anos finais do Império (1879-1889). Dissertação (Mestrado em História). Niterói: UFF, 2003.

REIS, Isabel Cristina Ferreira dos. Vivendo entre fronteiras: escravidão e liberdade. In: NASCIMENTO, Jairo Carvalho do; OLIVEIRA Josivaldo Pires de; GUERRA FILHO, Sérgio Armando Diniz (Org.). Bahia: ensaios de história social e ensino de história. Salvador: Eduneb, 2014.

RIOS, Ana Maria; MATTOS, Hebe Maria. O pós-abolição como problema histórico: balanços e perspectivas. Topoi, Rio de Janeiro, vol.5 n.8, p. 170-198, 2004.

SOUSA, Ione Celeste J. de. ‘Porque um menor não deve ficar exposto à ociosidade, origem de todos os vícios’: Tutelas e Soldadas e o Trabalho de Ingênuos na Bahia, 1870 a 1900. In: MACHADO, Maria Helena Pereira Toledo; CASTILHO, Celso Thomas (Org.). Tornando-se livre: Agentes Históricos e Lutas Sociais no Processo de Abolição. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

TEIXEIRA, Heloísa Maria. A Labuta sem Ciranda: crianças pobres e trabalho em Mariana (1850-1900). História: Questões & Debates, n. 45, p. 177-209. Editora UFPR: Curitiba, 2006.

_______. A não-infância: crianças como mão-de-obra em Mariana (1850-1900). Tese (Doutorado em História Econômica) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

URRUZUOLA, Patrícia. Ex-proprietários nos dias seguintes à abolição: práticas e discursos de ‘escravização de ingênuos’, Rio de Janeiro, 1888. História, Histórias, Brasília: UFF, v. 4, n. 8, p. 155-172, 2016.

ZERO, Arethuza Helena. O preço da liberdade: caminhos da infância tutelada – Rio Claro (1871-1888)”. Dissertação (Mestrado em Economia). Campinas/São Paulo: Universidade Estadual de Campinas, 2004.

Downloads

Publicado

23-09-2020

Como Citar

CASTILHO, Mateus Henrique Obristi. Desejos de liberdade: tutelas, fugas e a fundação da colônia orfanológica de Pindamonhangaba/SP (1888-1892). Revista Ágora, [S. l.], v. 31, n. 2, p. e-2020310207, 2020. DOI: 10.46812/e-2020310207. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/30314. Acesso em: 25 maio. 2024.

Edição

Seção

Pós-abolição: sociabilidades, relações de trabalho e estratégias de mobilidade s