A moderna colonização dos trópicos: geografia e planejamento na primeira metade do século XX

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v3i37.42336

Palavras-chave:

história da geografia, colonização, planejamento

Resumo

O problema da colonização dirigida das terras tropicais é o assunto que será abordado nas próximas páginas. Especificamente, analisa-se o modo como alguns geógrafos abordaram esse tema ao longo da primeira metade do século XX, durante o processo de afirmação da geografia como campo disciplinar. A argumentação será dividida em dois momentos básicos. Primeiramente, discute-se de forma breve como a colonização de espaços tidos como vazios, mormente os localizados em terras tropicais, transforma-se num tema relevante de uma geografia já preocupada com problemas globais. Posteriormente, no contexto histórico dos anos 1950, problematiza-se a avaliação que a geografia brasileira estava efetuando das políticas territoriais de colonização levadas a cabo no país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlo Eugênio Nogueira, Universidade Federal do Espírito Santo

Carlo Eugênio Nogueira, geógrafo, é professor do Departamento de Geografia e do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Espírito Santo. Mestre e Doutor em Geografia (Geografia Humana) pela Universidade de São Paulo, desenvolve pesquisas que relacionam o processo de formação territorial do Brasil com a história do pensamento geográfico desde meados dos anos 2000, quando foi pesquisador integrado ao projeto “Geografia Histórica (Econômica e Política) da América Portuguesa nas Primeiras Décadas do Século XIX”, coordenado pelo professor Dr. Antônio Carlos Robert Moraes junto ao Laboratório de Geografia Política (GEOPO/DG/USP).

Suas pesquisas estiveram sempre às voltas com a temática das fronteiras, ora estudando o processo de formação do território brasileiro através da análise das políticas de colonização e povoamento na passagem do século XVIII ao XIX, ora apreciando o fenômeno da expansão das frentes pioneiras ocorrida na primeira metade do século XX. Atualmente, integra o coletivo de pesquisadores Rede Brasilis – a Rede Brasileira de História da Geografia e Geografia Histórica, liderando, no Laboratório de História Regional e Conexões Atlânticas (LACES/UFES), pesquisas dedicadas ao entendimento do processo de formação territorial do Espírito Santo em diferentes momentos históricos. Em detalhe, ganham destaque o projeto “Geografia Histórica das terras capixabas: da Colônia ao Império (1750-1850) (PRPPG/UFES 12164/2023)”, que visa a desenvolver uma análise retrospectiva centrada no território para mapear, com uso do geoprocessamento, o quadro geoeconômico do Espírito Santo nesse período, e o projeto “Pensamento Geográfico e Formação Territorial no Espírito Santo: século XX” (PRPPG/UFES 8998/2018), que tem como proposta efetuar uma avaliação do processo de formação territorial do Espírito Santo ao longo do século XX, construindo uma análise que aprecia as alterações ocorridas na geografia material do estado conjuntamente com as interpretações elaboradas sobre esse mesmo fenômeno.

Dentre suas principais publicações, vale mencionar o capítulo sobre “Antônio Carlos Robert Moraes (1954-2015)” escrito em 2022 para a renomada coleção Geographers: Biobibliographical Studies, o livro “Ensaios de Geografia Histórica e História da Geografia”, publicado em 2021, e os artigos “Geografia Histórica de uma fronteira: a borda oeste da América Portuguesa (1700-1800)” e “Expedições geográficas e formação territorial no Espírito Santo (c. 1943)”, publicados em 2020 no Boletim Gaúcho de Geografia e na revista Terra Brasilis, respectivamente.

Referências

ARNOLD, D. The problem of nature: Environment, culture and European expansion. Oxford: Blackwell Publishers, 1996.

______. Illusory riches: Representations of the tropical world, 1840-1950. Singapore Journal of Tropical Geography, v. 21, n.1, p. 6-18, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1111/1467-9493.00060

BOWMAN, I. The Pionner Fringe. NY: American Geographical Society, 1931.

______. Limits of Land Settlement: a report on present-day possibilities. NY: Counsik of Foreign Relations 1937.

CLAYTON, D. ; BOWD, G. Geography, tropicality and postcolonialism: Anglophone and Francophone readings of the work of Pierre Gourou. L’Espace géographique, v. 35, n. 3, p. 208-221, 2006. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/26236005

COSCIONI, F. J. O Darwinismo Social na Geografia Humana estadunidense: um estudo de obras selecionadas de Ellsworth Huntington e Ellen Semple. Tese (Doutorado em Geografia). São Paulo: FFLCH/USP, 2019.

DEFFONTAINES, P. Pays et paysages de l'État de Saint-Paul (Brésil). Première esquisse de division régionale. Annales de Géographie, v. 45, n. 253, pp. 50-71, 1936.

______. Mountain settlement in the Central Brazilian Plateau. Geographical Review, v.27, n.3, p. 394-413, 1937.

DEMANGEON, A. Dictionnaire-manuel-illustré de géographie. Paris: Armand Colin, 1907

______. Pionniers et fronts de colonisation. Annales de Géographie, v. 41, n. 234, p. 631-636, 1932.

______. Problèmes de Géographie Humaine, Paris,. Ed. Armand Colin, 1942.

DUTRA E SILVA, S. ; BELL, S. A colonização agrária no Brasil Central: fontes inéditas sobre as pesquisas de campo de Henry Bruman em Goiás na década de 1950. Topoi. Revista de História, Rio de Janeiro, v. 19, n. 37, p. 198-225, jan./abr. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/2237-101X01903709

FERRAZ, J. S. White Settlers in the Tropics. Comentários. Revista Brasileira de Geografia, v.3, n.2, p. 409-414, 1941.

