FELICIDADE NO TRABALHO, A PARTIR DAS DIMENSÕES DO BEM-ESTAR

HAPPINESS AT WORK: ANALYSIS FROM WELL-BEING DIMENSIONS

Autores

  • Elizangela de Jesus Oliveira Universidade Federal do Amazonas - UFAM/ ICET
  • Rosivan Cardoso Ferreira Universidade Federal do Amazonas - Campus Itacoatiara
  • Rute Holanda Lopes Universidade Federal do Amazonas - UFAM/ ICET (Economia Rural, Introdução à Economia e Gestão Ambiental)
  • Darly Andrade Universidade Federal do Amazonas - UFAM/ ICET
  • Gleica Soyan Barbosa Alves Universidade Federal do Amazonas - Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia

Palavras-chave:

felicidade no trabalho, bem-estar no trabalho (BET), bem-estar psicológico (BEP), bem-estar subjetivo (BES)

Resumo

Explicar, a partir das dimensões do bem-estar, quais são os preditores de felicidade no trabalho e como eles se manifestam na percepção dos empregados de uma empresa prestadora de serviços localizada em Minas Gerais. Busca-se suprir o gap da literatura acadêmica, pois não foram encontrados estudos que correlacionem a visão eudaimônica (bem-estar psicológico/BEP) e a hedônica (bem-estar subjetivo - BES) com o bem-estar no trabalho (BET), visando caracterizar a felicidade no trabalho. Foi realizado estudo de caso explicativo e quantitativo. Os dados foram coletados por meio de questionário composto de escalas que avaliaram o bem-estar psicológico (BEP), o bem-estar subjetivo (BES) e o bem-estar no trabalho (BET). Obteve-se amostra de 121 empregados, com nível de confiança de 95%, e erro amostral de 5%. Os dados foram tabulados e submetidos a análises univariadas e à modelagem de equação estrutural. Os resultados revelaram que o bem-estar subjetivo correlaciona-se positivamente com o bem-estar psicológico, que correlaciona-se positivamente com o bem-estar no trabalho, confirmando parcialmente o modelo proposto nesta pesquisa. O bem-estar no trabalho pode ser positiva ou negativamente impactado, dependendo dos afetos e/ou sentimentos vivenciados pelos indivíduos, sendo que quanto maior a vivência de sentimentos positivos e quanto menor a de negativos, maior o bem-estar no trabalho e, consequentemente, a felicidade no trabalho. Para futuras pesquisas, sugere-se investigar mais profundamente a relação entre BEP e BET, posto que não foi evidenciada correlação entre esses construtos neste estudo, apesar de a literatura postular indícios da existência dessa relação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elizangela de Jesus Oliveira, Universidade Federal do Amazonas - UFAM/ ICET

Professora da Universidade Federal do Amazonas. Doutorado em Administração pela UNIMEP - UNIVERSIDADE METODISTA DE PIRACICABA e Mestre em Administração pela FPL -FUNDAÇÃO PEDRO LEOPOLDO DE MINAS GERAIS. Possui graduação em Administração pela UNIMONTES- Universidade Estadual de Montes Claros (2008). Especialista em Design Instrucional para Educação a Distância pela UNIFEI- Universidade Federal de ItajubáI. Possui experiência como docente na Graduação Presencial dos cursos de Administração, Engenharias, e Cursos Superiores em Tecnologia de Logística, Comércio Exterior e Gestão Portuária e Gestão de Recursos Humanos. Atua também como Docente da Pós-graduação em Ciências Sociais Aplicadas.É Professora Autora e Conteudista em EaD das disciplinas para Graduação EaD e Pós Graduação em EaD (Teorias Administrativas, Gestão de Pessoas, RSC e Governança Corporativa). Possui experiência como Coordenadora do Núcleo de Educação a Distância para Cursos Superiores e na Coordenação da Pós-Graduação em Gestão Pública. Atua na Avaliação de diversos periódicos e seminários no Brasil na área das Ciências Sociais Aplicadas. É credenciada do BASIS/INEP - AVALIADORA DO MEC dos cursos de Graduação de Administração, CST em Processo Gerenciais e áreas correlatas ( Presencial e na Modalidade EaD).

Rosivan Cardoso Ferreira, Universidade Federal do Amazonas - Campus Itacoatiara

Possui Técnico em Informática pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas ? Campus Maués (2016). Atualmente é graduando em Sistemas de Informação pela Universidade Federal do Amazonas - Campus Itacoatiara.

Rute Holanda Lopes, Universidade Federal do Amazonas - UFAM/ ICET (Economia Rural, Introdução à Economia e Gestão Ambiental)

Pesquisadora e Professora Adjunto da Universidade Federal do Amazonas - UFAM/ ICET (Economia Rural, Introdução à Economia e Gestão Ambiental). Coordenadora do Núcleo de Economia, Tecnologia, Gestão e Inovação; Coordenadora Administrativa da Incubadora do ICET - ICETech, Vice coordenadora do Curso de Engenharia de Produção, Coordenadora do COMEXI - Comitê de Extensão do ICET. Doutora em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia pela UFAM (2015). Mestra em Desenvolvimento Regional pela UFAM (2008). Graduada em Ciências Econômicas pelo CIESA (2001), MBA em Empresas e Negócios pelo CIESA (2003). Pesquisas na área de: Economia Rural, Economia Regional, Engenharia de Produção, Produção Agrícola, Cadeias Produtivas Locais e Agricultura Familiar, Gestão Ambiental, Sustentabilidade. Possui experiência como consultora econômica e ambiental com trabalhos técnicos em Diagnósticos, Prognósticos, Caracterizações e Análises de Contexto dos municípios da Região Metropolitana de Manaus.

Gleica Soyan Barbosa Alves, Universidade Federal do Amazonas - Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Amazonas (2013) e mestrado em Saúde, Sociedade e Endemias na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (2016). Atualmente é professora Assistente da Universidade Federal do Amazonas lotada no Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia. Tem experiência nas áreas de Biologia Molecular, Controle de Qualidade de Alimentos e Medicamentos, Micologia e Saúde Pública.

Referências

Agapito, P. R., Polizzi F, A., & Siqueira, M. M. M. (2015, dezembro). Bem-estar no trabalho e percepção de sucesso na carreira como antecedentes de intenção de rotatividade. RAM, Revista de Administração Mackenzie, 16(6), 71-93. Recuperado de: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-69712015000600071&lng =en&nrm=iso>. <http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712015/administracao>.

Alberto, L. C. F. R. (2000). Os determinantes da felicidade no trabalho: Um estudo sobre a diversidade nas trajetórias profissionais de engenheiros. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, SP, Brasil.

Albuquerque, A. S., & Tróccoli, B. T. (2004). Desenvolvimento de uma escala de bem-estar subjetivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(2), 153-164.

Albuquerque, J. B., Souza, F. M., & Martins, C. R. (2010). Validação das escalas de satisfação com a vida e afetos para idosos rurais. Psico, 41(1), 85-92.

Barbosa, T. S. (2010). Os impactos do balanço emocional, otimismo e percepções de suportes sobre bem estar no trabalho de agentes comunitários de saúde. (Dissertação de mestrado). Universidade Metodista de São Paulo - Umesp, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Brown, J. D. (2001, janeiro). Can we use spearman-brown prophecy formula to defend low reliability? Shiken, JALT Testing & Evaluation Sig Newsletter, 4(3), 7-9.

Bruning, I. L., & Porta, P. L. (2005). Economicus and happiness: framing the analysis. New York: Oxford University Press.

Bruning, 2017

Carr, A. (2004). Positive psychology: The science of happiness and human strengths. London: Brunner-Routledge.

Carrillo, S. C., Feijóo, M. L., Gutiérrez, A., Jara, P., & Schellekens, M. (2017). El papel de la dimensión colectiva en el estudio de la felicidad. Revista Colombiana de Psicología, 26(1), 115-129.

Carrillo, 2016.

Carvalho, M. B. (2010). A felicidade na agenda da administração e suas relações com conceitos organizacionais. (Dissertação de mestrado). Universidade FUMEC, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Chih, C. Y. (2009). A eudaumonia na polis excelente de Aristotéles. (Dissertação de mestrado). Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, SP, Brasil.

