LIBERALISMO ARISTOCRÁTICO: O PAPEL DOS CORPOS INTERMEDIÁRIOS EM MONTESQUIEU E TOCQUEVILLE

Autores

  • Vítor Castro de Oliveira

Resumo

Inserindo-se na ampla bibliografia existente sobre as relações de Alexis de Tocqueville (1805-1859) com o Barão de Montesquieu (1689-1755), pretende-se demonstrar como o conceito de liberalismo aristocrático pode auxiliar na compreensão de suas obras, descartando as interpretações demasiado modernas, que freqüentemente abrem mão da dimensão contextual. Separados por mais de um século e pelas revoluções que marcam a passagem do século XVIII para o XIX na França, esses autores compartilham um discurso em que os corpos intermediários entre o povo e o governo, freqüentemente vistos como uma nobreza, mas não necessariamente, são a um só tempo a garantia da liberdade contra o despotismo e da unidade contra a atomização da sociedade. Não obstante, espera-se demonstrar que esse discurso, elaborado em O Espírito das Leis recebe novos contornos na França pós-revolucionária.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Como Citar

OLIVEIRA, V. C. de. LIBERALISMO ARISTOCRÁTICO: O PAPEL DOS CORPOS INTERMEDIÁRIOS EM MONTESQUIEU E TOCQUEVILLE. Revista Ágora, [S. l.], n. 13, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/5043. Acesso em: 2 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê