PREVALÊNCIA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO NORDESTE: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA

PREVALENCE OF VIOLENCE AGAINST WOMEN IN THE NORTHEAST: A PUBLIC HEALTH ISSUE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/bjpe.v6i7.33132

Palavras-chave:

Violência. Mulher. Saúde Pública

Resumo

Introdução: A violência contra a mulher é um fenômeno global que não respeita raça, religião ou classe social. É caracterizada pelo uso de palavras ou ações que machucam as pessoas e podem resultar em ferimentos, sofrimento e mesmo morte. É um grande problema social que não conhece barreiras geográficas e dissemina-se por todo o mundo. Objetivo: Analisar a prevalência da violência contra a mulher no Nordeste e seus impactos sobre a saúde pública. Metodologia: revisão integrativa da literatura, na qual foram utilizadas as bases de dados LILACS e SCIELO para pesquisa através dos Descritores em Ciências da Saúde. Como critérios de inclusão foram selecionadas as publicações em português e inglês, disponíveis na íntegra e compreendidas no recorte temporal dos últimos 7 anos. Conclusão: os resultados apontaram que a violência contra a mulher configura um grave problema social, mas que a cada dia se torna também um grave problema de saúde pública. Os serviços ofertados pela Atenção Primária à Saúde são imprescindíveis para a identificação de situações de violência contra as mulheres. Para que processo de identificação seja exitoso é preciso que os profissionais de saúde responsáveis pelo atendimento sejam adequadamente capacitados. Muitos médicos, enfermeiros e agentes comunitários de saúde não estão familiarizados com o tema. Há também profissionais que identificam prontamente a situação de violência, mas se sentem impotentes. Muito frequentemente a própria vítima não considera que a violência doméstica deva ser tratada e reconhecida como problema relacionado ao sistema de saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata Torres Martins, Faculdade Santa Maria

Doutora pela Faculdade de Ciências Médicas Santa Casa- FCMSCSP- Mestre em Enfermagem pela
Universidade Federal da Paraíba (2013). Especialista em Saúde Pública pela Faculdade de Ciências Sociais e Aplicadas (2008). Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal da Paraíba (2003). Docente da
Faculdade Santa Maria ;Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas sobre Masculinidades e Saúde. Tem
experiência na área de Enfermagem Saúde Pública e atua principalmente nos seguintes temas: educação em enfermagem, saúde sexual e saúde reprodutiva, educação em saúde,saúde da mulher, saúde do homem e atenção básica.

Macerlane de Lira Silva, Faculdade Santa Maria

Possui graduação em Enfermagem pela FSM Cajazeiras, especialização em política e gestão do cuidado com ênfase no apoio matricial pela UFPB e mestrado em Saúde Coletiva pela UNISANTOS. Atuou como Tutor no Curso de especialização em Saúde da Família e gestão de linhas de cuidado pela UFPB, campus João Pessoa. Atualmente é professor da Faculdade Santa Maria de Cajazeiras, Coordenador local do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva, membro do Comitê de Ética em Pesquisa da UFCG Campus Cajazeiras/PB e voluntário da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Cajazeiras?PB. Tem experiência nas áreas de Epidemiologia, Saúde Coletiva, Gestão em Saúde, Saúde da Família e Saúde da Mulher.

Ocilma Barros de Quental, Faculdade Santa Maria

Possui Doutorado em Ciências da Saúde pelo Centro Universitário Saúde ABC (2019). Mestrado em Ciências da Saúde pelo Centro Universitário Saúde ABC (2014). Especialização em Saúde da Família, pelas Faculdades Integradas de Patos. Especialização em Preceptoria no SUS, (Sírio Libanês), Especialização em Metodologias Ativas com ênfase em Avaliação de Competência (Sírio Libanês); Especialização em Docência do Ensino Superior (Faculdade Santa Maria); Graduação em Enfermagem pela Faculdade Santa Maria (2007). Atualmente é professora da Faculdade Santa Maria (PB) e Coordenadora do Núcleo de Educação Permanente do Hospital Regional de Cajazeiras. Atuou como Tutora do curso de Especialização em Gestão da Vigilância Sanitária nas Regiões de Saúde - Sírio Libanês. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase no processo do cuidar da Saúde da Mulher, do Adolescente, Gestão na Atenção Primária e Saúde Coletiva.

Igor de Sousa Gabriel, Faculdade Santa Maria

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal da Paraíba (2007). Especialista em Medicina de
Família e Comunidade com Residência médica pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) - Campus Cajazeiras. Atualmente é médico de estratégia de saúde da família da Prefeitura Municipal de Cajazeiras e professor da Faculdade Santa Maria de Cajazeiras. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Medicina de Família e Comunidade

Referências

Alves, M. H. M., & Evanson, P. (2013) . Vivendo no fogo cruzado: moradores de favela, traficantes de droga e violência policial no Rio de Janeiro. São Paulo, Editora Unesp.

Alves, R. E. O., & Leal, L. V. M. (2013). Violencia psicológica e a saúde da mulher. Disponível em: http://www.fesurv.br/imgs/13%20VIOL%C3%8ANCIA%20PSICOL%C3%93GICA%20E%20A%20SA%C3%99ADE%20DA%20MULHER%20ED.pdf. Acesso em: 03 mar. 2019.

Amaral, C. C. G. (2002) Violência em delegacias da mulher no Nordeste. In: Gênero e Cidadania. Coleção Encontros. PAGU/Núcleo de Estudos de Gênero.

