Matronas na África Romana: estratégias familiares e agência política feminina na Apologia de Apuleio e nas inscrições epigráficas das cidades da Tripolitânia (Séculos I-II D.C.)

Autores

  • Belchior Monteiro Lima Neto Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2022330105

Palavras-chave:

África Romana, Matronas, Apologia, Inscriptions of Roman Tripolitania

Resumo

Em consonância com as evidências de agência feminina nas esferas pública e política em Roma, pretendemos, neste artigo, investigar a atuação de distintas matronas nas cidades norte-africanas de Oea, Sabrata e Lepcis Magna, urbes associadas ao Império Romano em meados do século I a.C. Defendemos, aqui, que tais mulheres tiveram uma destacada participação nas estratégias de ascensão social de suas famílias às ordens de elite da sociedade romana. Como demonstrado pela documentação literária e por algumas inscrições epigráficas, as ricas matronas locais atuaram como personagens fulcrais no processo de elevação de suas gentes ao ordo equester e senatorius, quer por meio de alianças matrimoniais diversas, quer por intermédio do evergetismo e de relações privilegiadas com distintos membros do estamento dirigente romano, tais como imperadores e procônsules.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Documentação literária impressa

APULEYO. Apología y Flórida. Introducción, traducciones y notas de Santiago Segura Munguía. Madrid: Gredos, 1980.

ESTRABÓN. Geografia: libros XV-XVII. Traducción de Juan Luis Garcia Alonso, Maria Paz de Hoz Garcia-Bellido y Sofía torallas Tovar. Madrd: Gredos, 2015.

GAIUS. Instituta. Translated and comentary by Edward Poste. London: Loeb Classical Library, 1904.

Documentação arqueológica

CORPUS INSCRIPTIONUM LATINARUM: vol. VIII/ vol. VI. Berlin: Academy of Sciences and Humanities, 1881.

INSCRIPTIONS OF ROMAN TRIPOLITANIA. Rome: British School at Rome, 1952.

Obras de apoio

ALFÖLDY, G. Historia social de Roma. Madri: Alianza Editorial, 1996.

ÁLVAREZ MELERO, A. De la curia municipal a los estamentos superiores: el papael de la mujer en los processos de promoción social. In: MELCHOR GIL, E.; PÉREZ ZURITA, A. D.; RODRÍGUEZ NEILA, J. F. (Org.). Senadores municipales y decuriones en el occidente romano. Cordoba: Universidad de Cordoba, 2013.

BARROS, J. D. A. Teoria da história: a Escola dos Annales e a Nova História. Petrópolis: Vozes, 2012.

BIRLEY, A. R. Septimus Severus: the african emperor. London and New York: Routledge, 2002. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203028599

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

BURKE, P. A escola dos Annales (1929-1989): a revolução francesa da historiografia. São Paulo: Unesp, 1997.

BURKE, P. O que é História cultural? Rio de Janeiro: Zahar, 2005.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

CHARTIER, R. Diferenças entre os sexos e dominação simbólica. Cadernos Pagu, n. 4, p. 37-47, 1995.

DILLON, J. The middle platonists. London: Duckworth, 1977.

DUBY, G.; PERROT, M. Escrever a história das mulheres. In: DUBY, G.; PERROT, M. História das mulheres: Antiguidade. Lisboa: Afrontamento, 1993.

DUNCAN-JONES, R. P. City population in roman Africa. The Journal of Roman Studies, London, v. 53, p. 85-90, 1963. DOI: https://doi.org/10.2307/298367

FANTHAM, E. Aemilia Pudentilla, or the wealthy window’s Choice. In: HAWLEY, R.; LEVICK, B. (Eds.) Women in antiquity: new assessments. London: Routledge, 1995.

FEITOSA, L. C. Masculino e feminino na sociedade romana: os desafios de uma análise de gênero. In: CANDIDO, M. R. Mulheres na Antiguidade. Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2012.

FEITOSA, L. M. C. História, gênero, amor e sexualidade: olhares metodológicos. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 13, p. 101-115, 2003. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2448-1750.revmae.2003.109467

FEITOSA, L. M. C.; FAVERSANI, F. Sobre o feminino e a cidadania em Pompeia. Pyrenae, n. 33-34, p. 253-259, 2003.

FINLEY, M. I. As silenciosas mulheres de Roma. In: FINLEY, M. I. Aspectos da Antiguidade. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

FRIJA, G. Administrar o território das cidades no Império romano. In: CAMPOS, A. P. et al (Org.). Territórios, poderes, identidades: a ocupação do espaço entre a política e a cultura. Vitória: GM Editora, 2012.

FUNARI, P. P. A. Romanas por elas mesmas. Cadernos Pagu, n. 5, p. 179-200, 1995.

GARDNER, J. F. Women in roman law and society. London: Routledge, 1986. DOI: https://doi.org/10.4324/9780203317099

GRIMAL, P. As cidades romanas. Lisboa: Edições 70, 2003.

GRIMAL, P. O império romano. Lisboa: Edições 70, 1993.

