Arte indígena cosmopolítica

na antropofagia reversa de Jaider Esbell

Autores

  • Isabela Frade UFES/ PPGA - UERJ
  • Alexandre Guimarães UERJ

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v1i25.38031

Palavras-chave:

Jaider Esbell, Arte Cosmopolítica, Cosmogonia Macuxi, Antropofagia Reversa

Resumo

Através do conceito Arte Indígena Contemporânea (AIC) cunhado por Jaider Esbell, artista macuxi, a arte indígena se estabelece como categoria relativamente autônoma no cenário atual, demarcando seu protagonismo diante do esgotamento do próprio conceito de arte e da agravada crise socioambiental. Ressaltamos sua obra como multiverso que projeta, para além de seu território Raposa Serra do Sol, em Roraima, as cosmogonias do seu povo Macuxi, semeadas e disseminadas  em diversas regiões do país e fora dele. Na compreensão ancestral resgatada do herói mítico Makunaimî – cuja pronúncia corrigida, em suas inúmeras mensagens, performances e discursividades artísticas, restabelece um elo com o seu significado ancestral através de uma antropofagia reversa, propondo uma Arte Indígena Cosmopolítica.


Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isabela Frade, UFES/ PPGA - UERJ

Licenciada em Artes pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, mestre em Comunicação e Teoria da Cultura, doutora em Comunicação pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Professora Adjunta do Departamento de Artes Visuais da Universidade Federal do Espírito Santo, cadeira de Cerâmica/Escultura. Docente do Programa de Pós Graduação em Arte e Cultura Contemporânea da Universidade do Estado do Rio de Janeiro junto à linha ARTE, PENSAMENTO E PERFORMATIVIDADE. Desenvolve pesquisas e orienta projetos relacionando arte, educação, cultura e comunicação com foco sobre os seguintes temas: cultura material, cerâmica, artes da terra, poéticas relacionais e paisagem. É líder do grupo de pesquisa O ESPAÇO CRÍTICO - ARTE, PENSAMENTO E AÇÃO EDUCADORA - GP/CNPq e vice-líder do GRUPO CULTURA MATERIAL - GP/CNPq e participante do grupo ESTUDOS DA PAISAGEM - GP/CNPq. Investigadora integrada à Red Internacional del Conocimiento com sede no Centro de Estudios Superiores da Universidad de Santiago do Chile, a Red Latinomericana de Investigadores Diálogos en Mercosur, a Rede Visíveis de Pesquisadores em Arte da Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, o Centro de Estudios y de Gestión en Redes Académicas (CEGRA) de la Universidad Nacional de Río Cuarto e o Centro de Estudos Virtuais da Universidade Lusófona Tecnológica de Lisboa.

Referências

ANDRADE, MÁRIO DE. Macunaíma - o herói sem nenhum caráter. São Paulo: Editora Martin Claret, 2016.

BARRETO, Mêrivania Rocha. Makunaima: entre fatos e ficções. In Anuário de Literatura, v. 25, n. 2, 2020, Florianópolis. pp. 47 - 64.

CANDAU, Vera Maria; CRUZ, Giseli Barreto da; FERNANDES, Claudia (orgs). Didática e fazeres-saberes pedagógicos: diálogos, insurgências e políticas. Petrópolis: Vozes, 2020.

DINATO, D. ReAntropofagia: a retomada territorial da arte. MODOS. Revista de História da Arte. Campinas, v. 3, n. 3, p.276-284, set. 2019. Disponível em: ˂https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/ mod/article/view/4224˃. DOI: https://doi.org/10.24978/mod.v3i3.4224

DIVERSOS AUTORES. Revista Select – Floresta, Arte e Cultura Contemporânea. São Paulo: Acrobática Editora, 2021.

ESBELL, Jaider. Tardes de Agosto Manhãs de Setembro Noites de Outubro. Boa Vista: Edição do Autor, 2013.

___. 34a. BIENAL DE SÃO PAULO Im http://34.bienal.org.br/artistas. Acesso em 20 de janeiro de 2022.

___. MAKUNAIMA, o meu avô em mim! Iluminuras, Porto Alegre, v. 19, n. 46, p. 11-39, jan/jul, 2018.

___. Entrevista com Jaider Esbell - Ver em camadas o cruzamento dos mundos. In https://antropofagias.com.br/2020/07/06. Acesso em 29 de dezembro 2021.

FLECHA SELVAGEM (coletivo). Cadernos Selvagem publicação digital da Dantes Editora Biosfera, 2021.

JECUPÉ, Kaka Werá . A terra dos mil povos: História Indígena brasileira contada por um índio. São Paulo: Editora Petrópolis,1998.

KOPENAWA, Albert, Bruce, Davi. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami; prefácio de Eduardo Viveiros de Castro – 1ª Edição – São Paulo: Cia das Letras, 2015.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do Mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

___. A vida não é útil. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. São Paulo: Ed. 34, 2013.

___. Diante de Gaia: oito conferências sobre a natureza no Antropoceno. São Paulo/ Rio de Janeiro: UBU Editora, 2020.

CARVALHO, Fábio Almeida. “Theodor Koch-Grünberg e a cultura brasileira”.

In Revista Gragoatá. N. 41. Niterói: UFF, setembro de 2016. pp. 665 - 685

OLIVEIRA, Rodrigo. Macunaíma, uma conversa entre a versão famosa de Joaquim Pedro e a versão perdida de Paulo Veríssimo. In Revista Contracampo. N. 85, abril de 2013. In: http://www.contracampo.com.br/85/arttemmaissim.htm

SANTOS, Boaventura de Souza & Menezes, Maria Paula (orgs) (2009). Epistemologias do Sul. Coimbra, Portugal: Edições Almedina, S.A.

VIVEIROS DE CASTRO. Eduardo. Perspectivismos e multinaturalismos: a inconstância da alma selvagem. Cosac & Naify. São Paulo, 2002.

___. Eduardo. Metafísicas canibais: elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac & Naify, 2015.

VIEZZER, Moema. Abya Yala: genocícidio, resistência e sobrevivência dos povos originários da Américas. Rio de Janeiro: Bambual Editora, 2021.

TAUREPANG [et all]. Makunaíma: o mito através do tempo. São Paulo: Editora Elefante, 2019.

Downloads

Publicado

20-06-2022

Como Citar

Frade, I., & Guimarães, A. (2022). Arte indígena cosmopolítica: na antropofagia reversa de Jaider Esbell. Revista Farol, 17(25). https://doi.org/10.47456/rf.v1i25.38031

Edição

Seção

Seção Temática