Entre brasas, choques elétricos, sigilos e fome

reminiscências da guerrilha do Araguaia no município de Brejo Grande do Araguaia/ Pará

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-20243503

Palavras-chave:

Guerrilha do Araguaia; memória; história oral; Amazônia.

Resumo

O artigo apresenta e analisa reminiscências de violências impostas pela ditadura militar brasileira (1964-1985) na Amazônia oriental, delimitadas ao município de Brejo Grande do Araguaia/Pará. Teórico-metodologicamente, foram realiza-das revisões de aportes interdisciplinares, com ênfase nos estudos de memória, Estado brasileiro, dinâmicas socioculturais da Amazônia e de território, além de entrevistas semiestruturadas e dialógicas, sob orientações sobretudo éticas, da História Oral. A pesquisa, sob estímulo das políticas de justa memória, deu visibilidade a arquivos (vivos e documentais) da referida cidade para o desen-volvimento estratégico, em curso, de reparação moral e material às vítimas. Além disso, faz exercício de refutação à história cristalizada por narrativas he-gemônicas que, progressivamente, se monumentaliza no cotidiano e, sobretudo, nas escolas da região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ANDRADE, J. V. Entrevista concedida a Mônica de A. Vasconcelos. Brejo Grande do Araguaia, 15 set. 2017.

BRASIL. Secretaria Especial de Direitos Humanos da Presidência da República. Direito à Memória e à Verdade. Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos. Brasília: Secretaria Especial de Direitos Humanos, 2007.

DIAS, M. S. Entrevista concedida a Janailson Macêdo Luiz e Mônica de Almeida Vasconcelos. Brejo Grande do Araguaia, 22 jul. 2017.

FERRAZ, I. et al. “O tempo da guerra” – os Aikewara e a guerrilha do Araguaia. Relatório da Comissão Nacional da Verdade, maio 2014. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas.gov. br/images/documentos/Capitulo14/Nota%2098%20-%2000092_000950_2014_66.pdf Acesso em: 31 out. 2022.

GOVERNO inicia a Transamazônica. Memorial da Democracia, [20--]. Disponível em: http://memorialdademocracia.com.br/card/governo-inicia-a-transamazonica Acesso em: 6 jan. 2023.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Brejo Grande

do Araguaia, [20--]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/brejo-grande-do-araguaia/historico Acesso em: 6 jan. 2023.

OLIVEIRA, R. T. Entrevista concedida a Mônica de A. Vasconcelos. Vila do Carmo, Município de São João do Araguaia, 13 out. 2017.

SURUÍ, T. Entrevista concedida a Mônica de A. Vasconcelos. Aldeia indígena Aikewara, 15 ago. 2022.

Obras Gerais

CAMPOS FILHO, R. P. Guerrilha do Araguaia, a esquerda em armas. São Paulo: Anita Garibaldi, 2003.

CORRÊA, C. H. S. Em algum lugar das selvas amazônicas: as memórias dos guerrilheiros do Araguaia. 2013. 574 f. Tese (Doutorado em História) – Instituto de Ciências Humanas da Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2013. Disponível em: http://cnv.memoriasreveladas. gov.br/institucional-acesso-informacao/acervo.html Acesso em: 20 jun. 2021.

GAGNEBIN, J. M. O rastro e a cicatriz: metáforas da memória. Pro-posições, Campinas, v. 13, n. 3, p. 125-133, 2016.

GORDON, N.; PERUGINI, N. Human shields: a history of people in the line of fire. Berkeley: University of California, 2020. DOI: https://doi.org/10.1525/9780520972285

LOUREIRO, V. R; PINTO, J. N. A. A questão fundiária na Amazônia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 2, n. 54, p 77-98, 2005. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10071 Acesso em: 10 out. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142005000200005

MBEMBE, A. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MENDES, I. A. “Não somos decepadores de cabeças”: a Guerrilha do Araguaia e a participação Suruí/Aikewara. 2019. 74 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em História) – Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará, Xinguara, 2019. Disponível em: http://repositorio.unifesspa.edu.br/handle/123456789/887 Acesso em: 25 out. 2021.

NASCIMENTO, D. A Guerrilha do Araguaia: paulistas e militares da Amazônia. 2000. 199 f. Dissertação (Mestrado Internacional em Planejamento do Desenvolvimento) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2000.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Unicamp, 2007. DOI: https://doi.org/10.7476/9788526814707

PEIXOTO, R. Índios e camponeses: antes, durante e depois da Guerrilha do Araguaia. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 7, p. 47-71, 2014. DOI: https://doi.org/10.22228/rt-f.v7i0.284

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

REIS, N. Cartografia de Memórias: Guerrilha do Araguaia, Campesinato e Questão Agrária no Sudeste do Pará - Amazônia Oriental. 2021. 372 f. Dissertação (Doutorado em Geografia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2021.

SELIGMANN-SILVA, M. Testemunho e a política da memória: o tempo depois das catástrofes. Projeto História: Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História, São Paulo, n. 30, p. 71-98, 2005.

SILVA, W. S. Livros em Guerra: a escrita e a disputa do passado sobre a Guerrilha do Araguaia (1978-2015). 2019. 260 f. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2019.

VASCONCELOS, M. Memórias do Araguaia: problematizando o ensino sobre a guerrilha nas escolas de Brejo Grande do Araguaia – PA. 2018. 108 f. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Educação do Campo) - Universidade Federal do sul e sudeste do Pará, Marabá, 2018.

ŽIŽEK, S. Violência: seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo, 2014.

Guerrilha do Araguaia

Downloads

Publicado

21-02-2024

Como Citar

DE MOURA POSSAS, Hiran; DE ALMEIDA VASCONCELOS, Mônica. Entre brasas, choques elétricos, sigilos e fome : reminiscências da guerrilha do Araguaia no município de Brejo Grande do Araguaia/ Pará. Revista Ágora, [S. l.], v. 35, p. e-20243503, 2024. DOI: 10.47456/e-20243503. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/40992. Acesso em: 17 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos