COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES E FARMÁCIAS NO DESCARTE DE MEDICAMENTOS: UM ESTUDO DE CASO

Autores

  • Wagner Cezário Balista Universidade Federal do Espírito Santo
  • Gisele de Lorena Diniz Chaves Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.0001/v2n3_02

Resumo

O meio ambiente e a saúde pública são afetados pelo descarte incorreto de medicamentos. Entretanto, o atraso no acordo setorial determinando as responsabilidades pela logística reversa deste resíduo impacta negativamente na estruturação desta rede. Neste sentido, o objetivo deste trabalho foi avaliar o comportamento da população e dos funcionários de farmácias em relação ao descarte dos medicamentos vencidos ou em desuso. Para isso, realizou-se uma pesquisa de levantamento no município de São Mateus – ES, estruturada por questionários aplicados a 400 consumidores e 54 farmácias, garantindo uma amostragem estatisticamente significativa, além de 96 funcionários para verificar sobre as orientações repassadas à população. Constatou-se que a grande maioria dos consumidores entrevistados verificam a validade dos medicamentos, porém não recebem orientação sobre o descarte correto de medicamentos vencidos e em desuso, por conseguinte realizam o descarte incorreto destes resíduos. Em relação às farmácias, a maioria dos estabelecimentos visitados recebem medicamentos não mais utilizados ou com validade expirada da população. Constatou-se também que apenas 3,7% das farmácias entrevistadas recebem incentivos para descartar os medicamentos vencidos e em desuso em posse dos consumidores. Quanto aos funcionários, verificou-se que menos da metade dos entrevistados repassam alguma informação sobre o descarte correto de medicamentos com validade expirada ou que não são mais utilizados. Os resultados apontam para a necessidade de efetividade na aplicação das responsabilidades estabelecidas na legislação. Espera-se que, com o acordo setorial para a logística reversa de medicamentos vencidos e em desuso, este cenário possa evoluir nacionalmente para melhores práticas de descarte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL (ABDI). Logística Reversa para o setor de medicamentos. Brasília, 138p, 2013.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE PESQUISA – ABEP. Critério de Classificação Econômica Brasil – CCEB. 2012. Disponível em: <www http://www.abep.org/new/Servicos/Download.aspx?id=02>. Acesso em 16 jun. 2014.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 10004: Resíduos sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2004
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 12808: Resíduos de serviços de saúde – classificação. Rio de Janeiro, 1993.
BALBINO, E. C.; BALBINO, M. L. C. O descarte de medicamentos no Brasil: Um olhar socioeconômico e ambiental do lixo farmacêutico. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 86, mar 2011. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=9187>. Acesso em 15 fev. 2014.
BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico, 2010.
BRASIL. Lei Nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, 03 ago. 2010. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em 10 fev. de 2014.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde, 2006.
BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Política Nacional de Resíduos Sólidos, Relatório Preliminar. Núcleo de Assessoramento em Regulação e Boas Práticas Regulatórias, 2010.
BRASIL. Resolução CONAMA Nº 358, de 29 de abril de 2005. Dispõe sobre o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde e dá outras providências. Publicação DOU: 04/05/2005. n. 84, de 04 de maio de 2005, Seção 1, p. 63-65. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legislacao/CONAMA_RES_CONS_2005_358.pdf>. Acesso em 10 ago. de 2013.
