Se não jogar, está fora! Práticas, estratégias e interesses: uma análise do jogo editorial-científico em Administração

Practices, strategies and interests: an analysis of the editorial-scientific game in Management

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2023.12.2.40245.95-121

Palavras-chave:

Campo acadêmico-científico, Poder Simbólico, Autoridade Científica, Administração

Resumo

O campo editorial-científico é um espaço de interação e debate acadêmico constituído por artefatos de difusão do conhecimento. Neste artigo buscou-se compreender o campo brasileiro de Administração como espaço de disputa que se manifestam por meio das relações de poder que envolvem a prática editorial. Foi utilizado como abordagem a teoria de Pierre Bourdieu, em que consideramos o habitus, as regras de jogo, a posição do editor, os capitais e as disputas por reconhecimento. Para isso, foram entrevistados onze editores de revistas científicas da área. O corpus teórico foi analisado por meio da Análise Temática, construindo, assim, a imagem das experiências dos editores. Compreende-se que os editores jogam o jogo editorial com práticas e estratégias não legitimadas publicamente. Considera-se que as principais finalidades são o reconhecimento pessoal a partir da elevação da revista pelas quais são responsáveis. Foram encontrados aspectos que revelam os jogos de poder e que se conectam com a busca por capital simbólico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kamille Ramos Torres, Universidade Positivo

Doutoranda em Administração pela Universidade Positivo (UP). Bolsista pela Capes.

Fernando Ressetti Pinheiro Marques Vianna, Fundação Getúlio Vargas

Doutorando em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Francis Kanashiro Meneghetti, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Professor do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia (PPGTE) e do Programa de Pós-Graduação em Administração (PPGA) da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Referências

Alcadipani, R. (2017). Periódicos brasileiros em inglês: a mímica do publish or perish “global”. Rev. Adm. Empresas, 57(4), 405-411.

Alcadipani, R. (2011). Resistir ao produtivismo: uma ode à perturbação acadêmica. Cadernos EBAPE.BR, 9(4), 1174-1178.

Aroson, J. (1995). A pragmatic view of thematic analysis. The Qualitative Report, 2(1), 1-3.

Bauer, A, P. M., & Darbilly, L. V. C. (2020). Poder, conflitos e as transformações na academia: uma análise do campo de pós-graduação em administração no estado do Rio de Janeiro a partir da abordagem de Pierre Bourdieu. Revista Capital Científico Eletrônica (RCC-e), 18(1), 98-116.

Bourdieu, P. (2007a). A Distinção (pp. 560). Porto Alegre, RS: Zouk.

Bourdieu, P. (2004a). Coisas ditas (pp. 234). São Paulo: Brasiliense.

Bourdieu, P. (2007b). O capital social: notas provisórias. In M. A. Nogueira &, A. Catani (orgs.). Pierre Bourdieu - Escritos de Educação (9a ed., pp. 251), Rio de Janeiro: Vozes.

Bourdieu, P. (2000). O poder simbólico (pp. 311). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Bourdieu, P. (2007c). Os três estados do Capital cultural. In M. A. Nogueira &, A. Catani (Orgs.). Pierre Bourdieu - Escritos de Educação (9a ed., pp. 251), Rio de Janeiro: Vozes.

Bourdieu, P. (2004b). Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico (pp. 86). São Paulo: Editora UNESP.

Bourdieu, P. (1983). Questões de Sociologia (pp. 208). Rio de Janeiro: Editora Marco Zero Limitada.

Bourdieu, P. (1996). Razões práticas (pp. 224). São Paulo: Papirus.

Braun, V. &, Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Journal Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101.

Brulon, V. (2013). Transpondo Bourdieu para as organizações: um convite à sociologia reflexiva em estudos organizacionais. XXXVII Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro.

Dong, P., Loh, M. &, Mondry, A. (2005). The "impact factor" revisited. Biomedical Digital Libraries, 2(7), 1-8. Emirbayer, M., & Johson, V. (2008). Bourdieu and Organizational Analysis. Theory and Society, 31, 1-44.

Freitas, M. H. (2006). Considerações acerca dos primeiros periódicos científicos brasileiros. Ci. Inf., Brasília, 35(3), 54-66.

Fyfe, A. (2015). Journals, learned societies and money: philosophical transactions, CA. 1750-1900. Notes Rec., 69(3), 277-299.

Fyfe, A., Coate, K., Curry, S., Lawson, S., Moxham, N., & Rostvik, C. M. (2017). Untangling academic publishing: a history of the relationship between commercial interests, academic prestige and the circulation of research. University of St Andrews. Recuperado em: 15 jun. 2023 de https://abdn.pure.elsevier.com/en/publications/untangling-academic-publishing-a-history-of-the-relationship-betw

Garfield, E. (1955). Citation indexes for science: a new dimension in documentation through association of ideas. Science, 122(3159), 108-111.

