MODELO MATEMÁTICO PARA POSTERGAÇÃO DE TEMPO NO PROJETO DE REDE LOGÍSTICA REVERSA COM NÍVEIS DE CAPACIDADE

MATHEMATICAL MODELLING FOR TIME POSTPONEMENT IN REVERSE NETWORK LOGISTIC DESIGN WITH CAPACITY LEVELS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/bjpe.v6i7.32475

Palavras-chave:

Postergação de Tempo, Logística Reversa, Projeto da Cadeia de Suprimento, Modelagem Matemática, Óleo de Cozinha Usado

Resumo

Uma questão crucial no projeto de eficientes sistemas logísticos é a identificação de locais para instalações dos estoques. Em paralelo a isso, o crescimento mundial do consumo de produtos ocasiona o surgimento de uma preocupação acerca do fim da vida útil ou o fim do consumo destes produtos uma vez que seu descarte inapropriado pode provocar problemas ambientais graves. O descarte do óleo usado é uma destas situações, que quando descartado de forma inapropriada pode acarretar um severo impacto ambiental em uma região. Neste artigo, para é analisado o problema de postergação de tempo e propõe uma modelagem matemática para utilização da postergação de tempo no projeto da cadeia de suprimentos reversa, com validação do seu uso com a aplicação no sistema logístico reverso do óleo de cozinha em Vitória a partir de cenários para avaliação da técnica e, então, solucionar de maneira eficiente e ótima o problema com a implementação no solver comercial CPLEX 12.6.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Wagner Jesus Servare Junior, Universidade Federal do Espírito Santo

Engenheiro de Produção e mestre em Engenharia Civil (área de concentração: Transportes) pela Universidade Federal do Espírito Santo. Atualmente cursa o Doutorado em Engenharia Elétrica na mesma Universidade com período sanduíche na Hautes Études Commerciales de Montréal.. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil.

Patrícia Alcântara Cardoso, Universidade Federal do Espírito Santo

É professora associada do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), onde leciona na graduação e participa do Programa em Pós Graduação em Engenharia Civil, pesquisando Transportes e Logística. Atualmente está em estágio de pós-doutorado no HANDs (Humanitarian Assistance and Needs for Disasters), laboratório de pesquisas em Gestão de Operações em Desastres e Logística Humanitária do DEI PUC-Rio. Doutora em Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (2002), Mestre em Sistemas e Computação pelo Instituto Militar de Engenharia (1997) e Graduada em Engenharia de Produção pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1992). Atuou como Visiting Scholar na Ohio State University (2000-2001) e participou do Programa Mundial de Formação de Facilitadores da Qualidade pela AOTS no Japão (1996). Tem experiência na área de Engenharia de Produção, com ênfase em Logística e Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos, atuando principalmente nos seguintes temas: Lean manufaturing, logística de transportes, qualidade em serviços, planejamento, programação e controle da produção, gerenciamento de projetos e educação em engenharia de produção. Atua como Secretária de Relações Internacionais da UFES e como membro da Comissão Permanente de Internacionalização da UFES .

Referências

Alderson, W. (1950) Marketing efficiency and the principle of postponement. Cost and Profit Outlook.

Aviv, Y., & A. Federgruen (2001). Design for postponement: A comprehensive characterization of its benefits under unknown demand distributions. Operations Research, 49(4), 578-598.

Brasil (2010). Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 03 ago. 2010. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm>. Acesso em: 29 jul. 2020.

Brasil (2014). Óleo de cozinha pode ser descartado de forma consciente. Portal Brasil. 2014. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/meio-ambiente/2014/08/oleo-de-cozinha-pode-ser-descartado-de-forma-consciente>. Acesso em: 7 fev. 2017

Bucklin, L. P. (1965). Postponement, speculation and the structure of distribution channels. Journal of marketing research, 2(1), 26-31.

Çelebi, D. (2015). Inventory control in a centralized distribution network using genetic algorithms: A case study. Computers & Industrial Engineering, 87, 532-539.

Das, C., & R. Tyagi (1997). Role of inventory and transportation costs in determining the optimal degree of centralization. Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review, 33(3), 171-179.

De Brito, M. P., & Dekker, R. (2004). A framework for reverse logistics. In Reverse logistics (pp. 3-27). Springer, Berlin, Heidelberg.

Dekker, R., et al., (Eds.). (2013). Reverse logistics: quantitative models for closed-loop supply chains. Springer Science & Business Media.

Ferri, G. L., Chaves, G. L. D., & Ribeiro, G. M. (2015) Análise e localização de centros de armazenamento e triagem de resíduos sólidos urbanos para a rede de logística reversa: um estudo de caso no município de São Mateus, ES. Revista Produção, 25(1), 27-42.

Eynan, A. (1999). The multi-location inventory centralization problem with first-come, first-served allocation. European Journal of Operational Research, 114(1), 38-49.

García‐Dastugue, S. J., & Lambert, D. M. (2007). Interorganizational time‐based postponement in the supply chain. Journal of Business Logistics, 28(1), 57-81.

Gaur, S., & Ravindran, A. R. (2006). A bi-criteria model for the inventory aggregation problem under risk pooling. Computers & industrial engineering, 51(3), 482-501.

