O jogo político das lideranças do associativismo negro: alianças, conflitos e redes de proteção em Salvador na segunda metade do século XIX

Autores

  • Lucas Ribeiro Campos UFBA

DOI:

https://doi.org/10.46812/e-2020310204

Palavras-chave:

Associativismo negro, Sociedade Protetora dos Desvalidos, Política dos homens de cor

Resumo

A Sociedade Protetora dos Desvalidos, primeira associação civil negra do Brasil, instalada em 1851 na cidade Salvador, se tornou um espaço importante de negociação entre lideranças de cor e políticos baianos, na segunda metade do século XIX. Alguns de seus associados se destacaram como importantes lideranças e alcançaram um status de enorme prestígio entre os trabalhadores de cor da cidade de Salvador. Este artigo tem como objetivo entender quais os sentidos das articulações dessas lideranças com figuras importantes da Bahia. Busca-se investigar como aqueles trabalhadores, em sua maioria artistas e artífices, negociaram e disputaram um projeto político para os homens de cor, com a intenção de alcançar direitos básicos enquanto cidadãos, como educação, dignidade, assistência mútua, participação política e pertencimento racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DA BAHIA (APEB). Seção Colonial e Provincial, Presidência da Província, Correspondência recebida da Sociedade Protetora dos Desvalidos (1861-1880), maço 5306;

____. Seção Judiciária, inventário. Classificação 07/3062/11.

ARQUIVO DA SOCIEDADE PROTETORA DOS DESVALIDOS (ASPD). Ata da sessão da Assembleia Geral. Anos indicados.

____. Comunicado do vice-presidente Caetano de Mattos de 13/08/1876.

____. Estatuto aprovado pelo governo da Província em 26 de agosto de 1874.

____. Pedido de inscrição de Caetano de Mattos, indicado por Severiano Pedro da Silva, aprovado em 17/05/1893.

HEMEROTECA DIGITAL DA BIBLIOTECA NACIONAL. O Monitor, Salvador, 1878.

MASSON, Camillo de Lellis. Almanak administrativo, mercantil e industrial da Bahia para o ano de 1857. Bahia: Typ. de Camillo de Lellis Masson & C., terceiro ano, 1857;

____. Almanak Administrativo e industrial da Bahia, para o anno de 1860. Salvador: Typographia de Camillo de Lellis & Cia, 1860;

PIMENTA, Altino Rodrigues. Almanak administrativo, commercial e insdustrial da Província da Bahia para o anno de 1873, quinquagésimo segundo da Independência e do Império. Bahia: Typographia de Oliveira Mendes & C., Anno I, quarta parte, 1872.

BIBLIOTECA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA (BPEB). Brasil. Decreto nº 2.711, de 19 de dezembro de 1860. Contém diversas disposições sobre a criação e organização dos bancos, companhias, sociedades anônimas e outras, e prorroga por mais quatro meses o prazo marcado pelo artigo 1º do Decreto nº 2.686, de 10 de novembro do corrente ano. Colleção das Leis do Império do Brazil, Rio de Janeiro, Typografia Nacional, v. 2, p. 1125-1140, 1860.

BIBLIOTECA VIRTUAL CONSUELO PONDÉ (BVCP). O Alabama, Salvador, 1864.

Obras Gerais

ABREU, Alzira Alves de (Coord.). Dicionário histórico-biográfico da Primeira República [Recurso eletrônico]: 1889-1930, Formato EPUB. São Paulo: FGV, 2015.

ALBUQUERQUE, Wlamyra R. de. O jogo da dissimulação: abolição e cidadania negra no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

ANDRADE, Humberto Santos de. Gráficos e Mutualismo: a trajetória da Associação Tipográfica Baiana (Salvador, final do século XIX e início do XX). Dissertação (Mestrado) – Universidade Estadual Paulista, Programa de Pós-Graduação de Mestrado em História, Assis, 2014.

ANDREWS, George Reid. América Afro-Latina, 1800-2000. São Carlos: EdUFSCar, 2014.

BRAGA, Júlio. Sociedade Protetora dos Desvalidos: uma irmandade de cor. Salvador: Ianamá, 1987.

CAMPOS, Lucas R. Sociedade Protetora dos Desvalidos: mutualismo, política e identidade racial em Salvador (1861-1894). Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Salvador, 2018.

CASTILLO, Lisa Earl. O terreiro do Alaketu e seus fundadores: história e genealogia familiar, 1807-1867. Afro-Ásia, nº 43, 2011, p. 213-257.

CHARLOTTE, Galves; LOBO, Tânia (Org.). O português escrito por afro-brasileiros no século XIX: as atas da Sociedade Protetora dos Desvalidos. Salvador: EDUFBA, 2019.

GOMES, Flávio dos Santos. Negros e política (1888-1937). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

LARA, Silvia Hunold. Blowin’ in the wind: E. P. Thompson e a experiência negra no Brasil. Proj. História, v. 12, outubro de 1995, p. 43-56.

______. Escravidão, cidadania e história do trabalho no Brasil. Proj. História, São Paulo, (16), fev. 1998.

LOBO, Tânia; OLIVEIRA, Klebson. Escrita liberta: letramento de forros na Bahia do século XIX. In: CASTILHO, Ataliba de; TORRES, Maria Aparecida; CIRINO, Sônia (Org.). Descrição, História e Aquisição do Português Brasileiro: estudos dedicados a Mary Aizawa Kato. São Paulo: Fapesp, 2007.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O Tempo Saquarema: a formação do Estado Imperial. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.

OLIVEIRA, Klebson. Negros e escrita no Brasil do século XIX: sócio-história, edição filológica de documentos e estudo linguístico. Tese (doutorado) – Universidade Federal da Bahia, Instituto de Letras, Salvaor, 2006.

SCHWARTZ, Stuart B. Escravos, roceiros e rebeldes. Bauru: EDUSC, 2001.

SILVA, Kátia Maria de Carvalho. O Diário da Bahia e o século XIX. Rio de Janeiro: Tempo brasileiro; Brasília: INL/MEC, 1979.

Downloads

Publicado

21-07-2020

Como Citar

RIBEIRO CAMPOS, L. O jogo político das lideranças do associativismo negro: alianças, conflitos e redes de proteção em Salvador na segunda metade do século XIX. Revista Ágora, [S. l.], v. 31, n. 2, p. e–2020310204, 2020. DOI: 10.46812/e-2020310204. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/30440. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Pós-abolição: sociabilidades, relações de trabalho e estratégias de mobilidade s