Chin, W. W. (1998). The partial least squares approach to structural equation modeling. In: G. A., Marcoulides. (Ed.). Modern methods for business research. (p. 295-336). USA: Lawrence Erlbaum Associates, Inc.

Chiuzi, R. M., Siqueira, M. M. M., & Martins, M. C. F. (2012, janeiro-dezembro). As dimensões da organização positiva e os seus impactos sobre o bem-estar dos trabalhadores. Revista Mudanças - Psicologia da Saúde, 20(1-2), 31-40.

Covacs, J. M. L. (2006). Bem-estar no trabalho: O impacto dos valores organizacionais, percepção de suporte organizacional e percepção de justiça. (Dissertação de mestrado), Universidade Metodista de São Paulo - Umesp, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Csikszentmihalyi, M. (1992). A psicologia da felicidade. São Paulo: Saraiva.

Csikszentmihalyi, M. (2004). Gestão qualificada. Porto Alegre: Artmed.

Danna, K., & Griffin, R. (1999). Health and well-being in the workplace: a review and synthesis of the literature. Journal of Management, 25(3), 357-384. Recuperado de: <http://dx.doi.org/10.1177/014920639902500305>.

Diener, E., Lucas, R. E., & Oishi, S. (2002). Subjective well-being: the science of happiness and life satisfaction. In: C. R., Snyder, & S., Lopez (Org.) Handbook of positive psychology. (p. 63-73). New York: Oxford.

Diener, E. (1984). Subjective well-being. Psychological Bulletin, 95, 542-575.

Diener, E., Suh, E. M., Lucas, R. E., & Smith, H. E. (1999). Subjective well-being: Three decades of progress. Psychological Bulletin, 125, 276-302.

Efron, B. (1982). Bootstrap methods: another look at the jackknife. Annals of Stattistics, 7, 1-26.

Estivalete, V. F. B., Andrade, T., Faller, L. P., Stefanan, & Souza, D. L. (2016, maio-agosto). Suporte social e suporte organizacional como antecedentes do bem-estar no trabalho: a perspectiva de colaboradores de uma empresa de logística ferroviária. Revista de Administração da UNIMEP. 14(2), 31-56. Recuperado de: <http://www.raunimep.com.br/ojs/index.php/regen/article/viewFile/644/677>.

Fernandes, J. P. T. (2005, abril). Ética e cidadania: o desafio dos novos valores. Anais da Conferência sobre cidadania. Universidade Sênior. Recuperado de: <http://www.jptfernandes.com/resources/ComdiaUSF.pdf>.

Fredrickson, B. L. (2000). Hostility predicts magnitude and duration of blood pressure response to anger. Journal of Behavioral Medicine, (23), 229-243.

Fredrickson, B. L. (2001, março). The role of positive emotions in positive psychology: the broaden-and-build of positive emotions. American Psychologist, 56(3), 218-226.

Fredrickson, B. L. (1998). What good are positive emotions? Review of General Psychology, 2, 300-319.

Fundação Instituto de Administração (FIA). Programa de Estudos em Gestão de Pessoas (Progep) (2012). Melhores empresas para trabalhar. Recuperado de: <http://www.progep.org.br/MelhoresEmpresas/default.aspx>.

Giacomoni, C. H. (2004). Bem-estar subjetivo: em busca de qualidade de vida. Temas em Psicologia da SBP, 12(1), 43-50. Recuperado de: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/ tp/v12n1/v12n1a05.pdf>.

Gondim, S. M. G., & Siqueira, M. M. M. (2004). Emoções e afetos no trabalho. In: J. C., Zanelli, J. E., Borges-Andrade, & A, V, B, Bastos. Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: Artmed.

Graziano, L.D. (2005). A felicidade revisitada: Um estudo sobre bem-estar subjetivo na visão da psicologia positiva. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, SP, Brasil.

Hair Jr., J. F., Black, W. C., Babin, B. J., Anderson, R. E., & Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Keyes, C. L. M., Hysom, S. J., & Lupo, K. L. (2000). The positive organization: leadership legitimacy, employee well-being, and the bottom line. The Psychologist Manager Journal, 4(2), 143-153.

Lodahl, T. M., & Kejner, M. (1965). The definition and measurement of job involvement. Journal of Apply Psychology, 49, 23-33.

