O USO DE FERRAMENTAS DA INDÚSTRIA 4.0 NA IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UMA ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA SOBRE OS IMPACTOS NO PROCESSO

Autores

  • Bruna Vieira Barollo Universidade Federal do Espírito Santo, CEUNES - Centro Universitário Norte do Espírito Santo.
  • Rodrigo Randow de Freitas Universidade Federal do Espírito Santo, CEUNES - Centro Universitário Norte do Espírito Santo. https://orcid.org/0000-0003-0170-6892

DOI:

https://doi.org/10.47456/bjpe.v8i3.37971

Palavras-chave:

Gestão por Competências, Indústria 4.0, gestão de pessoas, modelo gerencial

Resumo

Recentemente, a quarta revolução industrial apresentou novas tecnologias inovadoras que possibilitam maior qualidade e redução de custos, porém gerou uma intensificação das exigências do mercado, aumentando a complexidade dos negócios e reforçando a necessidade de desenvolvimento de novas habilidades e competências. Diante disso, o presente estudo objetiva entender quais as principais dificuldades encontradas pelas empresas no processo de implementação da Gestão por Competências, e quais ferramentas da Indústria 4.0 estão sendo estudadas e aplicadas no setor de RH, para que seja possível identificar as soluções de maior potencial para descomplicar e operacionalizar esse modelo de gestão estratégica de pessoas. Para isso, a 1ª fase da pesquisa aplica o método de análise bibliométrica buscando artigos relacionados a implementação da Gestão por Competências; e na 2ª fase, a análise bibliométrica é aplicada focada em recuperar produções científicas relacionadas a gestão de pessoas na I4.0. Por fim, esse estudo permitiu mapear recursos, ferramentas e estratégias apontados como soluções viáveis e eficientes para mitigar as barreiras costumeiramente enfrentadas pelas empresas na Gestão por Competências, possibilitando uma forma de gerenciamento que coloca o fator humano no centro da estratégia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Vieira Barollo, Universidade Federal do Espírito Santo, CEUNES - Centro Universitário Norte do Espírito Santo.

Possui ensino-medio-segundo-graupela Escola Estadual Dom Daniel Comboni(2014). Graduada em Engenharia de Produção. Universidade Federal do Espírito Santo, CEUNES - Centro Universitário Norte do Espírito Santo. Brasil. (Texto gerado automaticamente pela aplicação CVLattes). 

Rodrigo Randow de Freitas, Universidade Federal do Espírito Santo, CEUNES - Centro Universitário Norte do Espírito Santo.

tualmente Professor Adjunto do curso de Engenharia de Produção em regime de dedicação exclusiva da Universidade Federal do Espírito Santo no campus São Mateus, E.S. / UFES-CEUNES (2015). Doutor pelo programa de Pós-Graduação em Aquacultura pela Fundação Universidade Federal de Rio Grande (FURG) em 2011; Mestrado em Aquacultura pela Universidade Federal de Santa Catarina (2006); Especialização em Educação e Gestão Ambiental (Faculdade Saberes - 2003); e Graduação em Administração de Empresas: ênfase em análise de sistemas (Faculdade de Ciências Humanas de Vitória - 2001). Experiência na área de Gestão Ambiental e Gerenciamento Costeiro, Gestão de processos e produtos, análise de cadeias produtivas e Planejamento Estratégico. Em especial para a área de Engenharia, destacam-se diversos artigos, resumos e projetos executados e em andamento, citemos por exemplo, os projetos: Produção de biomassa microalgal e extração de bio-óleo; Chamada CNPq/VALE 05/2012 -Forma-Engenharia; Chamada Pública MCTI/CNPq/SPMPR/Petrobrás 18/2013 - Meninas e Jovens/FAPES; Estudo de viabilidade econômica da pirólise de casca de macadamia, dentre outros. (Texto informado pelo autor)

Referências

Al-Raqadi, A. M. S., Abdul Rahim, A., Masrom, M., & Al-Riyami, B. S. N. (2017). Sustainability of knowledge and competencies management on the perceptions of improving ships’ upkeep performance. International Journal of Systems Assurance Engineering and Management, 8(January 2017), 230–246. https://doi.org/10.1007/s13198-015-0382-2

Albini, A., Peres, A. M., & Almeida, M. L., de. (2021). Contributions of the simplified competency management model to a municipal health secretariat. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 29. https://doi.org/10.1590/1518-8345.3385.3429

Andrade, F. S., de. (2012). Análise bibliométrica da produção científica de pesquisadores e referências de um periódico da engenharia de produção. 12-75.

Antosz, K. (2018). Maintenance - Identification and analysis of the competency gap. Eksploatacja i Niezawodnosc, 20(3), 484-494. https://doi.org/10.17531/ein.2018.3.19

Araújo, C. A. (2006). Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, 12(1), 11–32. Recuperado de https://brapci.inf.br/index.php/res/download/46788

Arboite, M. R. da S. (2007). Gestão por competência: um novo olhar em relação às políticas e práticas de recursos humanos. Revista Gestão e Desenvolvimento, 4, 11-19. https://doi.org/https://doi.org/10.25112/rgd.v4i1.857

Becker, C. (2011). Estudo sobre as competências dos cios: a visão dos gestores no brasil e nos estados unidos [Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul]. Recuperado de http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/5623?mode=full

Boff, L. H. & Abel, M. (2005). Autodesenvolvimento e competências: o caso do trabalhador de conhecimento como especialista. In: Ruas, R., Antonello, C. S., Boff, L. H. Aprendizagem Organizacional e Competências. Bookman: Porto Alegre, (cap. 4), 70-86. Recuperado de http://www.inf.ufrgs.br/bdi/wp-content/uploads/TrabalhadorConhecimentoEspecialistaFinal.pdf

Boog, G. G. (1991). O desafio da competência (Best Selle).

Brandão, H. P. & Guimarães, T. de A. (2001). Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? Revista de Administração de Empresas, 41(1), 8-15. Recuperado de https://www.scielo.br/j/rae/a/C3ZbzVBfq8LLhpSppQ4BYbH/?lang=pt

Bruno, G. & Antonelli, D. (2018). Dynamic task classification and assignment for the management of human-robot collaborative teams in workcells. International Journal of Advanced Manufacturing Technology, 98(9-12), 2415-2427. https://doi.org/10.1007/s00170-018-2400-4

Carbone, P. P. (2009). A gestão por competências e gestão do conhecimento. In: P. P. Carbone, H. P. Brandão, J. B. D. Leite & R. M. de P. Vilhena (Eds.), Editora FGV (3.ed), 41-77. Editora FGV.

Carmo, L. O., do. (2016). Gestão de pessoas baseada em competências: um modelo avançado de gestão. Revista de Administração Geral, 1(2), 101-117. Recuperado de https://periodicos.unifap.br/index.php/administracao/article/view/2086

Cavalcante, F. V. & Renault, T. B. (2018). Gestão por competências: uma avaliação das práticas de gestão de pessoas em uma instituição pública de ciência e tecnologia em saúde. RAHIS- Revista de Administração Hospitalar e Inovação em Saúde, 15(2), 89-107. https://doi.org/10.21450/rahis.v15i2.4541

CNI, C. N. da I. (2016). Desafios para indústria 4.0 no Brasil. Portal da Indústria, indústria 4.0. Recuperado de https://www.portaldaindustria.com.br/publicacoes/2016/8/desafios-para-industria-40-no-brasil/

Creswell, J. W. (2014). Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. In: Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa (3 ed.). Penso.

Lima, R. A., de, Velho, L. M. L. S., & Faria, L. I. L., de. (2012). Bibliometria e “avaliação” da atividade científica: Um estudo sobre o índice h. Perspectivas Em Ciencia da Informacao, 17(3), 3-17. https://doi.org/10.1590/s1413-99362012000300002

Decius, J. & Schaper, N. (2021). An instrument for strategic competence development in small and medium-sized industrial enterprises: the Competency Management Tool (CMT). Gruppe. Interaktion. Organisation. Zeitschrift Fur Angewandte Organisationspsychologie, 52(2), 261-277. https://doi.org/10.1007/s11612-021-00566-w

Dutra, J. (2002). Gestão de Recursos Humanos: Modelo, processos, tendências e perspectivas. Atlas.

Fantini, P., Pinzone, M., & Taisch, M. (2020). Placing the operator at the centre of Industry 4.0 design: Modelling and assessing human activities within cyber-physical systems. Computers and Industrial Engineering, 139. https://doi.org/10.1016/j.cie.2018.01.025

Fareri, S., Fantoni, G., Chiarello, F., Coli, E., & Binda, A. (2020). Estimating Industry 4.0 impact on job profiles and skills using text mining. Computers in Industry, 118, 103222. https://doi.org/10.1016/j.compind.2020.103222

Ferrán, J. E. M. (2010). Noção de competência: revisitando a produção científica e a perspectiva de consultores. LUME - Repositório Digital UFRGS, 148. Recuperado de http://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/25584

Fleury, M. T. L. & Fleury, A. (2006). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. Atlas.