Andrade, C.J.M. (2009). As equipes de saúde da família e a violência doméstica contra a mulher: um olhar de gênero. São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo.

Borin, T.B. (2007). Violência doméstica contra a mulher: percepções sobre violência em mulheres agredidas. Dissertação. Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto. Ribeirão Preto, São Paulo.

Bourdieu, P. (2003). A dominação Masculina. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

Brasil, Ministério da Saúde. Portaria nº 104, de 25 de Janeiro de 2011. Define as terminologias adotadas em legislação nacional, conforme o disposto no Regulamento Sanitário Internacional 2005 (RSI 2005), a relação de doenças, agravos e eventos em saúde pública de notificação compulsória em todo o território nacional e estabelece fluxo, critérios, responsabilidades e atribuições aos profissionais e serviços de saúde. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt0104_25_01_2011.html> Acesso em: 25 abr. 2019.

Carneiro, .A.A., & Fraga, C.K. (2012). A Lei Maria da Penha e a proteção legal à mulher vítima em São Borja no Rio Grande do Sul: da violência denunciada à violência silenciada. Serv. Soc. Soc. São Paulo, n. 110, p. 369-393.

Coelho, E. B. S., Silva, A. C. L. G., & Lindner, S. R. (2014). Violência: definições e tipologias. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Day, V. P. et al. (2020). Violência Doméstica e suas diferentes manifestações. Rev. psiquiatr. Rio Gd. Sul, Porto Alegre, v. 25, suppl. 1, 2003. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em: 09 jun. 2020.

Deslandes, S.F.; Gomes, R.; $ Silva, C.M.F.P. (2000). Caracterização dos casos de violência doméstica contra a mulher atendidos em dois hospitais públicos do Rio de Janeiro. Cad. Saúde Pública, v, 16, n. 1.

Dias, S. P. A. (2019). Um breve histórico da violência contra a mulher. 2010. Disponível: http://araretamaumamulher.blogs.sapo.pt/16871.html. Acesso em: 01 mar.

Gil, A. C. (2010). Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 184p.

Lakatos, E. M., & Marconi, M. A. (2010). Fundamentos de metodologia científica: Técnicas de pesquisa. 7 ed. – São Paulo: Atlas.

Leite, M. T. S., Figueiredo, M. F. S., Dias, O. V., Vieira, M. A., Souza, L. P. S., & Mendes, D. C. (2014). Reports of violence against women in different life cycles. Rev. Latino-Am. Enfermagem; 22(1):85-92.

Lucena, K. D. T et al. (2017) Association between domestic violence and women’s quality of life. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 25, e2901.

Nascimento, P. C. (2004). Violência doméstica contra a mulher: Serviço Social no espaço do CEVIC. Disponível em: http://tcc.bu.ufsc.br/Ssocial287481.PDF. Acesso em: 20 jun. 2020.

Neto, J. S., Bezerra, C. R. M., Fernandes, N. P., Medeiros, R. M., SÁ, S. A. M., & Pinto, D. S. (2015) Violência contra a mulher no contexto da saúde pública. Rev. Ciênc. Saúde Nova Esperança, v. 13, n. 2, p. 60-65.

Organização Panamericana de Saúde (OPAS). Informe mundial sobre la violência y la salud: resumen. Washington; 2002.

Rocha, M. G. G., & Souza, J. L. C. (2013) Lei Maria da Penha Frente a Um dos Limites de sua Aplicabilidade. In: Daniel Chaves de Brito; Jaime Luiz Cunha de Souza. (Org.). Na Periferia do Policiamento: direitos humanos, violência e práticas policiais. 1ªed.Belém: Paka-Tatu.

Rosa, R. et al. (2010). Violence: concept and experience among health sciences undergraduate students. Interface - Comunic., Saude, Educ., v.14, n.32, p.81-90, jan./mar.

Santiago, R. A., & Coelho, M. T. A. D. (2011). A Violência contra a mulher numa perspectiva histórica e cultural. Disponível: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/5234/1/A%20VIOL%C3%8ANCIA%20CONTRA%20A%20MULHER%20NUMA%20PERSPECTIVA%20HIST%C3%93RICA%20E%20CULTURAL.pdf. Acesso em 01 mar. 2019.

Schraiber, L.B., D’Oliveira, A.F.P.L., Couto, M.T., Hanada, H., Kiss, L.B., & Durand, J.G. et al. (2007). Violência contra mulheres entre usuárias de serviços públicos de saúde da Grande São Paulo. Rev Saúde Pública, v. 41, n. 3.

Tavares, O. (2011). Violência Conjugal - Dados sociodemográficos, comportamentos e crenças associados, “Fragmentos de um Amor menor”. Dissertação de mestrado não publicada, Portalegre, Escola Superior de Educação.

Viana, A., Lira, M., Vieira, M., Sarmento, S., & Souza, A. (2018). Violência contra a mulher. Revista de Enfermagem UFPE on line. v. 12. p. 923-929.

Vilela, O. (1997). A Violência no mundo atual. São Paulo: Loyola.

Publicado

2020-12-27

Como Citar

Martins, R. T. ., Silva, M. de L. ., Quental, O. B. de . ., & Gabriel, I. de S. . (2020). PREVALÊNCIA DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO NORDESTE: UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA : PREVALENCE OF VIOLENCE AGAINST WOMEN IN THE NORTHEAST: A PUBLIC HEALTH ISSUE. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(7), 150–172. https://doi.org/10.47456/bjpe.v6i7.33132

Edição

Seção

ENGENHARIA ORGANIZACIONAL - ORGANIZATIONAL ENGINEERING