Os usos do conceito de liberdade nos escritos antirrepublicanos de Eduardo Prado: um exercício de história intelectual

Autores

  • Rodrigo Perez de Oliveira

Resumo

Eduardo Paulo da Silva Prado (1861-1901) foi um importante personagem da história político/intelectual brasileira dos últimos anos do século XIX. Destacando-se como um dos mais aguerridos inimigos da República proclamada pelo golpe militar de novembro de 1889, ele enfrentou a perseguição da Ditadura florianista e precisou fugir do Brasil em 1894. Já na Europa, o autor continuou a atacar os governos republicanos e foi definido pelo jornal “O Jacobino”, uma espécie de periódico extraoficial do governo de Floriano Peixoto, como o “inimigo número 01 da nação”. Essa militância antirrepublicana foi o aspecto mais abordado da trajetória político/intelectual de Eduardo Prado pelos estudos que já se debruçaram sobre o tema. Pretendo neste artigo contribuir para essa discussão através da análise de textos que são menos conhecidos pela crítica especializada, justamente aqueles que foram escritos ao longo de 1897, quando o autor estava diretamente envolvido com a polêmica do habeas corpus dos monarquistas. Estou interessado especialmente em entender como Eduardo Prado usou o conceito de “liberdade”, questão que me parece ser fundamental para a compreensão das formas através das quais o autor mobilizou os valores constitutivos de importantes tradições do pensamento político ocidental, como, por exemplo, o republicanismo cívico e o liberalismo político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

OLIVEIRA, R. P. de. Os usos do conceito de liberdade nos escritos antirrepublicanos de Eduardo Prado: um exercício de história intelectual. Revista Ágora, [S. l.], n. 21, p. 121–144, 2015. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/11250. Acesso em: 3 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: História Intelectual, Ética e Política