Goulart, S., & Carvalho, C. A. (2008). O caráter da internacionalizaçăo da produçăo científica e sua acessibilidade restrita. RAC, Curitiba, 12(3), 835-853.

Grančay, M., Vveinhardt, J., & Šumilo, Ē. (2017). Publish or perish: how Central and Eastern European economists have dealt with the ever-increasing academic publishing requirements 2000-2015. Scientometrics, 111(3), 1813-1837.

Hagner, M. (2018). Open access, data capitalism and academic publishing. Swiss Med Wkly, (148), 1-8.

Harnard, S., Brody, T., Vallières, F., Carr, L., Hitchcock, S., Gingras, Y., Oppenheim,

C., Hajjem, C., & Hilf, E. R. (2008). The access/impact problem and the green and gold roads to open access: an update. Serials Review, 34(1), 36-40.

Larivière, V., Haustein, S., & Mongeon, P. (2015). The oligopoly of academic publishers in the digital era. PLoS ONE, 10(6), 1-15.

Meadows, A. J. (1999). A comunicação científica (pp. 268). Brasília: Briquet de Lemos/Livros.

Mueller, S. P. M. (2006). A comunicação científica e o movimento de acesso livre ao conhecimento. Ciência Inf., Brasília, 35(2), 27-38.

Mueller, S. P. M. (2000). O periódico científico. In B. S. Campello, B. V. Cedón, & J. M. Kremer (org.). Fontes de informação para pesquisadores e profissionais (pp. 319). Belo Horizonte: Ed. UFMG.

Oppenheimer, J. (1983). Gentlemen of Science: early years of the British Association for the advancement of Science. The Quartely Review of Biology, (58), 408-409.

Pinheiro, D. M. (2013). Vida e trabalho do professor pesquisador em Administração no Sul do Brasil: uma análise com base na Sociologia da Ciência (pp. 267). Tese (Doutorado em Administração). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil.

Pozzobon, A. P. B., & Camargo, G. A. (2019). A participação de editoras privadas em periódicos científicos brasileiros: uma visão sobre o gerenciamento privado de publicações acadêmicas. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 9(2), 225-244.

Rossoni, L. (2018a). Editorial: em defesa das publicações em português. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 17(3), I-XIII.

Rossoni, L. (2018b). Editorial: O Spell reduziu o efeito Mateus na citação de periódicos. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 17(1), I-VIII.

Rossoni, L. (2018c). Editorial: produtivismo e coautoria cerimonial. Revista Eletrônica de Ciência Administrativa, 17(2), I-VIII.

Rossoni, L., & Guarido Filho, E. R. (2012). Onipresença nos conselhos editoriais: prestígio e cerimonialismo na atividade científica. REDES - Revista hispana para el analiis de redes sociales, 22(8), 189-218.

Swartz, D. L. (2008). Bringing Bourdieu's Master Concepts into organizational analysis. Theory and Society, 37(1), 45-52.

Teixeira, J. C., Oliveira, P. G., Tavares, N. V., Carrieri, A. P., & Cappelle, M. C. A. (2012). Dinâmica de distribuição de fontes de capitais científicos entre docentes /pesquisadores de um programa de pós-graduação Stricto-Sensu de uma universidade pública. Avaliação (Campinas), Sorocaba, 17(1), 179-206.

Thiry-Cherques, H. R. (2006). Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Revista de Administração Pública, 40(1), 27-55.

Tonelli, M. J. (2018). Revistas científicas em Administração: O papel histórico da Revista de Administração de Empresas (RAE) na construção do campo acadêmico em Administração no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, 16 (Edição Especial), 509-515.

Tonelli, M. J. (2017). The foundation of the academic field in Business and Administration in Brazil: the case of RAUSP (Special Invited Paper). RAUSP, 52(4), 359-362.

Walker, T. J. (1997). The electronic future of scientific journals. American Entomologist, (1a versão). Recuperado em: 14 jun. 2022 de: https://entnemdept.ufl.edu/walker/aedraft.htm

Walker, T. J. (1998). The future of scientific journals: free access or pay per view?. American Entomologist, 44(3), 135-138.

Downloads

Publicado

18-07-2023

Como Citar

Ramos Torres, K., Ressetti Pinheiro Marques Vianna, F., & Kanashiro Meneghetti, F. (2023). Se não jogar, está fora! Práticas, estratégias e interesses: uma análise do jogo editorial-científico em Administração: Practices, strategies and interests: an analysis of the editorial-scientific game in Management. Revista Gestão & Conexões, 12(2), 95–121. https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2023.12.2.40245.95-121

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

> >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.