Caligrama, corpo e escrita

As encenações da euforia e da violência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v1i21.28324

Resumo

A discussão com a interpretação crítica da forma do caligrama em termos de um qualificativo desambiguador ou de uma repetição tautológica é possibilitada pela consideração do contexto vanguardista. Nos caligramas de Apollinaire a encenação do espaço sonoro e, antes de mais nada, da experiência da ausência, tem como seu objetivo questionar a cumplicidade da poética vanguardista com a violência. Indagando o enigma do representável e a emergência visual do objeto, os caligramas encenam o jogo com a métrica e a irradiação da voz. Ao convidar o leitor à subversão da verticalidade da leitura, os caligramas atualizam o problema da percepção das figuras ambíguas, propondo também uma nova compreensão da intertextualidade por meio da combinação das expressões prontas em criativos desarranjos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2019-12-12

Como Citar

Kempinska, O. (2019). Caligrama, corpo e escrita: As encenações da euforia e da violência. Revista Farol, 1(21), 70–77. https://doi.org/10.47456/rf.v1i21.28324

Edição

Seção

Artigos