Entre a longa-duração e a ruptura. A consciência mítica medieval apreendida pela dialética do eu e do outro no mesmo

Autores

  • Ronaldo Amaral UFMS

Resumo

Desejamos promover nestas páginas uma reflexão auxiliar à questão do problema da possibilidade de apreender o pensamento do homem histórico em suas singularidades espaço-temporais, uma vez afastado de nós pelas sedimentações de temporalidades constituídas por tantas outras percepções socioculturais e mentais que se imbricam. Contudo, não havendo a possibilidade de encontrar o pensamento e o modus desse pensar do homem do pretérito por ele e nele mesmo, só poderemos apreendê-lo a partir de nós, no interior de nosso próprio espírito,  e por meio de uma dialética entre a alteridade e a identidade, quando sobretudo esta última poderá  sobreviver ainda que obnubilada e ressignificada pela primeira. Uma análise a partir da literatura nos permitirá esse exercício de tentar compreender a visão de mundo, sentida e concebida, do homem medieval por sua  consciência mítica.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Amaral, UFMS

Professor Associado do curso de Filosofia  da UFMS

Publicado

13-12-2017

Como Citar

AMARAL, R. Entre a longa-duração e a ruptura. A consciência mítica medieval apreendida pela dialética do eu e do outro no mesmo. Revista Ágora, [S. l.], n. 25, 2017. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/17969. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê: Debates, polêmicas e conflitos: relações entre estabelecidos e ‘outsiders' no ocidente tardo antigo e medieval