"NA INFÂNCIA, MINHA FILHA, NADA DE ESCOLA":

SENTIDOS DOS LETRAMENTOS PARA TRÊS MULHERES ESTUDANTES DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

Resumo

O artigo apresenta um estudo de caso (YIN, 2001) de natureza qualitativo-interpretativa desenvolvido em uma escola pública situada no Estado do Rio de Janeiro, tendo como sujeitos três mulheres negras estudantes da Educação de Jovens e Adultos. O estudo se fundamenta nos Novos Estudos do Letramento (GEE, 2008; STREET, 2014, BARTON E HAMILTON,1998), na perspectiva crítica de Paulo Freire (1987; 1996; 2003; 2014), Miguel Arroyo (2014; 2017) e Boaventura Souza Santos (2007a, 2007b). A investigação buscou compreender as concepções sobre os letramentos elaboradas pelas estudantes, a partir das seguintes questões de pesquisa: Que sentidos as estudantes atribuem ao letramento escolar? Quais são as consequências do letramento para elas? Como elas relacionam o letramento escolar à diferenciação social e às relações de poder?  (STREET e LEFSTEIN, 2007). Os resultados indicam que as três estudantes associam o letramento a um conjunto de habilidades neutras e que seus discursos são influenciados pelo “Mito do Letramento". Identificou-se ainda a predominância de uma perspectiva utilitária sobre a escrita, que reflete um desejo de inclusão e acesso a bens culturais, serviços e conhecimentos disponíveis na sociedade letrada.

Biografia do Autor

Marcia Lisbôa Costa de Oliveira, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Professora Adjunta do Departamento de Letras da Faculdade de Formação de Professores da UERJ.

Vanessa Teixeira Ribeiro, Secretaria Municipal de Educação de Maricá

Mestra em Letras. Secretaria Municipal de Educação de Maricá-RJ.

Publicado
2019-12-27