História de Vida: Uma Oportunidade Não Explorada em Pesquisas de Marketing

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2022.11.2.36221.8-27

Palavras-chave:

História de Vida; Marketing; Comportamento do Consumidor; Método de Pesquisa.

Resumo

A história de vida é um método de pesquisa qualitativa que busca compreender a vida como ela é relatada/interpretada pelo sujeito, o qual executa uma reflexão sobre sua vida. Sua capacidade de descobrir aspectos da experiência humana, compreendendo de que forma as pessoas interagem, interpretam e constroem seus sentidos pode ser muito útil em estudos de comportamento do consumidor. Esse artigo verifica o propósito das pesquisas brasileiras de Administração do último decênio que constam na base SPELL, e que têm utilizado a história de vida, de forma a conferir até que ponto seus autores seguiram sugestão de voltarem sua atenção ao campo do Marketing, especificamente à área de comportamento do consumidor. Tendo constatado desinteresse por esse caminho investigativo no País, suposições a respeito são propostas, assim como sugestões para a mitigação dessa lacuna.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Irene Raguenet Troccoli, Fundação Getulio Vargas/EBAPE

Pós-doutoranda em Administração da FGV/Escola Brasileira de Administração Pública e Empresarial (Ebape).

Referências

Alberti, V. (1989). História oral: a experiência do CPDOC. Rio de Janeiro: Editora FGV

Alberti, V. (1997). Obras coletivas de história oral. Tempo, 2(3), 206-219..

Alcadipani, R. (2017). Periódicos brasileiros em inglês: A mímica do publish or perish "global”. Revista de Administração de Empresas, 57(4). 405-411. https://doi.org/10.1590/S0034-759020170410

Bailey, A., Shaw, G., Alexander, A. & Nell, D. (2010). Consumer behaviour and the life course: shopper reactions to self-service grocery shops and supermarkets in England c. 1947-75. Environment and Planning, 42, 1496-1512. https://doi.org/10.1068/a42247

Bansal, P., Smith, W., & Vaara, E. (2018). New Ways of Seeing through Qualitative Research. Academy of Management Journal, 61(4), 1189-1195.

Barros, V. A. & Lopes, F. T. (2014). Considerações sobre pesquisa em história de vida. In E. M. Souza, (Org.). Metodologias e analíticas qualitativas em pesquisa organizacional: uma abordagem teóricoconceitual (pp. 41-63). Vitória: EdUFES,

Basso, A., Jr., Persch, L., Kiekow, A., Seben, P., Gubert, F., & Tondolo, V. (2016). Triangulação: uma ferramenta de validade e confiabilidade. SINERGIA - Revista Do Instituto De Ciências Econômicas, Administrativas E Contábeis, 20(1),19-28

Blaikie, N. (1991). A critique of the use of triangulation in social research. Quality & Quantity, 23, 115-136. DOI: 10.1007/BF00145701

Boudah, D. (2010). Conducting Educational Research: Guide to Completing a Major Project. New York: Sage

Bramberger, P. & Pratt, M. (2010). From the Editors - Moving Forward by Looking Back: Reclaiming Unconventional Research Contexts and Samples in Organizational Scholarship. Academy of Management Journal, 53(4), 665–671. https://doi.org/10.5465/amj.2010.52814357

Braun, K. (1999). Postexperience Effects on Consumer Memory. Journal of Consumer Research, 25, 319–34. https://doi.org/10.1086/209542

Braun-LaTour, K. A., LaTour, M. S., & Zinkhan, G. M. (2007). Using childhood memories to gain insight into brand meaning. Journal of Marketing, 71(2), 45–60. https://doi.org/10.1509/jmkg.71.2.045

Brewer, J. & Hunter, A. (1989). Multimethod Research: A Synthesis of Styles. Newbury Park: Sage.

