Índice de pobreza hídrica dos municípios no Estado do Tocantins, Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v3i37.41491

Palavras-chave:

análise espacial, condição hidrológica-socioeconômica, gestão da água, Tocantins, Brasil

Resumo

A deficiência hídrica é uma questão presente no território brasileiro, sendo que, diante de sua distribuição irregular, a análise por estado é relevante, tal como para o estado do Tocantins. Assim, este trabalho visa determinar e analisar as condições de pobreza hídrica de 139 municípios tocantinense. Devido à diversidade de informações dos componentes que constituem este indicador, os valores obtidos em cada subcomponente foram normalizados, adotando-se valores máximos e mínimos de acordo com a escala espacial, permitindo assim realizar uma análise comparativa. O peso atribuído para os componentes que compõem este índice foi de 1 para recurso, acesso, capacidade, e de 0,5 para o componente uso, aplicados na equação que representa o índice de pobreza hídrica. Conforme a escala, que parte de 0 para a situação mais crítica e atinge 1 para a condição excelente, a maior parte dos municípios tocantinenses, assim como a média deste índice para o estado do Tocantins é classificado como bom. Os municípios com as melhores condições foram Palmas (0,70), Porto Nacional (0,65), Miracema e Pedro Afonso (0,63) e Paraíso do Tocantins (0,61), todos na porção central do estado. Já os municípios que apresentaram este índice classificado como crítico foram Praia Norte (0,29), Juarina (0,28), Aragominas (0,27), Piraquê (0,24) e Riachinho (0,22), localizados na parte norte do Estado. O resultado obtido não pode ser interpretado como abundância de recursos hídricos, mas como uma combinação favorável de fatores que permite boas condições no que se refere aos recursos, acessos, capacidades, usos e meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Virgílio Lourenço Silva Neto, Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Tocantins

Possui graduação em Geografia pela Universidade Estadual de Goiás (2003), mestrado em Ciências Florestais e Ambientais pela Universidade Federal do Tocantins (2016) e doutorado em Ciências do Ambiente pela Universidade Federal do Tocantins (2023). Atualmente é professor do curso técnico em administração, agropecuária e edificações (IFTO), além de atuar como coordenador do Curso Técnico em Agronegócio Integrado ao Ensino Médio do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins. Tem experiência na área de Geografia, com ênfase em Geografia, atuando principalmente nos seguintes temas: hidrologia, geoestatística, perda de solo, dados pluviométricos e sustentabilidade.

Lucas Barbosa e Souza, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Bacharel (1999) e licenciado (2000) em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), mestre (2003) e doutor (2006) em Geografia (Análise da Informação Espacial) pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (UNESP), Campus de Rio Claro. Pós-doutorado (2018) em Geografia pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professor Titular da Universidade Federal do Tocantins (UFT) (ingresso em 2004), onde atua junto ao Curso de Geografia (Campus de Porto Nacional) e aos Programas de Pós-Graduação em Geografia (Campus de Porto Nacional) e em Ciências do Ambiente (Campus de Palmas). Desenvolve pesquisas nas áreas de climatologia geográfica, percepção ambiental e implicações ambientais do agronegócio sobre o Cerrado.

Marcos Antonio Vieira Morais, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Mato Grosso (IFMT)

Doutor em Ciências (pelo PPG em Recursos Hídricos em Sistemas Agrícolas/UFLA) tendo desenvolvido trabalhos na área de simulação hidrológica e hidrologia estatística. Mestre em Ciências (pelo PPG em Ciências Florestais e Ambientais/UFMT) atuando na área de avaliação de impacto ambiental e sistemas agrícolas. Especialista em Educação Profissional voltado para jovens e adultos (pelo CEFET Mato Grosso), pós-graduado em nível de aperfeiçoamento em Mentoria para a Educação Profissional e Tecnológica (IFES) e graduado em Tecnologia em Gestão Ambiental (CEFET Goiás). Interesse pelos temas: Ensino, Estatística Aplicada, Ciências de Dados e Aprendizado de Máquina.

Referências

ANA - Agência Nacional das Águas. Manual de Usos Consuntivos da Água no Brasil. Brasília: ANA, 2019. Disponível em: <http://snirh.gov.br/usos-da-agua/>. Acesso: 12 mai. 2022.

______. Agência Nacional das Águas e Saneamento Básico (Brasil). Atlas Irrigação: uso da água na agricultura irrigada, 2. ed. Brasília: 2021. 130 p.

