FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A CLASSIFICAÇÃO DA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO: REVISÃO INTEGRATIVA

FACTORS THAT CONTRIBUTE TO THE CLASSIFICATION OF HIGH-RISK PREGNANCY: INTEGRATIVE REVIEW

Autores

  • Nathalie Ramos Formiga Rolim Faculdade Santa Maria de Cajazeiras
  • Igor de Sousa Gabriel Faculdade Santa Maria de Cajazeiras
  • Amanda Seabra Mota Faculdade Santa Maria de Cajazeiras
  • Ocilma Barros de Quental Faculdade Santa Maria de Cajazeiras

Palavras-chave:

Fatores de risco gestacionais;, Gestação de alto risco, Classificação, Fatores predisponentes, Gravidez de risco

Resumo

Introdução: Em média 15% das mulheres grávidas são diagnosticadas com gestações de alto risco que exigem maiores cuidados e atenção especializada. O alto risco gestacional relaciona-se com fatores sociais, econômicos, nutricionais, metabólicos e entre outros. Apesar dos inúmeros fatores existentes, ainda há lacunas na literatura científica sobre quais elementos auxiliam na classificação da gestação de alto risco. Objetivo: O objetivo desse estudo foi descrever os fatores que contribuem para a classificação da gestação de alto risco. Método: Realizou-se uma revisão integrativa, com inclusão de artigos científicos dos últimos 10 anos publicados nas bases de dados virtuais: SCIELO, Biblioteca Virtual de Teses e Dissertações (BTD) e BVS (Biblioteca virtual em Saúde). Foi utilizado os descritores associados: Gravidez de alto risco; Grupos de risco; Classificação e Fatores predisponentes; utilizando o operador booleano and. Resultados: Foram encontrados 708 documentos, excluindo 645 após filtros dos critérios de inclusão e 23 por duplicidade, sendo 40 selecionados para análise minuciosa e por fim, foram selecionados 11 artigos que estavam totalmente alinhados com o objetivo deste estudo e atendiam aos critérios de inclusão e exclusão. Considerações finais: Os fatores que contribuem para a gestação de alto risco são: vulnerabilidade social e econômica, ser de raça negra, hipertensão arterial sistêmica, pré-eclâmpsia, eclampsia, cardiopatias, tabagismo, infecção do trato urinário de repetição, alcoolismo, diabetes mellitus, infecções como o HIV, mutigestações e disfunção tireoidiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathalie Ramos Formiga Rolim, Faculdade Santa Maria de Cajazeiras

Possui graduação em Enfermagem pela Faculdade Santa Maria de Cajazeiras (2008).

Igor de Sousa Gabriel, Faculdade Santa Maria de Cajazeiras

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (2007). Especialista em Medicina de Família e Comunidade com Residência médica pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) - Campus Cajazeiras. Atualmente é médico de estratégia de saúde da família da Prefeitura Municipal de Cajazeiras e professor da Faculdade Santa Maria de Cajazeiras. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade

Ocilma Barros de Quental, Faculdade Santa Maria de Cajazeiras

Possui Doutorado em Ciências da Saúde pelo Centro Universitário Saúde ABC (2019). Mestrado em Ciências da Saúde pelo Centro Universitário Saúde ABC (2014). Especialização em Saúde da Família, pelas Faculdades Integradas de Patos. Especialização em Preceptoria no SUS, (Sírio Libanês), Especialização em Metodologias Ativas com ênfase em Avaliação de Competência (Sírio Libanês); Especialização em Docência do Ensino Superior (Faculdade Santa Maria); Graduação em Enfermagem pela Faculdade Santa Maria (2007). Atualmente é professora da Faculdade Santa Maria (PB) e Coordenadora do Núcleo de Educação Permanente do Hospital Regional de Cajazeiras. Atuou como Tutora do curso de Especialização em Gestão da Vigilância Sanitária nas Regiões de Saúde - Sírio Libanês. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase no processo do cuidar da Saúde da Mulher, do Adolescente, Gestão na Atenção Primária e Saúde Coletiva.

Referências

Anjos, J. C. S., et al., (2014). Perfil epidemiológico das gestantes atendidas em um centro de referência em pré-natal de alto risco. Rev. Para. Med. 28(2), 23-33. Recuperado de: http://files.bvs.br/upload/S/0101-5907/2014/v28n2/a4264.pdf

Amaral, W., & Peraçoli, J. C. (2011). Fatores de risco relacionados à pré-eclâmpsia. Com. Ciências Saúde. 22(1), 161-168. Recuperado de http://hdl.handle.net/11449/136945

Aquino, P. T., & Souto, S. G. A. (2015). Problemas gestacionais de alto risco comuns na atenção primária. Rev Med Minas Gerais. 25(1), 568-576. Recuperado de http://www.rmmg.org/exportar-pdf/1873/v25n4a16.pdf

Araujo, Z. M. S., et al., (2009). Fatores de Risco para a Síndrome Hipertensiva Específica da Gravidez. RBPS, 22(1), 48-54. doi:http://dx.doi.org/10.5020/366

Bervian, P. A., Cervo, A. L., & Silva, R. (2009). Metodologia Científica. 6 ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Buss, P. M., & Pellegrini, F. A. (2007). A saúde e seus determinantes sociais. Physis: Rev. Saúde Coletiva,17(1): 77-93 Recuperado de www.scielo.br/pdf/physis/v17n1/v17n1a06.pdf

Brasil. (2006). Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-Natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília – DF.

Brasil. (2012). Gestação de Alto risco: manual técnico. Ministério da Saúde, Secretária de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas – 5. Ed. Brasília – DF.