Bryman, A. & Buchanan, D. (2018). Unconventional Methodology in Organization and Management Research. Oxford: Oxford University Press

Cappelle, M., Borges, C. & Miranda, A. (2010, maio). Um Exemplo do Uso da História Oral como Técnica Complementar de Pesquisa em Administração. Anais do Encontro de Estudos Organizacionais da da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Administração. Florianópolis, SC, Brasil, 6.

Chung, E., Farrelly, F., Beverland, M. & Quester, P. (2012). Exploring Consumer Fanaticism: a Synthesising Theoretical Model for Understanding Its Characteristics, Antecedents, Processes and Outcomes. AP - Asia-Pacific Advances in Consumer Research, 10. 426-428

Closs, L. Q & Antonello, C. S. (2011). O uso da história de vida para compreender processos de aprendizagem gerencial. Revista de Administração Mackenzie, 4(12), 44-74. https://doi.org/10.1590/S1678-69712011000400003

Colomby, R., Peres, A., Lopes, F., & Costa, S. (2016). A pesquisa em história de vida nos estudos organizacionais: um estudo bibliométrico. Farol - Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, Belo Horizonte, 3(8), 852-887. https://doi.org/10.25113/farol.v3i8.3817

Conway, M. A. & Rubin, D. C. (1993). The Structure of Autobiographical Memory. In A. Collins, S. Gathercole, M. A. Conway, & P. E. Morris (Eds), Theories of Memory (pp. 1–10). Hillsdale: Lawrence Erlbaum Associates.

Creswell, J. (2016). 30 Essential Skills for the Qualitative Researcher. Thousand Oaks: SAGE.

Creswell, J. & Miller, D. (2000). Determining Validity in Qualitative Inquiry. Theory into Practice, 39(3), 124-130. https://doi.org/10.1207/s15430421tip3903_2

Czarniaswska, B. (2004). Narratives in Social Science Research. London: Sage.

Davies, A. & Elliott, R. (2006). The evolution of the empowered consumer. European Journal of Marketing, 40(9/10), 1106-1121. https://doi.org/10.1108/03090560610681032

Denzin, N. K. (1989). Interpretive biography. Newbury Park: SAGE.

Edwards, H., Davies, A., & Elliott, R. (2005, may). United we understand: co-operative inquiry in consumer research. Proceedings of Workshop on Interpretive Consumer Research, Copenhagen, Denmark, DK.

Escalas, J. (1997). The Positive Effects of Narrative Thought in Response to Advertising. NA - Advances in Consumer Research, 24. 67-70.

Ferreira, M. (1994). Entre-vistas: abordagens e usos da história oral. Rio de Janeiro: FGV Editora

Ferreira, M. (1998). Desafios e dilemas da história oral anos 90: o caso do Brasil. História Oral. 1, 19-30. https://doi.org/10.51880/ho.v1i0.90

Freitas, S. (2002). História oral: possibilidades e procedimentos. São Paulo: Humanitas, FFLCH/USP.

Gibbs, G. (2009). Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed.

Gil, A. C. (2010). Como Elaborar Projetos de Pesquisa (5ª ed.). São Paulo: Atlas.

Godoy, A. (2005). Refletindo sobre Critérios de Qualidade da Pesquisa Qualitativa. Gestão.Org, 3(2), 80-89.

Godoy, A. (2018). Reflexão a respeito das contribuições e dos limites da história de vida na pesquisa em Administração. Administração: Ensino e Pesquisa, 19(1), 161–175. DOI:10.13058/raep.2018.v19n1.954

Gonçalves, C. & Meirelles, A. (2004). Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas.

Grayson, K. (1997). Special Session Summary Narrative Theory and Consumer Research: Theoretical and Methodological Perspectives. NA - Advances in Consumer Research, 24, 67-70.

Hanson, D. & Grimmer, M. (2007). The mix of qualitative and quantitative research in major marketing journals, 1993-2002. European Journal of Marketing, 41(1-2), 58-70. https://doi.org/10.1108/03090560710718111

Hopkinson, G. & Hogg, M. (2006). 12 Stories: how they are used and produced in market(ing) research. In R. W. Belk (Ed.), Handbook of Qualitative Research Methods in Marketing (156-175). UK: Edward Elgar Publishing.