BORDALO, C. A. O paradoxo da água na região das águas: o caso da Amazônia brasileira. Geousp - Espaço e Tempo (Online), v. 21, n. 1, p. 120-137, 2017. <https://doi.org/10.11606/issn.2179-0892.geousp.2017.107531>.

BRITO, F. S. L. et al. Uso de indicador hídrico na Ilha de Cotijuba, município de Belém-PA. Revista de Gestão de Água da América Latina, v. 17, n. 2020, p. e11, 2020. <https://doi.org/10.21168/rega.v17e11>.

CRISPIM, D. L. Estudo da situação hídrica da população rural do município de Pombal - PB. 2015. 103 p. Dissertação de Mestrado em Sistemas Agroindustriais (Mestrado em Sistemas Agroindustriais). Programa de Pós-Graduação em Sistemas Agroindustriais, Universidade Federal de Campina Grande.

DESAI, M. Poverty, famine and economic development: the selected essays of Meghnad Desai, Volume II. Aldershot: Edward Elgar Publishing Ltd., 1995. 240 p.

EL-GAFY, I. K. E.-D. The water poverty index as an assistant tool for drawing strategies of the Egyptian water sector. Ain Shams Engineering Journal, v. 9, n. 2, p. 173-186, 2018. <https://doi.org/10.1016/j.asej.2015.09.008>.

HERCULANO, S. O clamor por justiça ambiental e contra o racismo ambiental. Revista de gestão integrada em saúde do trabalho e meio ambiente, v. 3, n. 1, p. 01-20, 2008.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por amostra de domicílios - PNAD, 2010. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/home/pnadcm>. Acesso: 01 jun.

______. Instituto Brasileiro de Geografia e estatística. Censo Agropecuário 2017. Rio de Janeiro, p. 108, 2017. 2021. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/pesquisa/censo-agropecuario/censo-agropecuario-2017>. Acesso: 04 jan.

______. Cidades. 2021. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/to.html>. Acesso: 16 mai. de 2023.

IPEA. Atlas da vulnerabilidade social nos municípios brasileiros. Brasília: IPEA, 2015. 77 p.

LAPIG. Laboratório de processamento de imagem e geoprocessamento - LAPIG (2022). Atlas das pastagens. (base digital georeferenciada). Goiânia, Brasil: LAPIG/UFG. 2021. Disponível em: <http://maps.lapig.iesa.ufg.br/lapig.html>. Acesso: 03 mar. 2022.

LEMOS, J. D. J. S. Mapa da exclusão social no Brasil: radiografia de um país assimetricamente pobre. Fortaleza: Banco do Nordeste do Brasil, 2012. 253 p.

LUNA, R. M. Desenvolvimento do índice de pobreza hídrica (IPH) para o semi-árido brasileiro. 2007. 138 p. Tese de Doutorado em Recursos Hídricos (Doutorado em Recursos Hídricos). Programa de Pós-Graduação em Recursos Hídricos, Universidade Federal do Ceará.

MARANHÃO, R. M. R. Índice de Pobreza Hídrica (IPH) aplicado a municípios dos sertões dos Inhamuns no semiárido do Ceará-Brasil. 2010. 95 p. Dissertação de Mestrado em Geografia (Mestrado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal do Ceará.

MORAIS, F. D. et al. Escassez hídrica e políticas públicas no sudeste do Tocantins. In: SCAPIN, E.; RAMBO, M. K. D.; SANTOS, M. G. D. (Ed.). Água e sustentabilidade na Amazônia. Palmas: EDUFT, 2019. p. 139.

MOURA, D. V. Justiça ambiental: um instrumento de cidadania. Qualit@s Revista Eletrônica, v. 9, n. 1, p. 1-10, 2009.

OGATA, I. S. Desenvolvimento do índice de pobreza hídrica para bacia hidrográfica do Rio Paraíba. 2014. 104 p. Dissertação de Metrado em Engenharia Civil e Ambiental (Metrado em Engenharia Civil e Ambiental). Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental, Universidade Federal de Campina Grande – UFCG.

OLIVAS-PALMA, M. J.; CAMBEROS-CASTRO, M. Pobreza hídrica en 78 municipios del Noroeste de México: una reflexión a partir del Índice de Pobreza Hídrica y la Pobreza Multidimensional, 2015. Revista IDeAS, v. 15, n. 1, p. e021005-e021005, 2021. <https://doi.org/10.31908/19098367.1848>.

