Viva São Benedito!

Resistência e experiência na Banda de Congo Amores da Lua da cidade de Vitória, ES

Autores

  • Elisa Ramalho Ortigão UFES/FAPES

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.35546

Palavras-chave:

Walter Benjamin, Patrimônio Imaterial, Congo, Congo Amores da Lua

Resumo

A prática tradicional do congo, em especial a Banda de Congo Amores da Lua, do Mestre Ricardo Sales, apresenta alguns elementos que vão ao encontro da filosofia da arte de Walter Benjamin. A definição do campo do congo apresenta uma disputa de valores. A dialética benjaminiana é usada para a aproximação pelo lado dos mais despossuídos. O ato performático e os objetos usados no congo se aproximam da experiência ancestral. O calendário cíclico congueiro cria uma imagem anacrônica da contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Ramalho Ortigão, UFES/FAPES

Pós-doutorado pelo Programa de Pós Graduação em Artes do Centro de Artes, UFES com pesquisa DCR financiada pela Fapes/CNPq no Centro de Artes, UFES com pesquisa sobre o congo do ES. Doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense (UFF) com pesquisa sobre Walter Benjamin (2014), e mestre em Ciência da Literatura, com área de concentração em Teoria Literária, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) (2009). Possui graduação em Letras - Línguas e Literaturas Portuguesa e Alemã- com foco em Ciência da Literatura, pela Universidade Nova de Lisboa (UNL) (1995), em Lisboa, Portugal. Estudou, por 4 meses durante o doutorado (2011.1) com o prof. Dr. Axel Gellhaus, da Universidade de Aachen, Alemanha, e anteriormente, como bolsista do programa de intercâmbio acadêmico da Comunidade Europeia (Programa Erasmus), por dois anos no departamento de Ciência da Literatura na Universidade de Hamburgo, Alemanha (1994-1996). Foi Professora Substituta de Língua e Literatura Alemã do Instituto de Letras (Departamento de Alemão) da Universidade Federal Fluminense (UFF) (2007-2009) ministrando cursos de língua alemã, literaturas em línguas alemãs e cinema alemão do século XX. Entre 2012 e 2014 foi professora da Oficina de Mídias Digitais na Licenciatura em Educação Física - Modalidade EaD na UFES. Participa atualmente de Programa de Extensão interdisciplinar sobre a cultura do congo capixaba. Foi professora voluntária do Departamento de Teoria da Arte e da Música DTAM, UFES e do PPGA UFES. Atua na área de tradução alemão-português, Teoria Literária, Literatura Comparada, Literaturas Estrangeiras Modernas, Literatura Brasileira, Língua e Literaturas Portuguesa, Crítica Cultural e Teoria da Arte, e é membro do conselho da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (FAPES) desde 2019. Recentemente coordenou a pesquisa para a inscrição do Congo do ES como patrimônio imaterial nacional, em parceria com a UFES e o IPHAN. Atualmente desenvolve pesquisa sobre Educação Patrimonial e conteúdos étnicos raciais.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Trad. Iraci Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004. 2ª Ed.

___. “O que é um dispositivo?”. In: O amigo e o que é um dispositivo. Trad. Vinicius Nikastro Honesko. Chapecó: Argos, 2014.

BENJAMIN, Walter. “A obra de arte na era da sua reprodutibilidade técnica”. In Benjamin e a obra de arte. Técnica, imagem, percepção. Trad. Mariane Lisboa e Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2016 (a).

___. “Charles Baudelaire: um poeta na época do capitalismo avançado”. In: Baudelaire e a modernidade. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

___. “Fragmento teológico-político”. In: O Anjo da história. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autentica, 2012.

___. “O contador de histórias: reflexões sobre a obra de Nicolai Leskov.” In Linguagem, tradução, literatura (Filosofia teoria e crítica) Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autentica, 2019.

___. “O narrador: Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov”. In: Obras escolhidas. Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

___. “Sobre o conceito de história”. In: O Anjo da história. Trad. João Barrento. Belo Horizonte: Autentica, 2012.

CELANTE; CIRILLO. “Função e fruição. Novas interfaces do Monumento Público contemporâneo”. In: Artistas, Autoria e as Práticas Colaborativas. Intermeios: São Paulo, 2013.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. Unesp: São Paulo, 2003.

GRIMM, Jacob und Wilhem. Deutsches Wörterbuch von Jacob und Wilhelm Grimm. Universidade de Tier, 2019. (dwb.uni-trier.de/de/)

LONDRES, Cecília. “Para além da pedra e cal: por uma concepção ampla de patrimônio cultural”. In: ABREU e CHAGAS (Org.). Memória e patrimônio. Ensaios contemporâneos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

LÖWY, Michel. “A contrapelo. A concepção dialética da cultura nas teses de Walter Benjamin”. In: Lutas Sociais. São Paulo, nº 25/26 p. 20-28, 2010/2011.

___. Walter Benjamin: aviso de incêndio. São Paulo: Boitempo, 2005.

FOUCAULT, Michael. História da sexualidade. A vontade de saber. Trad. Maria Thereza Albuquerque. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

MALINOWISKI, Bronislaw. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. Trad. Anton P. Carr e Lígia Cardiere. São Paulo: Ubu, 2018.

MONTEIRO, Mariana. Dança Popular: Espetáculo e devoção. São Paulo: Terceiro Nome, 2011.

NAME, Jo. “O que é meu vem a mim”. Documentário em vídeo, 24 min, 2016. Acessível em: https://www.youtube.com/watch?v=vmDAXO-Kpa8&t=344s. Em 29/10/2019.

ORTIGÃO, Elisa Ramalho. Iluminações Profanas: Transformações do Witz Romântico em Iluminação Profana Surrealista por Walter Benjamin. Tese. Niterói, 2014. Acessível em https://app.uff.br/riuff/handle/1/8762.

___; NAME, José Otavio Lobo. Congo do Espírito Santo: Celebrações e Formas de Expressão. Vitória: Iphan/UFES, 2020. Acessível em: https://sei.iphan.gov.br/sei/modulos/pesquisa/md_pesq_documento_consulta_externa.php?9LibXMqGnN7gSpLFOOgUQFziRouBJ5VnVL5b7-UrE5SPwEfYbaAGSR4YIxEZ7_oif4x7BV7QXmnkTgj3wIprtj5ahDQCrFT5qKE_7qKG7c8dv1DRclovs8pKdmFpsunY. Em 10/05/2021.

UNESCO. Convenção para a salvaguarda do patrimônio cultural imaterial. Paris: UNESCO, 2003.

SALES, Ricardo. Conversas gravadas ao longo do ano de 2016. (Fonte oral. Acervo particular.)

SANTOS NEVES, Guilherme. Folclore Brasileiro. Espírito Santo. Funarte: Rio de Janeiro, 1977.

THE AMERICAN HERITAGE DICTIONARY. Laurel: Nova Iorque, 1994.

Downloads

Publicado

2021-09-21

Como Citar

Ortigão, E. R. . (2021). Viva São Benedito! : Resistência e experiência na Banda de Congo Amores da Lua da cidade de Vitória, ES. Revista Farol, 17(24), 108–121. https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.35546

Edição

Seção

Seção Temática