Brasil. M. S. (2012). Atenção ao pré natal de baixo risco. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Brasília – DF, Secretária de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica.

Costa e Silva., et al., (2013). A percepção de gestantes de alto risco acerca do processo hospitalização. Rev Enferm. UERJ, 21(esp.2), 792-797. Recuperado de https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/download/12295/9571

Costa. L. D., Cura, C. C., Perondi, A. R., França, V. F., & Bortoloti, D. S. (2016). Perfil epidemiológico de gestantes de alto risco. Cogitare Enfermagem, 21(2). doi:http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.44192

Dotto, L. M. G., & Mamede, M. V., & Mamede, F.V. (2008). Desempenho e competências obstétricas na admissão e evolução do trabalho do parto: atuação do profissional de saúde. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 12(4), 717-725. doi: https://doi.org/10.1590/S1414-81452008000400016

Gerhardt, T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de Pesquisa. Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. – Porto Alegre: Editora da UFRGS.

Gil, A. C. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas.

Luciano M. P., & Silva, E. F.,& Cecchetto, F. H. (2011). Orientações de Enfermagem na gestação de alto risco: percepções e perfil das gestantes 2011. Rev enferm UFPE on line. 5(5), 1261-1266. Recuperado de http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/view/1727/pdf_559

Luz, B. G. (2015). O perfil das gestantes de alto risco acompanhadas no pré-natal da policlínica de Divinópolis-MG, no biênio 2013/14. J. Health Biol Sci. 3(3),137-143. doi:https://doi.org/10.12662/2317-3076jhbs.v3i3.177.p137-143.2015

Oliveira, V. J., & Madeira, A. M. F. (2011). Interagindo com a equipe multiprofissional: as interfaces da assistência na gestação de alto risco. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem, 15(1), 103-109. doi:https://doi.org/10.1590/S1414-81452011000100015

Marconi, M., & Lakatos, E. M. A. (2010). Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: 7ª Edição. Atlas.

Moura, E. R. F., et al., (2010). Fatores de risco para síndrome hipertensiva específica da gestação entre mulheres hospitalizadas com pré-eclâmpsia. Cogitare Enferm., 15(2), 250-255. Recuperado de https://revistas.ufpr.br/cogitare/article/view/17855/11650

Mittelmark, R. A. (2019). Fatores de risco para gestação de alto risco. Recuperado de https://www.msdmanuals.com/pt/casa/problemas-de-sa%C3%BAde-feminina/gesta%C3%A7%C3%A3o-de-alto-risco/fatores-de-risco-para-gesta%C3%A7%C3%A3o-de-alto-risco

Novaes, E. S., Melo, E. C., Ferracioli, P. L. R. V., Oliveira, R. R. de, & Mathias, T. A. de F. (2018). Risco gestacional e fatores associados em mulheres atendidas pela rede pública de saúde. Ciência, Cuidado e Saúde, 17(3). doi:https://doi.org/10.4025/cienccuidsaude.v17i3.45232

Oliveira, D. C., & Mandu, E. N. T. (2015). Mulheres com gravidez de maior risco: vivências e percepções de necessidades e cuidado. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem 19(1),93-101. doi:https://doi.org/10.5935/1414-8145.20150013

Pimenta, A. M., et al., (2012). Programa “Casa das Gestantes”: perfil das usuárias e resultados da assistência à saúde materna e perinatal. Texto Contexto Enfermagem, 21(4), 912-920. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-07072012000400023

Pinheiro, C. (2018). Gravidez de alto risco: quando a gestação é classificada dessa forma. Recuperado de https://bebe.abril.com.br/gravidez/gravidez-alto-risco-quando-gestacao-classificada-dessa-forma/

Ribeiro, M. A., et al., (2014). Georreferenciamento: ferramenta de análise do sistema de saúde de Sobral-Ceará. [Online] Recuperado de https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/583

Rodrigues, A. R. M., et al., (2017) Gravidez de alto risco: análise dos determinantes de saúde. SANARE, 16(01), 23-28. Recuperado de https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/download/1135/620

Santos, Z. M. S. A., et al., (2007). Fatores de risco para a síndrome hipertensiva específica da gravidez. Rev. Brasileira em Promoção da Saúde, 20(3), 173-180. doi:https://doi.org/10.5020/18061230.2009.p48

Vieira, S., et al., (2011). Percepção das puérperas sobre a assistência prestada pela equipe de saúde no pré-natal. Texto & Contexto Enfermagem, 20, 255-262. recuperado de https://www.scielo.br/pdf/tce/v20nspe/v20nspea32.pdf

Xavier, R. B., et al., (2014). Itinerários de cuidados à saúde de mulheres com história de síndromes hipertensivas na gestação Rev. Interface, 19(55), 1109-1120. Recuperado de https://www.scielo.br/pdf/icse/v19n55/1807-5762-icse-1807-576220140112.pdf

Publicado

2020-07-02

Como Citar

Rolim, N. R. F., Gabriel, I. de S. ., Mota, A. S. ., & Quental, O. B. de . (2020). FATORES QUE CONTRIBUEM PARA A CLASSIFICAÇÃO DA GESTAÇÃO DE ALTO RISCO: REVISÃO INTEGRATIVA: FACTORS THAT CONTRIBUTE TO THE CLASSIFICATION OF HIGH-RISK PREGNANCY: INTEGRATIVE REVIEW. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(6), 60–68. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/31055

Edição

Seção

TECNOLOGIA E INOVAÇÃO NA SAÚDE - TECHNOLOGY AND INNOVATION IN HEALTH

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)