Gonçalves, M. F. S. (2015) Planejamento da logística reversa do óleo residual de fritura para uma destinação ambientalmente correta. 112p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção) - Departamento de Engenharia e Tecnologia da Universidade Federal do Espírito Santo, São Mateus.

Graves, S. C., & S. P. Willems, (2000). Optimizing strategic safety stock placement in supply chains. Manufacturing & Service Operations Management, 2(1), 68-83.

IBGE (2010). Cidades. Disponível em: <http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=320530>. Acesso em: 29 jul. 2020.

IBM (2012). IBM ILOG CPLEX v12.6: User’s manual for CPLEX.

Jabali, O. et al. (2012). Analysis of travel times and CO2 emissions in time‐dependent vehicle routing. Production and Operations Management, 21(6), 1060-1074.

Kutanoglu, E., & D. Lohiya (2008). Integrated inventory and transportation mode selection: A service parts logistics system. Transportation Research Part E: Logistics and Transportation Review, 44(5), 665-683.

Lau, H. S., & A. H. L. Lau (1996). The newsstand problem: A capacitated multiple-product single-period inventory problem. European Journal of Operational Research, 94(1), 29-42.

Leite, P. R. (2002). Logística reversa: nova área da logística empresarial. Revista Tecnologística.

Leite, P. (2009). Logística Reversa: Meio Ambiente e Competitividade, 2003. São Paulo: Editora Ciência Moderna Ltda.

Madalozo, J. A. (2008) O potencial de uso do rejeito de óleo vegetal para produção de biodiesel em Ponta Grossa – PR. 98p. Dissertação (Mestrado em Gestão Territorial) – Setor de Ciências Exatas e Naturais da Universidade Estadual do Paraná, Ponta Grossa, 2008.

Meade, L., et al., (2007). The theory and practice of reverse logistics. International Journal of Logistics Systems and Management, 3(1), 56-84.

Melo, M. T., et al., (2009). Facility location and supply chain management–A review. European journal of operational research, 196(2), 401-412.

Nozick, L. K., & Turnquist, M. A. (2001). Inventory, transportation, service quality and the location of distribution centers. European Journal of Operational Research, 129(2), 362-371.

Pires, S. (2004). Gestão da cadeia de suprimentos: conceitos, estratégias, práticas e casos. 2ª edição. São Paulo: Editora Atlas.

Pitta Junior, O. et al. (2009). Reciclagem do óleo de cozinha usado: uma contribuição para aumentar a produtividade do processo. In Internacional Workshop Advances In Cleaner Production (Vol. 2, pp. 1-10).

Porto, M. M. (2007). Portos e o Desenvolvimento. Aduaneiras.

Razmi, J., Zahedi-Anaraki, A., & Zakerinia, M. (2013). A bi-objective stochastic optimization model for reliable warehouse network redesign. Mathematical and Computer Modelling, 58(11-12), 1804-1813.

Servare Junior, M. W. J., & P. A. Cardoso (2016). Time postponement in supply chain: a mathematical programming review. Anais do 23rd European Operations Management Association Conference, EUROMA, Trondheim.

Servare Junior, M. W. J., et al., (2018). Mathematical model for supply chain design with time postponement. Transportes, 26(4), 1-15.

Vitória (2011). Censo Demográfico da Prefeitura Municipal de Vitória. Disponível em: <http://legado.vitoria.es.gov.br/regionais/Censo_2010/Tab3_sinopse_pop.asp>. Acesso em 5 fev. 2017

Vitória (2014a). Projeto de Lei n º 308, de 13 de outubro de 2014. Estabelece a obrigatoriedade aos estabelecimentos comercializadores de óleo de cozinha, especificamente mercados e supermercados, acima de 50 metros quadrados de área destinada ao consumidor, a manter em local visível e de fácil acesso, recipiente especial para o seu descarte. Câmara Municipal de Vitória, ES, 13 out. 2014a. Disponível em: <http://www.cmv.es.gov.br/Arquivo/Documents/PL/PL3082014.pdf>. Acesso em 9 jan. 2017.

Vitória (2014b). Lei n º 8.611, de 2 de janeiro de 2014. Altera o artigo 2º da Lei nº6.077, de 30 de dezembro de 2003. Câmara Municipal de Vitória, ES. Disponível em: <http://sistemas.vitoria.es.gov.br/webleis/Arquivos/2013/L8611.PDF>. Acesso em: 29 jul. 2020.

Publicado

2020-10-09

Como Citar

Servare Junior, M. W. J., & Cardoso, P. A. (2020). MODELO MATEMÁTICO PARA POSTERGAÇÃO DE TEMPO NO PROJETO DE REDE LOGÍSTICA REVERSA COM NÍVEIS DE CAPACIDADE: MATHEMATICAL MODELLING FOR TIME POSTPONEMENT IN REVERSE NETWORK LOGISTIC DESIGN WITH CAPACITY LEVELS. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(7), 01–22. https://doi.org/10.47456/bjpe.v6i7.32475

Edição

Seção

PESQUISA OPERACIONAL - OPERATIONAL RESEARCH