A oposição à revolução constitucional portuguesa em 1820 - Um “folheto” censurado de F. J. da Madre de Deus

Autores

  • Vital Moreira Universidade de Coimbra; Universidade Lusíada - Norte (Porto - Portugal).
  • José Domingues Universidade Lusíada – Norte (Porto, Portugal)

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2020310304

Palavras-chave:

Madre de Deus, Revolução Liberal, Cortes, Monarquia Constitucional, Brasil e Portugal

Resumo

Neste artigo analisamos um “panfleto” inédito da autoria de Faustino José da Madre de Deus sobre a Revolução Liberal portuguesa, que se achou num arquivo brasileiro e que publicamos em anexo. O texto foi redigido em finais de setembro de 1820, tinha decorrido pouco mais de um mês desde o início da Revolução no Porto (24 de agosto). Embora defenda consistentemente a monarquia constitucional e esteja longe do fundamentalismo contra o constitucionalismo liberal que a partir de 1823 haveria de caracterizar a literatura política de Madre de Deus, neste escrito são, no entanto, já patentes as profundas divergências com o projeto constitucional revolucionário, o que lhe valeu a recusa de publicação por parte da Comissão de Censura liberal lisboeta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

CARVALHO, J. L. F. Portugal: ano primeiro da restauração de nossa liberdade. O Campeão Portuguez ou o Amigo do Rei e do Povo, Londres, n.º 27, 16 de setembro de 1820, pp. 169-183; n.º 28, 16 de outubro de 1820, pp. 232-247.

CARVALHO, J. L. F. Santos e justos motivos que tiveram os autores da gloriosa contrarrevolução do Porto em 24 de agosto de 1820. Vantagens próximas e remotas da mesma gloriosa contrarrevolução. O Campeão Portuguez ou o Amigo do Rei e do Povo, Londres, n.º 28, 16 de outubro de 1820, pp. 185-207.

FREITAS, J. J. F. Reflexões sobre a revolução de Portugal. O Padre Amaro ou Sovela Política, Histórica e Literária. Periódico Mensal Dedicado a Todos os Portugueses de Ambos os Mundos. Londres: Impresso por L. Thompson, 1820, pp. 217-220 e 312.

GORJÃO, J. D. R. Os Portuguezes e os Factos, Exposição Historico-Chronologia Dedicada aos Corações Justos e Generosos por Hum Portuguez. Londres: L. Thompson, 1833.

MADRE DE DEUS, F. J. Epístola à Nação Francesa, na qual se demonstrão os subversivos principios das constituições modernas e se prova que a maçonaria tem sido a authora e directora da revolução de Portugal. Lisboa: Impressão Régia, 1823.

MADRE DE DEUS, F. J. A Constituição de 1822 Comentada e Desenvolvida na Prática. Lisboa: Typografia Maigrense, 1823 [Disponível em: http://purl.pt/34943 (Acesso em: 3 de outubro de 2020)].

MADRE DE DEUS, F. J. O combate dedicado ao Sereníssimo Senhor D. Miguel, Infante de Portugal, ou a declaração e protesto das Cortes Extraordinárias. Lisboa: Typographia de Antonio Rodrigues Galhardo, 1823.

MADRE DE DEUS, F. J. Os povos e os reis: opusculo offerecido aos portuguezes. Lisboa: Impressão Régia, 1825 [Disponível em: http://purl.pt/22640 (Acesso em: 3 de outubro de 2020)].

MADRE DE DEUS, F. J. Notas pertencentes ao opusculo intitulado os povos e os reis. Lisboa: Impressão Régia, 1828.

MADRE DE DEUS, F. J. Aviso aos meus concidadãos. Lisboa: Imprensa da Rua dos Fanqueiros, 1828.

MADRE DE DEUS, F. J. Justificação da dissidência portuguesa contra a Carta Constitucional. Lisboa: Imprensa da Rua dos Fanqueiros, 1828.

MADRE DE DEUS, F. J. Absurdos civis, políticos e diplomaticos. Lisboa: Imprensa da Rua dos Fanqueiros, 1828.

MADRE DE DEUS, F. J. Exposição e confrontação das cartas de lei de 15 de novembro de 1825. Lisboa: Imprensa da Rua dos Fanqueiros, 1828.

MADRE DE DEUS, F. J. Poucas palavras sobre Garrett. Lisboa: Impressão Régia, 1829.

MADRE DE DEUS, F. J. A Revolução e Portugal. Lisboa: Imprensa da Rua dos Fanqueiros, 1832.

MADRE DE DEUS, F. J. O Manifesto da Facção revolucionaria destruído inteiramente com suas próprias doutrinas e diplomas que allega. Lisboa: Impressão Régia, 1832.

MADRE DE DEUS, F. J. Cathecismo Civil para o uso da mocidade. Lisboa: Imprensa da Rua dos Fanqueiros, 1832.

PEREIRA, J. M. D. (Lusitano Filantropo). Memorias para a Historia da Regeneração Portugueza em 1820. Lisboa: Impressão Régia, 1823.

OBRAS GERAIS

ALBUQUERQUE, R. 1820 – O Liberalismo em Portugal. Lisboa: Aletheia, 2020.