Gorecky, D., Khamis, M., & Mura, K. (2015). Introduction and establishment of virtual training in the factory of the future. International Journal of Computer Integrated Manufacturing, 30(1), 182–190. https://doi.org/10.1080/0951192X.2015.1067918

Hannola, L., Richter, A., Richter, S., & Stocker, A. (2018). Empowering production workers with digitally facilitated knowledge processes–a conceptual framework. International Journal of Production Research, 56(14), 4729-4743. https://doi.org/10.1080/00207543.2018.1445877

Heradio, R., De La Torre, L., Galan, D., Cabrerizo, F. J., Herrera-Viedma, E., & Dormido, S. (2016). Virtual and remote labs in education: A bibliometric analysis. Computers and Education, 98, 14-38. https://doi.org/10.1016/j.compedu.2016.03.010

Jerman, A., Bach, M. P., & Bertoncelj, A. (2018). A bibliometric and topic analysis on future competences at smart factories. Machines, 6(3), 1-13. https://doi.org/10.3390/MACHINES6030041

Kaasinen, E., Schmalfuß, F., Özturk, C., Aromaa, S., Boubekeur, M., Heilala, J., Heikkilä, P., Kuula, T., Liinasuo, M., Mach, S., Mehta, R., Petäjä, E., & Walter, T. (2020). Empowering and engaging industrial workers with Operator 4.0 solutions. Computers and Industrial Engineering, 139. https://doi.org/10.1016/j.cie.2019.01.052

Kagermann, H., Wahlster, W., & Helbig, J. (2013). Recommendations for implementing the strategic initiative Industrie 4.0. In: A. Hellinger & V. Stumpf (Eds.), Industrie 4.0 Platform (Issue April). Acatech. Recuperado de https://www.din.de/blob/76902/e8cac883f42bf28536e7e8165993f1fd/recommendations-for-implementing-industry-4-0-data.pdf

Kauffeld, S. & Paulsen, H. (2018). Kompetenzmanagement in unternehmen. kompetenzen beschreiben, messen, entwickeln und nutzen. Kohlhammer.

Kazancoglu, Y. & Ozkan-Ozen, Y. D. (2018). Analyzing workforce 4.0 in the fourth industrial revolution and proposing a road map from operations management perspective with fuzzy DEMATEL. Journal of Enterprise Information Management, 31(6), 891-907. https://doi.org/10.1108/JEIM-01-2017-0015

Kipper, L. M., Furstenau, L. B., Hoppe, D., Frozza, R., & Iepsen, S. (2019). Scopus scientific mapping production in industry 4.0 (2011–2018): a bibliometric analysis. International Journal of Production Research, 58(6), 1605-1627. https://doi.org/10.1080/00207543.2019.1671625

Kipper, L. M., Iepsen, S., Dal Forno, A. J., Frozza, R., Furstenau, L., Agnes, J., & Cossul, D. (2021). Scientific mapping to identify competencies required by industry 4.0. Technology in Society, 64(October 2020). https://doi.org/10.1016/j.techsoc.2020.101454

Kochaski, J. (1997). Competency-based management, training & development. Academy Research Library.

Lacerda, R. T. de O., Ensslin, L., & Ensslin, S. R. (2012). Uma análise bibliométrica da literatura sobre estratégia e avaliação de desempenho. Gestão & Produção, 19(1), 59-78. https://doi.org/10.1590/s0104-530x2012000100005

Longo, F., Nicoletti, L., & Padovano, A. (2019a). Emergency preparedness in industrial plants: A forward-looking solution based on industry 4.0 enabling technologies. Computers in Industry, 105, 99-122. https://doi.org/10.1016/j.compind.2018.12.003

Longo, F., Nicoletti, L., & Padovano, A. (2019b). Modeling workers’ behavior: A human factors taxonomy and a fuzzy analysis in the case of industrial accidents. International Journal of Industrial Ergonomics, 69(October 2018), 29-47. https://doi.org/10.1016/j.ergon.2018.09.002

Machado, R. das N. (2007). Análise cientométrica dos estudos bibliométricos publicados em periódicos da área de biblioteconomia e ciência da informação (1990 - 2005). Perspectivas em Ciência da Informação, 12(3), 2-20. Recuperado de https://www.scielo.br/j/pci/a/q57h55TvtPMR7HrGJvBvbdh/?format=pdf&lang=pt

Makarius, E. E., & Srinivasan, M. (2017). Addressing skills mismatch: utilizing talent supply chain management to enhance collaboration between companies and talent suppliers. Business Horizons, 60(4), 495-505. https://doi.org/10.1016/j.bushor.2017.03.007

Malhotra, N. (2006). Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. Bookman.

Martinez-Silveira, M. S., Silva, C. H., da, & Laguardia, J. (2014). A revisão sistemática como método em estudo bibliométrico. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (ENANCIB). Recuperado de https://www.arca.fiocruz.br/handle/icict/29527

Melo, M. C. O. L. (2003). A gerência feminina em setores industrial e bancário: o conservadorismo internalizado versus o moderno em construção. Proceedings of the International Conference of the Iberoamerican Academy of Management.