Huttunen, K. & Autio, M. (2010). Consumer ethoses in Finnish consumer life stories – agrarianism, economism and green consumerism. International Journal of Consumer Studies, 34, 146–152. https://doi.org/10.1111/j.1470-6431.2009.00835.x

Ichikawa, E. Y. & Santos, L. W. (2006). Contribuições da história oral à pesquisa organizacional. In C. K. Godoi, R. Bandeira-de-Mello, & A. B. Silva (Orgs.) Pesquisa Qualitativa em Estudos Organizacionais (2ª ed., pp. 181-206.). São Paulo: Saraiva.

Jones, G. R. (1983). Life history method. In G. Morgan (Ed.) Beyond method: strategies for social research (pp. 147-159). EUA: Sage.

Kock, K.F., Godoi, C.K. & Lenzi, F.L. (2012) Discussão e Prática da Autoetnografia: Um estudo sobre a aprendizagem organizacional em uma situação de catástrofe. RGO-Revista Gestão Organizacional, 5(1), 93-106

Lincoln, Y. S. & Guba, E. G. (1985). Naturalistic inquiry. EUA: Sage.

Lincoln, Y. S. & Guba, E. G. (1986). But is it rigorous? Trustworthiness and authenticity in naturalistic evaluation. New Directions for Program Evaluation, 1986(30), 73-84. https://doi.org/10.1002/ev.1427

Lummis, T. (1987). Listening to History: The Authenticity of Oral Evidence. London: Hutchinson Education.

Maccali, N., Minghini, L., Walger, C., & Roglio, K. (2014). O método história de vida: Desvendando a subjetividade do indivíduo no estudo das organizações. Administração: Ensino e Pesquisa, 15(3), 439–468.

Mack, C. J. (2012). How to write a good scientific paper: title, abstract, and keywords. Micro/Nanolith. Journal of Micro-nanolithography Mems and Moems, 11(2), 1-5.

Mageste, G. S. & Lopes, F. T. (2007). O Uso da História de Vida nos Estudos Organizacionais. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Administração, Recife, PE, Brasil, 1.

Martins, G. & Teophilo, C. (2016). Metodologia da Investigação Científica para Ciências Sociais Aplicadas (3ª ed.) São Paulo: GEN/Atlas.

Mello, C. M. (2014). Abordagens e procedimentos qualitativos: implicações para pesquisas em organizações. Revista Alcance, 21(2) 324-349. Doi: alcance. v21n2.p324-349

Meihy, J. C. S. B. (2005). Manual de história oral. São Paulo: Loyola

Moraes, C., Carrigan, M., & Szmigin, I. (2012). The coherence of inconsistencies: Attitude–behaviour gaps and new consumption communities. Journal of Marketing Management, 28(1-2), 103–128. ttps://doi.org/10.1080/0267257X.2011.615482

Musson, G. (2004). Life histories. In C. Cassell & G. Symon (Eds.) Essential guide to qualita¬tive methods in organizational research (Chap. 4, pp. 34-44). London: Sage.

Neimeyer, G. & Metzler, A (1994). Personal Identity and Autobiographical Recall. In U. Neisser & R. Fivush (Eds.). The Remembering Self: Construction and Accuracy in the Self-Narrative (pp. 105–135). UK: Cambridge University Press.

Ojermark, A. (2007). Presenting Life Histories: A literature review and annotated bibliography. Chronic Poverty Research Centre, 101, 1-45. http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.1629210

Oliveira, C. L. (2008). Um apanhado teórico-conceitual sobre a pesquisa qualitativa: Tipos, técnicas e características. Travessias, 2(3), 1-16.

Oliveira, S. (2014). Surdo: Um Estrangeiro em seu País. RIGS - Revista Interdisciplinar De Gestão Social, 3(2), 203-221. https://doi.org/10.9771/23172428rigs.v3i2.9903

Oliveira, S. R. & Closs, L. Q. (2013). História de Vida e Trajetórias Profissionais: uma proposta interdisciplinar para os estudos de carreira. Anais do Encontro de Gestão de Pessoas e Relações de Trabalho, Brasília, 4.

