Cotidiano, corpo e processos de subjetivação na espiral poética de Rubiane Maia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v1i23.32850

Palavras-chave:

Rubiane Maia, Processos Artísticos, Arte e Vida

Resumo

O artigo investiga como que corpo, cotidiano e processos de subjetivação são agenciados nos processos artísticos de Rubiane Maia. Persegue-se, aqui, a hipótese de que esses três verbetes se constituem como eixos norteadores dos deslocamentos poéticos explorados no decurso dos seus primeiros dez anos de carreira. Busca-se situar em perspectiva suas intenções poéticas de indissociação entre vida e obra – tendência que, em Rubiane Maia, parece conduzi-la à afirmação de um horizonte mais expansivo de relações entre a arte e a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lindomberto Ferreira Alves, PPGA-UFES

Artista-educador, pesquisador, crítico e curador independente. Mestrando em Teoria e História da Arte pelo PPGA-UFES (2018/20). Licenciando em Artes Visuais pela UNAR/SP (2020) e Bacharel em Arquitetura e Urbanismo pela UFBA (2013). É membro do grupo de pesquisa "Curadoria e Arte Contemporânea" e integra a equipe da "Plataforma de Curadoria" (DAV-UFES), plataforma virtual focada nos processos de criação em curadoria. Possui textos publicados em livros, catálogos e revistas especializados nos campos da história, teoria e crítica de arte. Suas investigações privilegiam a análise dos processos de criação na arte contemporânea, de modo especial, no estudo de produções cujos processos criativos colocam arte, vida e obra no mesmo plano de contágio.

 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Arqueologia da obra de arte. Tradução Vinícius Nicastro Honesko. In: Princípios, Natal, v. 20, n. 34, p. 349-361, jul.-dez. 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/principios/article/view/7549>. Acesso em: 29 jan. 2019.

ALVES, Lindomberto Ferreira. Arte e vida em obra: a poética biografemática de Rubiane Maia. 2020. 330 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes, Centro de Artes, Universidade Federal do Espirito Santo, Vitória, 2020.

DELEUZE, Gilles. A dobra: Leibiniz e o barroco. Tradução Luiz Orlandi. Campinas: Papirus, 1991.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O Anti-Édipo: Capitalismo e esquizofrenia. Tradução Joana Varela e Manuel Maria Carrilho. Lisboa: Assírio & Alvim, 2004.

DOMINGUES, Leila. Subjetividades contemporâneas. In: BARROS, Maria Elizabeth Barros (org.). Psicologia: questões contemporâneas. Vitória: EDUFES, 1999. p.1-22.

___. À flor da pele: subjetividade, clínica e cinema no contemporâneo. Porto Alegre: Sulina, 2010.

___. Ensaios de subjetivação: ethopoética, cartografemas e ethografias. In: LEÃO, Adriana et al (org.). Produção de subjetividade e institucionalismo: experimentações políticas e estéticas. Curitiba: Appris, 2017. p. 181-197.

ESCÓSSIA, Liliana da; MANGUEIRA, Maurício. Para uma psicologia clínico-institucional a partir da desnaturalização do sujeito. In: Revista do Departamento de Psicologia – UFF, Niterói, v. 17, n. 1, p. 93-101, jan.-jun 2005. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/rdpsi/v17n1/v17n1a07.pdf>. Acesso em: 13 ago. 2019.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade, vol. II: O uso dos prazeres. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1984.

___. História da sexualidade, vol. III: O cuidado de si. Tradução Maria Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

___. A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In: FOUCAULT, Michel. Ética, sexualidade, política. Coleção Ditos & Escritos, vol. V. Tradução Elisa Monteiro e Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004, p. 264-287.

___. O nascimento da biopolítica. Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. Tradução Renato Cohen. São Paulo: Perspectiva, 2009.

GUATTARI. Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. Tradução Ana Lúcia de Oliveira & Lúcia Cláudia Leão. Rio de Janeiro: Editora 34, 1992.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica. Tradução Carlos Irineu da Costa. Rio de janeiro: Editora 34, 1994.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: N-1 edições, 2018.

MEDEIROS, Maria Beatriz de. Sugestões de conceitos para reflexão sobre a arte contemporânea a partir da teoria e prática do grupo de pesquisa corpos informáticos. In: ARJ, Natal/Porto Alegre, v. 4, n. 1, p. 33-47, jan.-jun. 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/11808/8698>. Acesso em: 10 de mar. de 2020.

NIETZSCHE, Friedrich. O nascimento da tragédia, ou Helenismo e pessimismo. Tradução Jacó Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.

___. A gaia ciência. Tradução Paulo César de Souza. São Paulo: Compa-nhia das Letras, 2001.

___. Assim Falava Zaratustra. Tradução Antonio Carlos Braga. São Paulo: Escala, 2013.

ROLNIK, Suely. O corpo vibrátil de Lygia Clark. In: Folha de São Paulo, São Paulo, 30 de abr. de 2000. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs3004200006.htm>. Acesso em: 10 mar. 2020.

___. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. São Paulo: Estação Liberdade, 2011.

___. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 edições, 2018.

SALLES, Cecília Almeida. Redes da criação: construção da obra de arte. Vinhedo: Horizonte, 2006.

SANTOS, Milton. Por uma Geografia cidadã: por uma epistemologia da existência. In: Boletim Gaúcho de Geografia, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 7-14, ago. 1996. p. 10. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/bgg/article/view/38613>. Acesso em: 10 mar. 2020.

SERRES, Michel. Le système de Leibniz et ses modèles mathématiques. Paris: P.U.F., 1968.

___. Genèse. Paris: Grassei, 1982.

___. Luzes: cinco entrevistas com Bruno Latour. Tradução de Luiz Paulo Rouanet. São Paulo: Unimarco, 1999.

SILVA, Rubiane Vanessa Maia da. Desvios, sobre arte e vida na contemporaneidade. 2011. 142 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Institucional) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Departamento de Psicologia, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.

VINÍCIUS, Marcus. Cotidiano: reflexões atuais e (in)oportunas. In: Revista Tatuí, n. 8, p. 24-26, 2010. Disponível em: <http://www.revistatatui.com.br/colaboradores/marcus-vinicius/>. Acesso em: 10 mar. 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-24

Como Citar

Alves, L. F. (2021). Cotidiano, corpo e processos de subjetivação na espiral poética de Rubiane Maia. Revista Farol, 1(23), 198–210. https://doi.org/10.47456/rf.v1i23.32850

Edição

Seção

Artigos