UMA TEORIA DA REALEZA E SUA PROPOSTA UNIVERSALIZANTE: O EXEMPLO DA REVOLTA DE TEBAS NA ANÁBASE DE ARRIANO DE NICOMÉDIA (SÉCULO II D.C)

Autores

  • André Luiz Leme

Resumo

O historiador grego Arriano de Nicomédia (ca. 90 - após 145/6), em sua obra Anábase de Alexandre Magno, comentou que a fama de Alexandre, o Grande, havia alcançado a todos os povos, cidades e homens. Tal afirmação, sem dúvidas, aponta para o caráter referencial inerente ao modelo de governante que o rei macedônio representava, inclusive de grande repercussão entre os grupos dirigentes do Império Romano de inícios do século II d.C., no qual Arriano mantinha relações muito próximas com o Imperador Adriano (76-138 d.C.). Este, atuando e visando assegurar a unidade política do Império Romano, teria grandes motivos para se beneficiar desse resgate da memória de Alexandre, o qual seria um exemplo de legítimo governante universal, integrador e defensor dos povos. Vejamos, no presente estudo, como tal questão se apresenta e se destaca na Anábase de Alexandre Magno tendo por base um importante evento da história do rei macedônio: a revolta da cidade de Tebas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

LEME, A. L. UMA TEORIA DA REALEZA E SUA PROPOSTA UNIVERSALIZANTE: O EXEMPLO DA REVOLTA DE TEBAS NA ANÁBASE DE ARRIANO DE NICOMÉDIA (SÉCULO II D.C). Revista Ágora, [S. l.], n. 14, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/5028. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Artigos