O partido do governo e o partido da oposição: distinção de identidades e debate político na imprensa do Rio de Janeiro (1837)

Autores

  • Driely Neves Coutinho Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2022330102

Palavras-chave:

Identidades, Partidos, Imprensa, Brasil Império

Resumo

Neste trabalho, demonstraremos o cenário político do ano de 1837 no Rio de Janeiro. Compreendemos que o contexto de rivalidades empreendido entre deputados do governo e da oposição, esboçando suas ideias através dos jornais, possibilitou, paulatinamente, um ambiente propício para o surgimento dos partidos políticos no Império. Assim, este artigo buscou determinar os principais temas que levaram os grupos a conflitarem naquele ano, até à abdicação de Diogo Antônio Feijó. Para análise das fontes, utilizamos como metodologia o estudo das linguagens políticas, com embasamento teórico na concepção de cultura política.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

HEMEROTECA DIGITAL DA BIBLIOTECA NACIONAL, O Sete D’Abril.

____. O Parlamentar, Biblioteca Nacional.

Obras Gerais

BAKER, Keith M. El Concepto de Cultura Politica en la reciente historiogafía sobre la Revolución Francesa. Ayer. nº62. 2006, p.88-110.

BASILE, Marcello. O laboratório da nação: a era regencial (1831-1840). In: GRINBERG, Keila; SALLES, Ricardo (org.). O Brasil Imperial, v.II: 1831-1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BERSTEIN, Serge. A Cultura Política. In RIOUX, Jean-Pierre & SIRINELLI, Jean-François (Org.) Para uma História Cultural. Lisboa: Editorial Estampa, 1998.

CARVALHO, José M. A construção da ordem/ Teatro das sombras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.

CAVALCANTI JUNIOR, Manoel Nunes. O egoísmo, a degradante vingança e o espírito de partido: a história do predomínio liberal ao movimento regressista (Pernambuco, 1834-1837). Tese (Doutorado em História). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015.

MOREL, Marco. As transformações dos espaços públicos: Imprensa, atores políticos e sociabilidades na cidade imperial. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

NEEDELL, Jeffrey. Formação dos partidos políticos no Brasil da Regência à Conciliação 1831-1857. Almanack Braziliense. São Paulo, nº10, p.5-22, nov 2009.

POCOCK. J.G.A. Linguagens do ideário político. J.G.A POCOCK; Sérgio MICELI (Org.). São Paulo Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

SARTORI, Giovanni. Partidos e sistemas partidários. Rio de Janeiro: Zahar. Brasília: Universidade de Brasília, 1982.

SILVA, Ana Rosa Cloclet da; CARVALHO, Thaís da Rocha. Ultramontanismo e protestantismo no Brasil regencial: uma análise da crítica panfletária dos padres Perereca e Tilbury à missão metodista no Brasil. Almanack, Guarulhos, n. 15, p. 143-182, 2016.

SKINNER, Quentin. Prefácio. In: As fundações do pensamento político moderno. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SLEMIAN, Andréa. Sob o império das leis: Constituição e unidade nacional na formação do Brasil (1822-1834). Tese (Doutorado em História) – Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

Downloads

Publicado

03-06-2022

Como Citar

NEVES COUTINHO, D. O partido do governo e o partido da oposição: distinção de identidades e debate político na imprensa do Rio de Janeiro (1837). Revista Ágora, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e–2022330102, 2022. DOI: 10.47456/e-2022330102. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/37221. Acesso em: 2 dez. 2022.