A repartição do eu como estratégia literária: As diversas (inter)subjetividades construídas no conto ‘Borges e Eu’ do escritor Jorge Luis Borges

Autores

  • Ivete Lara Camargos Walty Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG
  • Juliane Ferraz Oliveira Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG

Resumo

RESUMO: Neste artigo, pretendemos analisar o processo de encenação do eu/self como estratégia de construção de significações do texto literário do escritor Jorge Luis Borges, intitulado ‘Borges e Eu’. Frente a esse objeto, assumimos como objetivo demonstrar que o texto literário pode ser compreendido como espaço privilegiado de encenação de operações cognitivas constitutivas do ser humano, no processo de produção de sentido, tais como: construção de si (e do outro) - (inter)subjetividade; espacialização; temporalização e encenação. Para isso, defendemos a tese de que a escrita literária, como um processo de criação estética humana, por meio de construções de cenas contrafactuais, permite a percepção de encenações de fluxos conscienciais, de maneira privilegiada. Com o intuito de atingir o objetivo proposto, adotamos como referencial teórico Brandt (2004), por possibilitar um estudo sobre os processos integrativos que são estruturantes da construção da consciência e da memória humanas, nas práticas de produção de sentido; e Abrantes (2010), que permite compreender o processo de análise literária, ambos em uma perspectiva cognitiva.

PALAVRAS-CHAVE: Construção de self. Identidade. Contrafactualidade. Borges.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2021-07-20