Eustáquio Neves: Sujeito Fotográfico e Processos de criação e o self em rede

Autores

  • Paula Martinelli PUC-SP

Resumo

O artigo tem como ponto de partida o acesso ao ateliê e aos arquivos de criação do artista Eustáquio Neves. A investigação dos percursos identificados nas obras, esboços, anotações e falas de Neves busca relações entre os processos de criação e a presença comunicante materializada nos trabalhados do artista, visando descobrir de que maneira os procedimentos adotados pelo autor transformam imagens em estandartes que carregam memórias deliberadamente evocadas enquanto povoam universo ficcional com seus próprios tempos e espaços. Neves coloca a fotografia no contexto das artes visuais ao criar imagens complexas nas quais o clamor político e as marcas do processo – tanto fotográfico quanto extrafotográfico – se impõem. A presença resulta, portanto, de investimento semântico que perpassa todo o processo de criação e, no caso de Neves, é amplificado pelo uso não convencional desses procedimentos. O tratamento acadêmico do material, feito sob a perspectiva da crítica de processos de acordo com contribuições teóricas de Cecilia Almeida Salles, faz emergir discussões sobre os tempos e espaços fotográficos, autoria, memória e arquivos. 

Biografia do Autor

Paula Martinelli, PUC-SP

É Bacharela em Comunicação Social pela Escola
de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) e Mestra em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), onde atualmente desenvolve pesquisa de doutorado e integra o Grupo de Pesquisaem Processos de Criação, coordenado pela Profa. Dra. Cecilia Almeida Salles.

Referências

BENJAMIM, Walter. Origem do Drama Barroco Alemão. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. São Paulo: Braziliense, 1984;
COLAPIETRO, Vincent. Peirce e a abordagem do self: uma perspectiva semiótica sobre a subjetividade humana. São Paulo: Intermeios, 2014.
DELEUZE, G.. GUATTARI, Felix. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Trad. Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo, 1995/97.
DIDI-HUBERMAN, Georges. Diante da imagem. Trad. Paulo Neves. 1ª edição, São Paulo: Editora 34, 2013.
FOUCAULT, Michel. A escrita de si. In: O que é um autor? Lisboa: Passagens. 1992. pp. 129-160.
______. Outros espaços. In: Manoel Barros da Motta (org.), Ditos e escritos III – Estética: Literatura e pintura, música e cinema. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015 (1984).
LÉSPER, Avelina. Entrevista para documentário El Espejo Del Arte, 2016. Disponível em < https://www.youtube.com/watch?v=f4vrG3WI35k>. Acesso em setembro, 2017.
SALLES, Cecilia A. Redes de criação: construção da obra de arte. Vinhedo: Ed. Horizonte, 2006.
______. Arquivos da criação: arte e curadoria. Vinhedo: Editora Horizonte, 2010.
SANTAELLA, Lucia. Temas e Dilemas do pós-digital: a voz política. São Paulo: Paulus, 2016a.
_______. A matriz heterotópica na obra de Didi-Huberman. Revista Paralaxe, v.4, no 1, 2016.

Downloads

Publicado

2018-08-10

Edição

Seção

Seção Temática