PRINCE, B. C. et al. A statistical and spatial analysis of water poverty using a modified Water Poverty Index. International Journal of Water Resources Development, v. 37, n. 2, p. 339-356, 2021. <https://doi.org/10.1080/07900627.2020.1768829>.

SANTOS, A. M. D. Vulnerabilidade hidrológica das populações residentes na bacia hidrográfica do rio UNA (Pernambuco) frente aos cenários de mudanças climáticas. 2015. 129 p. Tese (Doutorado em Geografia). Programa de Pós-Graduação em Geografia, Universidade Federal de Pernambuco.

SANTOS, R. D. S. F.; FERREIRA, M. I. P. Índice de Pobreza Hídrica e sua adaptação às condições da comunidade de Gargaú, São Francisco do Itabapoana/RJ. Boletim do Observatório Ambiental Alberto Ribeiro Lamego, v. 10, n. 2, p. 191-206, 2016. <https://doi.org/10.19180/2177-4560.v10n22016p191-206>.

SENNA, L. D. D. Uso do Índice de Pobreza Hídrica (WPI) através da análise de componentes principais. 2015. 41 p. Dissertação de Mestrado em Engenharia Sanitária (Mestrado em Engenharia Sanitária). Programa de Pós-graduação em Engenharia Sanitária, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

SILVA NETO, V. L. Recursos Hídricos no Tocantins: Índice de Pobreza Hídrica dos municípios tocantinenses e a pressão do Agronegócio. 2023. 160 p. Tese de Doutorado em Ciências do Ambiente (Doutorado em Ciências do Ambiente). Programa de Pós-Graduação em Ciências do Ambiente, Universidade Federal do Tocantins - UFT.

SILVA NETO, V. L. et al. Variabilidade espacial e temporal da precipitação no Estado do Tocantins, Brasil. Research, Society and Development, v. 10, n. 3, p. 1-11, 2021. <https://doi.org/10.33448/rsd-v10i3.13545>.

SILVA NETO, V. L. et al. Precipitação máxima provável no Estado do Tocantins: primeira aproximação pelo método estatístico de Hershfield. Revista Brasileira de Climatologia, v. 27, p. 660-679, 2020. <http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v27i0.69590>.

SNIS. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento. Painel de Saneamento. 2022. Disponível em: <http://appsnis.mdr.gov.br/indicadores/web/agua_esgoto/mapa-agua>. Acesso: 10 jan. 2022.

SULLIVAN, C. Calculating a water poverty index. World development, v. 30, n. 7, p. 1195-1210, 2002. <https://doi.org/10.1016/S0305-750X(02)00035-9>.

SULLIVAN, C. A. et al. The Water Poverty Index: Development and application at the community scale. Natural Resources Forum, v. 27, p. 189-199, 2003.<https://doi.org/10.1111/1477-8947.00054>.

TOCANTINS. Secretaria da Fazenda e Planejamento. Superintendência de Planejamento Governamental. Diretoria de Gestão de Informações Territoriais e Socioeconômicas. Gerência de Zoneamento Territorial. Palmas: SEFAZ/GZT. Projeto de Desenvolvimento Regional Integrado e Sustentável. Elaboração das Cartas Climáticas do Estado do Tocantins, (1). 464 p., Ilust.

TORRES, D. J. S. M.; ÁLVAREZ, B. L. Cálculo del índice de pobreza del agua en la Zona Media de San Luis Potosí. Revista de El Colegio de San Luis, v. 10, n. 21, p. 1-28, 2020. <https://doi.org/10.21696/rcsl102120201176>.

VIOLA, M. R. et al. Distribuição e potencial erosivo das chuvas no Estado do Tocantins. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 49, p. 125-135, 2014. <https://doi.org/10.1590/S0100-204X2014000200007>.

Publicado

01-12-2023

Como Citar

VIRGÍLIO LOURENÇO SILVA NETO; SOUZA, Lucas Barbosa e; MORAIS, Marco Antonio Vieira. Índice de pobreza hídrica dos municípios no Estado do Tocantins, Brasil. Geografares, [S. l.], v. 3, n. 37, p. 132–158, 2023. DOI: 10.47456/geo.v3i37.41491. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/41491. Acesso em: 12 abr. 2024.