A prática da emulação na poesia luso-brasileira do século XVII: Gregório de Matos e Guerra e Tomás Pinto Brandão

Lêda Sousa Bastos, Luzia Silva Pinto, Marcello Moreira

Resumo


Objetiva-se descrever uma prática poética corrente nos séculos XVI e XVII, mas que carece de estudos sistematizados até os dias de hoje no que concerne à poesia luso-brasileira, a "emulação", e que, contrariamente a outros procedimentos técnicos largamente doutrinados e regrados em preceptivas, é sempre referida sem que seja especificada em termos discursivos. Tomaremos como ponto de partida definições de "emulação" presentes em tratados de poética e de retórica antigos e dos séculos XVI e XVII, que nos fornecem o que poderíamos chamar de corpos de doutrina sobre tal prática. Em seguida, demonstraremos, por meio da análise de poema de Tomás Pinto Brandão, como se efetua a prática da emulação, já que poemas atribuídos a Gregório de Matos e Guerra, presentes em livros de mão luso-brasileiros dos séculos XVII e XVIII, anteriores aos de Tomás Pinto, evidenciam o caráter modelar de textos emulados e como são atualizados em suas muitas emulações.

PALAVRAS-CHAVE: Emulação. Poética. Escritura. Vocalidade. Gregório de Matos e Guerra.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Lêda Sousa Bastos, Luzia Silva Pinto, Marcello Moreira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.