Munck, L., Munck, M. G. M., & Souza, R. B., de. (2011). Gestão de pessoas por competências: análise de repercussões dez anos pós-implantação. Revista de Administracao Mackenzie, 12(1), 4-52. https://doi.org/10.1590/S1678-69712011000100002

Oliveira, D. A., Gonçalves, R. da S., & Barbosa, A. C. Q. (2014). Percepção dos gestores de recursos humanos em relação so modelo de gestão por competências. Revista FSA, 11(2), 01-26. https://doi.org/10.12819/2014.11.2.1

Podmetina, D., Soderquist, K. E., Petraite, M., & Teplov, R. (2018). Developing a competency model for open innovation: From the individual to the organisational level. Management Decision, 56(6), 1306-1335. https://doi.org/10.1108/MD-04-2017-0445

Prahalad, C. K. & Hamel, G. (2005). Competindo pelo futuro (19th ed.). Campus.

Resende, E. (2000). O livro das competências. Qualitymark.

Rodrigues, F. da C., Júnior, C. V. N. de S., & Almeida, A. N. (2022). Gestão por competências: mapeamento e avaliação na área de segurança universitária. RGO - Revista Gestão Organizacional, 15(1), 187-204. https://doi.org/http://dx.doi.org/10.22277/rgo.v15i1

Romel, F., Tavares, M., Bruno, F., & Da, J. (2021). Análise bibliométrica da produção científica da indústria 4 . 0 e sua relação com a indústria calçadista. Research, Society and Development, 10(6), e52710613863. http://dx.doi.org/10.33448/rsd-v10i6.13863

Ruas, R. (2003). Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das organizações. EnANPAD. Recuperado de http://www.anpad.org.br/admin/pdf/enanpad2003-grt-2292.pdf

Schwab, K. (2016). A quarta Revolucao Industrial. In J. L. Vieira & M. L. V. Micales (Eds.), World Economic Forum (1.ed.). Edipro. Recuperado de https://asdfiles.com/26qf7~s

Silva, P. A., Cavalcante, S. M. de A., Silva, P. A., & Silva, M. R. R. (2021). Implantação da gestão por competência em uma instituição de ensino superior pública: desafios e perspectivas. Revista de Gestão e Secretariado, 12(2), 173-202. https://doi.org/10.7769/gesec.v12i2.1188

Souza, C. D., de. (2013). A organização do conhecimento: Estudo bibliométrico na base de dados ISI Web of Knowledge. Biblios: Journal of Librarianship and Information Science, 51(51), 20-32. https://doi.org/10.5195/biblios.2013.108

Sparrow, P. R. & Bognanno, M. (1993). Competency Requirement Forecasting: Issues for International Selection and Assessment. International Journal of Selection and Assessment, 1(1), 50-58. https://doi.org/10.1111/j.1468-2389.1993.tb00083.x

Stocker, A., Brandl, P., Michalczuk, R., & Rosenberger, M. (2014). Mensch-zentrierte IKT-Lösungen in einer Smart Factory. E & i Elektrotechnik Und Informationstechnik, 131(7), 207-211. https://doi.org/10.1007/s00502-014-0215-z

Tessarini, G. J., & Saltorato, P. (2018). Impactos da indústria 4.0: Uma revisão sistemática da literatura. Revista Produção Online, 18(2), 743-769. Recuperado de https://producaoonline.org.br/rpo/article/download/2967/1678%0A

Virgillito, A. (2018). Einführung eines strategischen Kompetenzmanagements in nicht-forschungsintensiven KMU. In Fraunhofer IRB, 11(1).

Whysall, Z., Owtram, M., & Brittain, S. (2019). The new talent management challenges of Industry 4.0. Journal of Management Development, 38(2), 118–129. https://doi.org/10.1108/JMD-06-2018-0181

Woszezenki, C. R. & Gonçalves, A. L. (2013). Mineração de textos biomédicos: Uma revisão bibliométrica. Perspectivas em Ciencia da Informacao, 18(3), 24-44. https://doi.org/10.1590/S1413-99362013000300003

Arquivos adicionais

Publicado

28.04.2022

Como Citar

Barollo, B. V. ., & Freitas, R. R. de. (2022). O USO DE FERRAMENTAS DA INDÚSTRIA 4.0 NA IMPLEMENTAÇÃO DA GESTÃO POR COMPETÊNCIAS: UMA ANÁLISE BIBLIOMÉTRICA SOBRE OS IMPACTOS NO PROCESSO . Brazilian Journal of Production Engineering, 8(3), 12–33. https://doi.org/10.47456/bjpe.v8i3.37971

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 6 7 > >>