CALAFATE, P. (Dir.). História do Pensamento Filosófico Português: O Século XIX. vol. IV, tomo 2, Lisboa: Círculo de Leitores, 2004.

CAMPOS, F. O pensamento contra-revolucionário em Portugal (século XIX). Lisboa: José Fernandes Júnior, 1932.

CANAVEIRA, M. F. C. Liberais Moderados e Constitucionalismo Moderado, (1814-1852). Lisboa: INIC, 1988.

CASTRO, Z. O. Constitucionalismo vintista, Antecedentes e Pressupostos. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 1986.

CASTRO, Z. O. “Tradicionalismo versus liberalismo: pensar a contra-revolução. Cultura: Revista de História e Teoria das Ideias, 2003, vol. 16-17, pp. 83-103.

CASTRO, Z. O. A nostalgia da eternidade e o ideário contra-revolucionário. in RIBEIRO, M. M. T. (Coord.). Outros Combates pela História. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2010, pp. 509-520.

FIGGIS, J. N. The Theory of the Divine Right of Kings. Cambridge: University Press, 1896.

GOMES, J. R. M. “Novo Pacto Social”: Constitucionalismo e Contratualismo no Processo de Construção da Nação no Brasil (1820-1831). Rio de Janeiro: Autógrafo, 2018.

GRANADO, G. A Teoria Contratualista do Estado: Convergências e Divergências em T. Hobbes, J. Rousseau e J. Locke. Rio de Janeiro: Grama Editora, 2018.

LANGHANS, F. P. A. História das Instituições de Direito Público: Fundamentos jurídicos da Monarquia Portuguesa. Estudos de Direito. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1957.

MAGALHÃES, L. Tradicionalismo e Constitucionalismo. Estudos de História e Política Nacional. Porto: Livraria Chardron, 1927.

MATOS, S. C. Tradition and Modernity in Portuguese Liberal Political Culture – on the Topic of the Constitution. e-Journal of Portuguese History. Porto, 2016, vol. 14, n.º 2, pp. 51-71 [Disponível em: http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-64322016000200003 (Acesso em: 9 de outubro de 2020)].

MESQUITA, A. P. O Pensamento Político Português no século XIX. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2006.

MOREIRA, V.; DOMINGUES, J. No Bicentenário da Revolução Liberal I: da Revolução à Constituição | 1820-1822. Lisboa: Porto Editora, 2020a.

MOREIRA, V.; DOMINGUES, J. No Bicentenário da Revolução Liberal II: os 40 dias que mudara Portugal. Lisboa: Porto Editora, 2020b.

MOREIRA, V.; DOMINGUES, J. História constitucional de Portugal I - Constitucionalismo antes da Constituição. Lisboa: Edições da Assembleia da República, 2020c.

MOREIRA, V.; DOMINGUES, J. Para a Representação Política em Portugal: a convocação das Cortes de 1820. Lisboa: Edições da Assembleia da República (a editar).

PEREIRA, A. J. S. O tradicionalismo vintista e o Astro da Lusitânia. Revista de História das Ideias. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, vol. 1, 1977, pp. 179-204 [Disponível em: http://hdl.handle.net/10316.2/43974 (Acesso em: 9 de outubro de 2020)].

PEREIRA, A. J. S. Estado de direito e tradicionalismo liberal. Revista de História das Ideias. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 1978-1979, vol. 2, pp. 119-161 [Disponível em: http://hdl.handle.net/10316.2/43956 (Acesso em: 9 de outubro de 2020)].

PINA, A. M. F. De Rousseau ao Imaginário da Revolução de 1820. Lisboa: INIC, 1988.

SILVA, A. M. O discurso ideo-político de Faustino José da Madre de Deus. Contribuição para a história das ideias anti-liberais em Portugal. Estudos de História Contemporânea Portuguesa: Homenagem ao Professor Víctor de Sá. Livros Horizonte, 1991, pp. 163-182.

SILVA, A. M. O Miguelismo – Ideologia e Mito. Coimbra: Edições Minerva, 1993.

SILVA, I. F. Dicionário Bibliográfico Português. Lisboa: Imprensa Nacional, Tomo II, 1859.

TORGAL, L. R. Tradicionalismo e contra-revolução: o pensamento e a acção de José da Gama e Castro. Coimbra: Universidade de Coimbra, 1973.

ULLMANN, W. Historia del Pensamiento Político en la Edad Media. Madrid: Ariel, 2013.

VARGUES, I. N. A Aprendizagem da Cidadania em Portugal 1820-1823. Coimbra: Edições Minerva, 1997.

VERDELHO, T. S. As Palavras e as Ideias na Revolução Liberal de 1820. Coimbra: INIC, 1981.

Downloads

Publicado

2021-03-09

Como Citar

MOREIRA, V.; DOMINGUES, J. A oposição à revolução constitucional portuguesa em 1820 - Um “folheto” censurado de F. J. da Madre de Deus. Revista Ágora, [S. l.], v. 31, n. 3, p. e–2020310304, 2021. DOI: 10.47456/e-2020310304. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/32861. Acesso em: 13 abr. 2021.

Edição

Seção

Revoluções no Atlântico: Brasil e Portugal na década de 20 do Oitocentos