FRANÇA, Ary. A Ilha de São Sebastião: estudo de geografia humana. Boletim FFLC n. 178 – Geografia n.10, São Paulo: USP, 1954.

GALLAIS, J. L’évolution de la pensée géographique de Pierre Gourou sur les pays tropicaux (1935-1970). Annales de Géographie, v. 90, n. 498, p.129-150, 1981.

GOUROU, P. Les Pays tropicaux: principes d’une géographie humaine et économique. Paris: PUF, 1947.

JAMES, P. A vegetation map of Paraná. Geographical Review, v.22, n.4, p.676-689, 1932.

______. Japanese colonization in Brazil. Geographical Review, v.27, n.1, p. 145-160, 1937.

KOHLHEPP, G. A importância de Leo Waibel para a geografia brasileira e o início das relações científicas entre o Brasil e a Alemanha no campo da geografia. Revista Brasileira de Desenvolvimento Regional. Blumenau, v.1, n.2, p. 29-75, 2013. Disponível em: http://dx.doi.org/10.7867/2317-5443.2013v1n2p029-075.

LIRA, L.A. Pierre Monbeig e a formação da Geografia no Brasil (1925-1956): uma geo-história dos saberes. São Paulo: Alameda, 2021.

MONBEIG, P. O homem branco e o meio tropical. Boletim Geográfico, v. 5, n. 50, p.123-125, 1947.

______. White Settlers in the Tropics. Resenha. Revista Brasileira de Geografia, v.3, n.1, p. 184-188, 1941.

______. Ensaios de Geografia Humana Brasileira. São Paulo: Martins, 1940.

MONTEIRO, C. A. F. A Geografia no Brasil (1934-1977): avaliação e tendências. São Paulo: Instituto de Geografia/ FFLCH/USP, 1980.

MORAES, A. C. R. Ideologias Geográficas - Espaço, Cultura e Política no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1988.

______. Território e História no Brasil. São Paulo: Annablume, 2002.

NOGUEIRA, C.E. Ensaios de Geografia Histórica e História da Geografia. Vitória: Edufes/MC&G, 2021.

______. Rumar ao Oeste ou fincar os pés no Leste? O contexto da atuação de Leo Waibel no Brasil (1940/1950). Lira, L.A., Sousa Neto, M.F. e Duarte, R.B. (org.). Geografias das ciências, dos saberes e da história da geografia. São Paulo: Alameda, 2020.

______. O lugar da fronteira na geografia de Pierre Monbeig. Tese (Doutorado em Geografia Humana), São Paulo: FFLCH/USP, 2013.

OLIVEIRA, A.U. A Geografia agrária na obra de Orlando Valverde. SUERTEGARAY, D.M.A. et al (org.). Orlando Valverde: o geógrafo e sua obra. Porto Alegre: IGEO/UFRGS, 2017.

PAPY, Louis. En marge de l'empire du café, la façade atlantique de Sâo Paulo. Cahiers d'outre-mer, n. 20, p. 357-398, 1952.

PEREIRA, S.N. Na boca do sertão ou integrada ao ecúmeno? Militares, estatísticos, geógrafos e a localização da nova capital. In: SENRA, N. (org.). Veredas de Brasília: as expedições geográficas em busca de um sonho. Rio de Janeiro: IBGE, 2010.

PERES, E. P. “Proverbial hospitalidade”?: a revista de imigração e colonização e o discurso oficial sobre o imigrante (1945-1955). Acervo - Revista do Arquivo Nacional, v. 10, n. 2, p. 53-70, 1997.

PETRONE, P. A Baixada do Ribeira – Estudo de Geografia Humana. Boletim FFCL n. 283 – Geografia n. 14. São Paulo: USP, 1966.

PLATT, R.S. Coffee plantations of Brazil. Geographical Review, v.25, n.2, p.231-239, 1935.

PRICE, A.G. White settlers in the Tropics. New York: AGS, 1939.

ROBEQUAIN, C. L’Indochine francaise. Paris:Armand Colin, 1935.

ROBIC, M.C. Conhecer seu Mundo. Terra Brasilis (Online) v. 2, 2013. Disponível em: http://journals.openedition.org/terrabrasilis/900.

______. A crise dos anos trinta e a emergência de novos temas na geografia. Angotti-Salgueiro H. (org.). Pierre Monbeig e a geografia humana brasileira: a dinâmica da transformação. São Paulo, EDUSC, IEB, FAPESP, 2006.

______. Géographes face au monde. L’Union Géographique Internationale et les congrès internationaux de géographie. Paris/Montréal: L’Harmattan, 1996.

SAID, E. Orientalism. New York, Pantheon, 1978.

SEYFERTH, G. Colonização, imigração e a questão racial no Brasil. Revista USP, n. 53, p. 117-149. 2002

SION, J. Asie des Moussons. Geographie Universelle, t. 9. Paris: Armand Colin, 1929.

SMITH, N. American Empire. Roosevelt’s geographer and the prelude to globalization. Los Angeles: University of California Press, 2003.

VESSENTINI, J. W. A capital da Geopolítica. São Paulo: Ática, 1986.

WAIBEL, L. White settlement in Costa Rica. Geographical Review, v.29, n.4, p. 529-560, 1939.

Downloads

Publicado

01-12-2023

Como Citar

CARLO EUGÊNIO NOGUEIRA. A moderna colonização dos trópicos: geografia e planejamento na primeira metade do século XX. Geografares, [S. l.], v. 3, n. 37, p. 88–113, 2023. DOI: 10.47456/geo.v3i37.42336. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/42336. Acesso em: 12 abr. 2024.