As relações étnico-raciais nos currículos das licenciaturas na UEMG-Carangola:

notas sobre a proposição de novas epistemologias críticas e construtivas

Autores

  • Gabriel Romagnose Fortunato de Freitas Monteiro UEMG
  • Guilherme Celestino Souza Santos
  • Jairo Barduni Filho

Palavras-chave:

Currículo, Raça, Formação de professores

Resumo

O presente artigo, que se configura como uma pesquisa bibliográfica de caráter qualitativo busca problematizar o currículo enquanto um instrumento de poder que produz subjetividades no âmbito escolar e universitário. Elencamos seis diferentes currículos da Universidade Estadual de Minas Gerais (UEMG), unidade de Carangola-MG, para uma análise de suas disciplinas buscando identificar ementas que possam contribuir para a formação do estudante de modo a abranger as questões étnico-raciais. A presença ou ausência desse tema significa a possibilidade real de abordagem e problematizações a respeito das exclusões sociais bem como permite aos estudantes uma formação mais inclusiva do ponto de vista curricular, entendemos que os diferentes currículos elencados se aproximam de um currículo pós-crítico, ou seja, um currículo que abrange as diferentes subjetividades, que busca desconstruir binaridades, que questiona a universalidade do conceito de ciências além de questionar os sistemas explicativos universais que nos são inculcados cotidianamente. Contudo, sabe-se que o currículo só será de fato praticado se o professor que estiver em sala de aula conseguir trabalhar em prol deste currículo, acreditando na possibilidade de transformação que este apresenta. Deste modo, saberes e poderes estão mutuamente imbricados no que tange a formação docente para o tema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALGARRA, Julia Borba Caetité; e EUGENIO, Benedito. "O acesso e a permanência de estudantes dos meios populares no ensino superior: a permanência dos negros no curso de Direito da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB)" In: SANTOS, Arlete Ramos dos; OLIVEIRA, Julia Maria da Silva; COELHO, Lívia Andrade (orgs.) Educação e sua diversidade. Ilhéus, BA: Editus, 2017.

ARANHA , Maria Lúcia de Arruda. “A Formação do Educador”. In: Filosofia da Educação. São Paulo: Moderna, 2006.

BRASIL, Lei Nº 10.639, de 09 de janeiro de 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm. Acesso em: 08 de abr. de 2020.

_______, Lei Nº 11.645, de 10 de março de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11645.htm. Acesso em: 08 de abr. de 2020.

_______, Lei Nº 12.288, de 20 de julho de 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12288.htm. Acesso em: 08 de abr. de 2020.

Convenção nº 169 sobre povos indígenas e tribais e Resolução referente à Ação da OIT / Organização Internacional do Trabalho. - Brasília: OIT, 2011. v. 1.

Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações étnico-raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Africana. Brasília: SEPPIR, 2004.

FERREIRA, S. R. B. Quilombolas. In: CADART, Roseli Salete. et all (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. p. 645-650.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: nascimento da prisão; tradução de Raquel Ramalhete. 40ª. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

___________. Microfísica do Poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. – 25º Ed. _São Paulo: Graal, 2012.

FURLANI, Jimena. Pressupostos teóricos e políticos de uma educação sexual de respeito às diferenças – argumentando a favor de um currículo pós- crítico In: FURLANI, Jimena. Educação sexual na sala de aula: relações de gênero, orientação sexual e igualdade étnico-racial numa proposta de respeito às diferenças. Belo Horizonte: Autentica editora, 2011, cap. 2, p. 58- 120.

GOMES, Nilma Lino. O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Editora Vozes Limitada, 2017.

_______. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2007.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. In: SANTOS, B. DE S. & MENESES, M.P. (Org.) Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

_____________, La Descolonización de la economia política y los estudos postcoloniales: trasmodernidad, pensamento fronterizo y colonialidad global. In: Tabula Rasa, enero-junio, número 004, Universidad Colegio Mayor de Cundinamarca. Bogotá, Colombia, 2006. p. 17-46.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: Lander, Edgardo (org.). A Colonialidade do saber: Eurocentrismo e ciências sociais. Buenos Aires, Clacso, 2005.

_________, Colonialidade do Poder e Classificação Social. In: SANTOS, B. DE S. & MENESES, M. P. (orgs.) Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

_________, Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos rumos, n. 37, p. 4-28, 2002.

MUNANGA, K. Apresentação. In: MUNANGA, Kabenguele (Org.) Superando o racismo na escola. 2. ed. Revisada. Brasília: MEC/SECAD, 2005.

SANTOS, Renato Emerson Nascimento dos. Rediscutindo o ensino da Geografia: temas da Lei 10.639. 1 ed. Rio de Janeiro: CEAP, 2009. V. 1. 78p.

_________, Diversidade, Espaço e Relações Étnico-Raciais: O negro na Geografia do Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. v. 1. 208p.

SANTOS, B. S. A construção multicultural da igualdade e da diferença. Oficina do CES nº 135, 1999. Disponível em: <http://www.do.ufgd.edu.br/mariojunior/arquivos/construcao_multicultural_igualdade_diferenca.pdf>. Acessado em: 09 de abril de 2020.

SILVA, Tomaz Tadeu da. “Currículo e identidade social: territórios contestados”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 190-207.

VASCONCELLOS, Celso dos S. Planejamento: projeto de ensino-aprendizagem e projeto político-pedagógico. 20. ed. São Paulo: Libertad, 2010.

ZIZEK, Slavoj. Em defesa das causas perdidas. São Paulo: Boitempo, 2011.

Downloads

Publicado

2020-07-29

Edição

Seção

Dossiê