Impactos socioambientais na Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro, Brasil: desenvolvimento e restrição do território dos pescadores artesanais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v4i38.44815

Palavras-chave:

impacto socioambiental, ecologia política, desenvolvimento, Baía de Sepetiba, pesca artesanal

Resumo

O desenvolvimento econômico em curso na borda oeste da metrópole fluminense gera impactos socioambientais para o trabalho da pesca artesanal. No entorno da Baía de Sepetiba, vem-se formando nas últimas décadas um eixo logístico-portuário, com empreendimentos que favorecem a produção e circulação de mercadorias para o mercado internacional. O funcionamento desses empreendimentos altera a materialidade do território, impactando diretamente na atividade da pesca artesanal. O presente artigo objetiva contribuir com o debate ambiental problematizando a racionalidade ambiental que vem se consolidando com o desenvolvimento sustentável. Como resultado, foi observado que os impactos socioambientais provocados pelo desenvolvimento alteraram as condições de territorialidade dos pescadores artesanais, provocando mudanças nas técnicas de pesca e nas relações sociais de trabalho. Esses trabalhadores estão enfrentando cada vez mais restrições no uso do território, resultando na perda dos recursos dos quais eles historicamente dependem há várias gerações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Corrêa Euzebio, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando em Geografia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro desde 2021. Possui mestrado em Geografia pela Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro - FFP/UERJ (2018), especialização em Dinâmicas Urbano-Ambientais e Gestão do Território (2014) e Licenciatura Plena em Geografia (2011) também pela FFP/UERJ. Atualmente é membro do Núcleo de Pesquisa e Extensão Urbano, Território e Mudanças Contemporâneas, vinculado ao Departamento de Geografia da UERJ. Vem atuando principalmente nos seguintes temas: espaço urbano, modernização, norma, técnica e pesca artesanal.

Referências

ACSELRAD, H. Ambientalização das Lutas Sociais - o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, São Paulo, v. 24, n. 28, p. 103-119, 2010. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/10469. Acesso: em: 15 jul. 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40142010000100010

EUZEBIO, R. C. Artes de pesca artesanal e o fenômeno técnico na Baía de Sepetiba (RJ): o lugar do saber-fazer dos pescadores e a modernização do lugar. 2018. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, RJ

FIOCRUZ – Fundação Oswaldo Cruz. Avaliação dos impactos socioambientais e de saúde em Santa Cruz decorrentes da instalação e operação da empresa TKCSA. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2011. Disponível em: http://www.epsjv.fiocruz.br/upload/d/Relatorio_TKCSA_completo.pdf. Acesso: em: 10 de jun. de 2022.

LEFF, E. Racionalidade ambiental: a reapropriação social da natureza. Tradução: Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006. 555 p.

MOSER, G. A.; DOMINGOS, P. Riscos de florações de algas nocivas (FANs) e os atuais impactos socioambientais: o caso da Baía de Sepetiba. In: SILVA, C. A.; SUIAMA, S. G. Baía de Sepetiba: riscos à natureza e aos coletivos humanos na metrópole do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2018.

MONIÉ, F. Globalização, modernização do sistema portuário e relações cidade/porto no Brasil In: SILVEIRA, M. R. (org.): Geografia dos transportes, circulação e logística no Brasil. São Paulo: Outras Expressões, Col. “Geografia em movimento”, 2011, p. 299-330.

OLIVEIRA, L. D. de. As “fronteiras” da Região Metropolitana do Rio de Janeiro: mudanças territoriais e ajustes no circuito econômico-produtivo. The overarching issues of the european space: a strategic (re)positioning of environmental and socio-cultural problems?. Grandes problemáticas do espaço europeu: um (re)posicionamento estratégico das questões ambientais e socioculturais?, Porto, p. 344-354, jan. 2019. Faculdade de Letras da Universidade do Porto. http://dx.doi.org/10.21747/9789898969149/fron. DOI: https://doi.org/10.21747/9789898969149/fron

OLIVEIRA, L. D. de. Ecologia política, reestruturação territorial-produtiva e desenvolvimento sustentável no Brasil: lições do extremo oeste da região metropolitana do rio de janeiro. Espaço e Economia, São Gonçalo, n. 19, p. 1-26, 27 jul. 2020. OpenEdition. http://dx.doi.org/10.4000/espacoeconomia.16203. DOI: https://doi.org/10.4000/espacoeconomia.16203

PAZ, M. O. C. Conflitos e Território: Os Impactos do Porto Sudeste no Cotidiano dos Pescadores na Ilha da Madeira - Itaguaí (RJ) - 2010-2015. 2018. Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, São Gonçalo, RJ.

SANTOS, M. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. 17ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2008. 174 p.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 16ª edição. Rio de Janeiro: Record, 2012.

Publicado

28-06-2024

Como Citar

CORRÊA EUZEBIO, Rodrigo. Impactos socioambientais na Baía de Sepetiba, Rio de Janeiro, Brasil: desenvolvimento e restrição do território dos pescadores artesanais. Geografares, Vitória, Brasil, v. 4, n. 38, p. 167–183, 2024. DOI: 10.47456/geo.v4i38.44815. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/44815. Acesso em: 12 jul. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Geografia econômica, neoliberalismo e ecologia política do desenvolvimento