BRASIL. Resolução da Diretoria Colegiada da ANVISA - RDC N° 44, de 17 de agosto de 2009. Dispõe sobre Boas Práticas Farmacêuticas para o controle sanitário do funcionamento, da dispensação e da comercialização de produtos e da prestação de serviços farmacêuticos em farmácias e drogarias e dá outras providências. Disponível em: <http://cfo.org.br/wp-content/uploads/2010/02/180809_rdc_44.pdf>. Acesso em 12 abr. 2014.
CHAVES, G. L. D.; BATALHA, M. O. Os consumidores valorizam a coleta de embalagens recicláveis? Um estudo de caso da logística reversa em uma rede de hipermercados. Gestão & Produção, São Carlos, v. 13, n. 3, 2006.
DAHER, C. E.; FONSECA, A. P.; SILVA, E. P. S. Logística reversa: oportunidade para redução de custos através do gerenciamento da cadeia integrada de valor. Brazilian Business Review, Vitória, vol. 3, n. 1, p. 58-73, 2006
DE AQUINO, D. S. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciência & Saúde Coletiva, v. 13, 2008.
DOS REIS, L. C. L.; SEMÊDO, L. T. A. S.; GOMES, R. C. Conscientização Ambiental: da Educação Formal a Não Formal. Revista Fluminense de Extensão Universitária, Vassouras, v. 2, n. 1, p. 47-60, jan/jun., 2012
FLORES, A. V. et al. Organoclorados: um problema de saúde pública. Ambiente & Sociedade, v. 7, n. 2, p. 111-24, 2004.
GASPARINI, J. DO C.; GASPARINI, A. R.; FRIGIERI, M. C. Estudo do descarte de medicamentos e consciência ambiental no município de Catanduva-SP. Ciência & Tecnologia, v. 2, n. 1, 2011.
GUARNIERI, P. Logística Reversa: Em busca do equilíbrio econômico e ambiental. Recife: Clube de Autores, 2011.
HICKLE, G. T. Moving beyond the “patchwork:” a review of strategies to promote consistency for extended producer responsibility policy in the US. Journal of Cleaner Production, 2014, vol. 64, p. 266-276.
JACOBI, P. R. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e pesquisa, 2005, vol. 31, no 2, p. 233-250.
LACERDA, L. Logística Reversa: Uma visão sobre os conceitos e as práticas operacionais. In: FIGUEIREDO, K. F.; FLEURY, P. F.; WANKE, P. (Orgs.) Logística e gerenciamento da cadeia de suprimentos: planejamento do fluxo de produtos e dos recursos. Centro de Estudos em Logística. COPPEAD, UFRJ. São Paulo: Atlas, 2003.
LEITE, P. R. Logística Reversa: meio ambiente e competitividade. São Paulo: Prentice Hall, 2009.
LIFSET, R. et al. Extended Producer Responsibility. Journal of Industrial Ecology, 2013, vol. 17, no 2, p. 162-166.
MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2001.
MELO, V. et al. Descarte de medicamentos vencidos por usuários residentes na cidade de São Paulo. In: XIV Congresso Paulista de Farmacêuticos-VI Seminário Internacional de Farmacêuticos e EXPOFAR. 2005.
MONTGOMERY, D. C. Introdução ao controle estatístico da qualidade. 4. Ed [Reimp.]. Rio de Janeiro: LTC, 2013.
PORTAL ACTION. c1997. Disponível em: <http://www.portalaction.com.br/>. Acesso em 01 ago. 2014.
ROGERS, D. S.; TIBBEN-LEMBKE, R. S. An examination of reverse logistics practices. Journal of Business Logistics, vol. 22, n. 2, p. 129-148, 2001.
RT EMPREENDIMENTOS. Empresa. Disponível em: <http://www.rtempreendimentos.com.br/empresa/>. Acesso em 23 nov. 2015.
SINIR Acordos setoriais firmados. Sistema nacional de informações sobre a gestão dos resíduos sólidos. 2015. Disponível em: <http://www.sinir.gov.br/>. Acesso em 06 mai. 2015.
SOARES JUNIOR, M. P. et al. Educação ambiental: um desafio à sustentabilidade sócio ambiental. Revista Brasileira de Gestão Ambiental. ISSN 2317-3122, 2013, vol. 6, no 1, p. 18-34.
TRAVASSOS, E. G. A educação ambiental nos currículos: dificuldades e desafios. Revista de Biologia e Ciências da Terra, 2001, vol. 1, no 2, p. 2001.
VAZ, K. V.; DE FREITAS, M. M.; CIRQUEIRA, J. Z. Investigação sobre a forma de descarte de medicamentos vencidos. Cenarium Pharmacêutico, v. 4, 2011.

Downloads

Publicado

23.12.2016

Como Citar

Balista, W. C., & de Lorena Diniz Chaves, G. (2016). COMPORTAMENTO DOS CONSUMIDORES E FARMÁCIAS NO DESCARTE DE MEDICAMENTOS: UM ESTUDO DE CASO. Brazilian Journal of Production Engineering, 2(3), 14–30. https://doi.org/10.0001/v2n3_02

Edição

Seção

ENGENHARIA AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)