HAHN, J. Philosophy as socio-political upbringing. In: PEACHIN, M. (Ed.). The Oxford handbook of social relations in the roman world. Oxford: Oxford University, 2011. DOI: https://doi.org/10.1093/oxfordhb/9780195188004.013.0006

HEMELRIJK, E. A. Patronage of cities: the hole of women. In: LIGT, L.; HEMELRIJK, E.; SINGOR, H. W. Roman rule and civic life: local and regional perspectives. Leiden: Brill, 2003.

HIDALGO DE LA VEGA, M. J. Aemilia Pudentila: matrimonio, género y poder económico de una aristocrata africana. In: PAVON TORREJON, P. Marginación y mujer en el imperio romano. Roma: Edizioni Quasar, 2018, p. 293-314.

HUSKINSON, J. Elite culture and the identity of empire. In: ______. (Org.) Experiencing Rome: culture, identity and power in the roman empire. New York: Routledge, 2000, p. 95-124.

LIMA NETO, B. M. A construção do espaço como estratégia política: a romanização da paisagem urbana de Lepcis Magna (sécs. I a.C.-II d.C.). In: LIMA NETO, G. V.; SILVA, E. C. M.; SILVA, G. V. Formas e imagens da cidade antiga. Vitória: Milfontes, 2020..

LIMA NETO, B. M. Bandidos e elites citadinas na África romana. Vitória: Edufes, 2014.

LIMA NETO, B. M. Entre a filosofia e a magia. Curitiba: Prisma, 2016.

MATTINGLY, D. Tripolitania. Michigan: University of Michigan Press, 1994.

MENDES, N. M. Império e romanização: estratégias, dominação e colapso. Brathair, São Luis, n. 7, p. 25-48, 2007.

PERROT, M. Minha História das mulheres. São Paulo: Contexto, 2019.

PINSKY, C. B. Estudos de gênero e História Social. Estudos feministas, n. 17, p. 159-189, 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2009000100009

ROUSSELE, A. A política dos corpos: entre a procriação e continência em Roma. In: DUBY, G.; PERROT, M. História das mulheres: Antiguidade. Porto: Afrontamento, 1993.

SALCEDO DE PRADO, I. La participación de los senadores de origen africano en los sacerdocios publicos de Roma. Historia antigua, Córdoba, v. 25, p. 355-384, 2012a. DOI: https://doi.org/10.5944/etfii.25.2012.10296

SALLER, R. Patronage and friendship in early imperial Rome: drawing the distinction. In: WALLACE-HADRILL, A. (Ed.). Patronage in ancient society. London: Routledge, 1989.

SALLER, R. Status and patronage. In: BOWMAN, A. K.; GARNSEY, P.; RATHBONE, D. (Eds.). The Cambridge ancient history: the high empire (70-192). Cambridge: Cambridge University, 2008..

SCHEID, J. O sacerdote. In: GIARDINA, A. O homem romano. Lisboa: Editorial Presença, 1991.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e realidade, n. 20, p. 71-99, 1995.

SCOTT, J. História das mulheres. In: BURKE, P. A escrita da história: novas perspectivas. São Paulo: Unesp, 2011.

SILVA, G. V. A formação dos cidadãos do céu: João Crisóstomo e a christon paideia. Acta Scientiarum, Maringá, v. 32, n. 1, p. 7-17, 2010. DOI: https://doi.org/10.4025/actascieduc.v32i1.9467

SILVA, S. C. Mulher e casamento em Roma: considerações sobre a matrona Pudentila. In: CANDIDO, M. R. Mulheres na Antiguidade. Rio de Janeiro: NEA/UERJ, 2012, p. 332-345.

SMITH, C. J. The roman clan: the gens from ancient ideology to modern anthropology. New York: Cambridge University Press, 2006. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9780511482922

SOIHET, R.; PEDRO, J. M. A emergência da pesquisa da História das mulheres e das relações de gênero. Revista brasileira de História, n. 54, v. 27, p. 281-300, 2007. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-01882007000200015

STEWART, P. Statues in roman society. London: Oxford University Press, 2003.

TEDESCHI, L. A. As mulheres e a história: uma introdução teórico metodológica. Dourados: EDUFGD, 2012.

THOMAS, Y. A divisão dos sexos no direito romano. In: DUBY, G.; PERROT, M. (Org.). História das mulheres: a Antiguidade. Porto: Edições Afrontamento, 1993.

VEYNE, P. O Império Romano. In: ARIÉS, P.; DUBY, G. História da vida privada: do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

Downloads

Publicado

25-08-2022

Como Citar

LIMA NETO, B. M. Matronas na África Romana: estratégias familiares e agência política feminina na Apologia de Apuleio e nas inscrições epigráficas das cidades da Tripolitânia (Séculos I-II D.C.). Revista Ágora, [S. l.], v. 33, n. 1, p. e–2022330105, 2022. DOI: 10.47456/e-2022330105. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/38043. Acesso em: 2 dez. 2022.