Magalhães, M. M., & Lima, A. C. P. (2002). Noções de probabilidade e estatística. (6. ed.), São Paulo: IME-USP.

Mowday, R. T., Steers, R. M., & Dorter, L. W. (1979). The measurement or organizational commitment. Journal of Vocational Behavior, 14, 224-247.

Oliveira, E., Castro, D., Coelho, M., Lopes, R., & Andrade, D. (2020). Felicidade no Trabalho: uma comparação com os resultados da pesquisa Guia Você S/A. Navus - Revista de Gestão e Tecnologia, 10, 01-19. doi:https://doi.org/10.22279/navus.2020.v10.p01-19.1038

Ostrom, T. M. (1969). The relationship between affective, behavioral and cognitive components of attitude. Journal of Experimental Psychology, 5, 12-30.

Padovam, V. A. R. (2005). Antecedentes de bem-estar no trabalho: Percepções de suportes e de justiça. (Dissertação de mestrado). Universidade Metodista de São Paulo – Umesp, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Paschoal, T. (2008). Bem-estar no trabalho: Relações com suporte organizacional, prioridades axiológicas e oportunidades de alcance de valores pessoais no trabalho. (Tese de doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília – Unib, Brasília, DF, Brasil.

Paschoal, T., & Demo, G. (2016, january-april). Well-Being at work scale: exploratory and confirmatory validation in the USA. Rev. Paideia, 16(63), 35-43.

Paschoal, T., & Tamayo, A. (2008). Construção e validação da escala de bem-estar no trabalho. Avaliação Psicológica. 7(1), 11-22. Recuperado de: <http://pepsic.bvsalud.org/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712008000100004>.

Paschoal, T., Torres, C. & Porto, J. B. (2010). Felicidade no trabalho: relações com suporte organizacional e suporte social. Revista de Administração Contemporânea, 14(6), 1054-1072. Recuperado de: <http://www.spell.org.br/documentos/ver/ 1763/felicidade-no-trabalho--relacoes-com-suporte-or--->.

Passareli, P. M., & Silva, J. A. (2007). Psicologia positiva e o estudo do bem-estar subjetivo. Estudos de Psicologia, 24(4), 513-517.

Rebolo, F., & Bueno, B. O. (2014, julho/dezembro). O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. Revista Acta Scientiarum Education, Maringá, 36(2), 322-331.

Rego, A. Empregados felizes são mais produtivos? (2009). Revista de Estudos Politécnicos Polytechnical Studies Review, 7(12), 215-233.

Revista Você S/A. Disponivel em: https://vocesa.abril.com.br/ Acesso em 10/18/2018.

Richardsen, A. M., Glasø, L., & Burke, R. J. (2014). How to promote po/sitive emotions and adaptation at work. In: R., Gomes, R., Resende, & A., Albuquerque. Positive human functioning from a multidimensional perspective. (p. 57-82). New York: Nova Science Publishers.

Riff, C. D. (1989). Happiness is everything, or is it? Exploration on the meaning of psychological well-being. Journal Personality and Social Psychology, 57, 1069-1081.

Ryan, M. R., & Deci, E. L. (2001). On happiness and human potentials: a review of research on hedonic and eudaimonic well-being. Annual Review of Psycology, 52, 141-166. Recuperado de: <http://www.uic.edu/classes/psych/Health/Readings/Ryan,%20Happiness%20-%20well%20being,%20AnnRevPsy,%202001.pdf>.

Saks, A. M., & Gruman, J. A. (2014). What do we really know about employee engagement? Human Resource Development Quaterly, 25(2), 155-182.

Sant’Anna, L. L., Paschoal, T., & Gosendo, E. E. M. (2012, setembro-outubro). Bem-estar no trabalho: relações com estilos de liderança e suporte para ascensão, promoção e salários. Revista de Administração Contemporânea, 16(5), Recuperado de: <http://www.scielo.br/ scielo.php?pid=S1415-65552012000500007&script=sci_arttext>.

Sender, G., & Fleck, D. (2017, novembro-dezembro). As organizações e a felicidade no trabalho: uma perspectiva integrada. RAC - Revista de Administração Contemporânea, 21(6), 764-787. Recuperado de: <http://dx.doi.org/10.1590/1982-7849rac2017160284>.