Onwuegbuzie, A., Leech, N. & Collins, K. (2010). Innovative Data Collection Strategies in Qualitative Research. The Qualitative Report, 15(3), 696-726

Paiva, F. Jr., Leão, A., & Mello, S. (2011). Validade e Confiabilidade na Pesquisa Qualitativa em Administração. Revista de Ciências da Administração, 13(31), 190-209. DOI: 10.5007/2175-8077.2011v13n31p190

Polkinghorne, D. (1991). Narrative as Self-Concept. Journal of Narrative and Life History, 1(2-3), 135-153. https://doi.org/10.1075/jnlh.1.2-3.04nar

Rigotto, R. (1998). As Técnicas de Relatos Orais e o Estudo das Representações Sociais em Saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 3(1). 116-130. https://doi.org/10.1590/1413-812319983100292014

Sacramento, A., Figueiredo, P., & Teixeira, R. (2017). Método da História Oral nas Pesquisas em Administração: Análise nos Periódicos Nacionais no Período de 2000 a 2015. Revista de Ciências da Administração, 19(48), 57-73. https://doi.org/10.5007/2175-8077.2017v19n49p57

Serra, F. & Ferreira, M. (2014). Comentário Editorial: O Título, Resumo e Palavras-Chave dos Artigos. Revista Ibero-Americana de Estratégia – RIAE, 13(4), 1-7. https://doi.org/10.5585/ijsm.v13i4.2179

Shankar, A., Elliott, R., & Goulding, C. (2001). Understanding consumption: Contributions from a narrative perspective. Journal of Marketing Management, 17(3-4), 429-453.

Silva, J., Anjo, J. & Pereira, J. (2021, maio). Pesquisas Qualitativas nos Estudos Organizacionais: escolhas alternativas de estratégias metodológicas. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa Em Administração e Contabilidade, Evento On-line, 7

Silva, A. P., Barros, C. R., Nogueira, M. L. M., & Barros, V. A. (2007). “Conte-me sua história”: reflexões sobre o método história de vida. Mosaico: Estudos em Psicologia, 1(1), 25-35.

Troccoli, I. (2021a, maio). Grounded Theory na Pesquisa em Administração no Brasil: Preferivelmente uma Técnica, Não um Meio. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa Em Administração e Contabilidade, Evento On-line, 7

Troccoli, I. (2021b, maio). Grupo De Foco: Uma Técnica Cara e Duvidosa? Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa Em Administração e Contabilidade, Evento On-line, 7.

Van Burg, E., Cornelissen, J., Stam, W., & Jack, S. (2020). Advancing Qualitative Entrepreneurship Research: Leveraging Methodological Plurality for Achieving Scholarly Impact. Entrepreneurship Theory and Practice, 46(1), 3-20. https://doi.org/10.1177/1042258720943051

Vergara, S. C. (2015). Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: GEN/Atlas.

Vergara, S. C. (2016). Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: GEN/Atlas.

Webbe, E. J., Campbell, D. T., Schwartz, R. D., & Sechrest, L. (1996). Unobtrusive measures: non-reactive research in the social sciences. Chicago: RandMcNally.

Witell, L., Holmlund, M., & Gustafsson, A. (2020). Guest editorial: a new dawn for qualitative service research. Journal of Services Marketing, 34(1), 1–7. https://doi.org/10.1108/JSM-11-2019-0443

Yin, R. (2010). Pesquisa qualitativa do início ao fim. São Paulo: Penso.

Downloads

Publicado

2022-05-03

Como Citar

Troccoli, I. R. (2022). História de Vida: Uma Oportunidade Não Explorada em Pesquisas de Marketing. Revista Gestão & Conexões, 11(2), 8–27. https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2022.11.2.36221.8-27

Edição

Seção

Artigos