Seligman, M. (2004). Felicidade autêntica: usando a nova psicologia positiva para a realização permanente. Rio de Janeiro: Objetiva.

Silvério, W. D. (2008). Experiências afetivas no contexto organizacional e seu impacto sobre o bem-estar no trabalho. (Dissertação de mestrado). Universidade Metodista de São Paulo - Umesp, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Siqueira, M. M. M. (1995). Antecedentes e consequentes do comportamento de cidadania organizacional: A análise de um modelo pós-cognitivo. (Tese de doutorado). Universidade de Brasília - UnB, Brasília, DF, Brasil.

Siqueira, M. M. M. (2008). Satisfação no trabalho. In: M. M. M, Siqueira. Medidas do comportamento organizacional: Ferramentas de diagnóstico e de gestão. (p. 265-274). Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, M. M. M. & Gomide, S., Jr. (2004). Vínculos do trabalhador com o trabalho e com a organização. In: J. C., Zanelli, J. E., Borges-Andrade, & A. V. B., Bastos. (Org.). Psicologia, organizações e trabalho no Brasil. (p. 300-330). Porto Alegre: Artmed.

Siqueira, M. M. M., & Padovam, V. A. R. (2008). Bases teóricas de bem-estar subjetivo, bem-estar psicológico e bem-estar no trabalho. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24(2), 201-209. Recuperado de: .

Sousa, J. M. (2013). Felicidade laboral e valores organizacionais: O efeito da compatibilidade indivíduo-organização. (Dissertação de mestrado). Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil.

Sousa, J. M.; & Porto, J. B. (2015, may-aug.). Happiness at work: organizational values and person-organizational fit impact. Revista Paidéia, 25(61), 211-220. Recuperado de: <http://dx.doi.org/10.1590/1982-43272561201509>.

Sumário Executivo Guia Você S/A. (2012, abril). As melhores empresas para você trabalhar. São Paulo: Exame. Recuperado de: <http://exame.abril.com.br/revista-voce-sa/melhores-empresas-para-trabalhar/2012/atacado/>.

Tenenhaus, A., Vicent, G., Xavier, G., & Vincent, F. (2010). Gene association networks from microarray data using a regularized Estimation of partial correlation based on pls regression. IEEEACM Transactions on Computational Biology and Bioinformatics, 7(2), 251-262.

Tenenhaus, M., Amato, S., & Vinzi, V. E. (2004). A global goodness-of-Fit index for PLS structural equation modeling. Anais do XLII Riunione Scientifica Della Società Italiana di Statistica. Roma, Itália. Recuperado de: <http://www.sis-statistica.it/files/pdf/atti/RSBa2004p739-742.pdf>.

Valente, L. E. (2007). Bem-estar subjetivo e bem-estar no trabalho em profissionais de educação física. (Dissertação de mestrado). Universidade Metodista de São Paulo - Umesp, São Bernardo do Campo, SP, Brasil.

Vehkalahtin, K., Puntanen, S., & Tarkkonen, L. (2006). Estimation of reliability: A better alternative for Cronbach’s alpha. Reports in Mathematics. Finland: University of Helsinki. Recuperado de: <http://mathstat.helsinki.fi/reports.

Warr, P. (2007, december). Searching for happiness at work. The Psychologist, 20(12). Recuperado de: <http://www.thepsychologist.org.uk/archive/archive_home.cfm?volumeID =20&edition ID=154&ArticleID=1278>.

Waterman, A. S. (1993). Two conceptions of happiness contrasts or personal expressiveness (eudaimonia) an hedonic enjoyment. Journal of Personality and Social Psychology, 678-691.

Publicado

2020-06-24

Como Citar

Oliveira, E. de J., Ferreira, R. C., Lopes, R. H., Andrade, D. ., & Alves, G. S. B. (2020). FELICIDADE NO TRABALHO, A PARTIR DAS DIMENSÕES DO BEM-ESTAR: HAPPINESS AT WORK: ANALYSIS FROM WELL-BEING DIMENSIONS. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(2), 40–55. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/29052

Edição

Seção

GESTÃO PÚBLICA - PUBLIC MANAGEMENT