ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRO

ANALYSIS OF QUALITY OF WORK LIFE IN THE BRAZILIAN TELECOMMUNICATIONS SECTOR

Autores

  • Oswaldo Luiz Agostinho Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - FEM/UNICAMP
  • Jefferson de Souza Pinto Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - FEM/UNICAMP
  • Randal Victor Gibbin Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - FEM/UNICAMP

DOI:

https://doi.org/10.47456/bjpe.v7i2.34855

Palavras-chave:

sustentabilidade, responsabilidade social corporativa, qualidade de vida no trabalho, análise textual, setor de telecomunicações

Resumo

Contexto: A Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) assumiu lugar de destaque nos últimos anos como componente da cultura organizacional, sendo um dos pilares da sustentabilidade.

Objetivo: Identificar como os quatro maiores grupos de telecomunicações atuantes no Brasil compreendem a QVT neste contexto (dois dos quais listados na carteira ISEB3/2020).

Método: Procedeu-se à análise textual (lexical), processada pelo software IRAMUTEQ, da documentação de sustentabilidade disponível nos repositórios públicos destas organizações, desdobrada na Análise Lexicográfica, Classificação Hierárquica Descendente e Análise de Similitude.

Resultados: Os resultados evidenciam uma prevalência de práticas vinculadas à saúde ocupacional, capacitação, desenvolvimento e voluntariado.

Conclusão: Verificam-se oportunidades de aprimoramento em questões ligadas à redução de estresse, mentoria, resolução de conflitos, premiação e reconhecimento. Esta pesquisa tem sua originalidade no uso da técnica de análise textual ao objeto de estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Oswaldo Luiz Agostinho, Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - FEM/UNICAMP

Graduação em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo (1966), mestrado em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (1979) e doutorado em Engenharia Mecânica pela Universidade de São Paulo (1985) , Livre Docência em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas Atualmente é professor associado da Universidade Estadual de Campinas, e professor doutor da Universidade de São Paulo. Em atividades empresariais , foi Gerente Corporativo de Tecnologia da Informação da Eaton América do Sul ; atualmente é sócio proprietário da ORA Consultoria em Gestão Empresarial Ltda .As linhas de pesquisa são Competitividade , Estratégias ligadas a Competitividade , Gestão de Tecnologia para Competitividade , Flexibilidade e Integração dos Sistemas Produtivos ,Planejamento processo , Automação, Estratégias para Competitividade .

Jefferson de Souza Pinto, Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - FEM/UNICAMP

Pesquisador Colaborador do Departamento de Engenharia de Manufatura e Materiais da Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP. Pós-doutorando em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) (atual). Pós-doutor em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) (2014, 2016 e 2018, atual). Doutor em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) com pesquisa na área de Gestão de Projetos (2012). Mestre em Engenharia Mecânica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) (2004). Especialista em Gestão de Processos Industriais pela Universidade Estadual de Campinas (2002). Possui graduação em Administração de Empresas com habilitação em Comércio Exterior pela Universidade São Francisco (1999). Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação do Departamento de Engenharia de Manufatura e Materiais da Faculdade de Engenharia Mecânica da UNICAMP. Atualmente é professor concursado do Instituto Federal de São Paulo - Campus Bragança Paulista e pesquisador colaborador da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Desempenhou a função de Gerente Educacional, Coordenador da Área de Informática, Coordenador do Curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Coordenador do Curso de Especialização em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação do Instituto Federal de São Paulo - Campus Bragança Paulista. Tenho experiência em Administração da Produção e Operações, Logística, Gestão da Qualidade, Empreendedorismo, Estatística e Gestão de Projetos, áreas que me dedico à pesquisa. Membro dos seguintes grupos de pesquisa da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas: Laboratório de Pesquisas em Ensino de Engenharia e Gestão; Sistemas Produtivos e Engenharia de Produção; e, Gestão de Processos. Membro dos seguintes grupos de pesquisa do IFSP: Gestão da Produção, Operações, Projetos e Sustentatibilidade - GPOPS; e, Interdisciplinar em Educação, Matemática e Gestão. Possuo 36 artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, 71 artigos publicados em anais de congressos, 7 capítulos de livro e 3 livros. Participei como professor convidado de bancas de mestrado e doutorado na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e Universidade Federal Fluminense (UFF). Coordenação Especialização GETI - Portaria nº BRA.0079/2017, de 27 de junho de 2018. Web of Science ResearcherID: H-7031-2014 Researchgate: Jefferson_Pinto3

Randal Victor Gibbin, Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas - FEM/UNICAMP

Graduado em Engenharia Agrícola pela FEAGRI/UNICAMP(1997), MBA em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas - EBAPE/EPGE (2003), mestrado profissionalizante em Planejamento e Gestão Estratégica de Manufatura pela FEM/UNICAMP (2005) e certificado pelo Project Management Institute como PMP (Project Management Professional). Atua como consultor empresarial pela Critério Lógico Inteligência Empresarial Consultoria e na docência em cursos de graduação e pós-graduação. Seus estudos concentram-se nas áreas de Administração Estratégica, Administração Financeira, Administração da Produção, Empreendedorismo, Inovação, Design Thinking, Sistemas de Suporte à Decisão e Gerência de Projetos.

Referências

Agência Nacional de Telecomunicações (2019). Relatório Panorama Setorial de Telecomunicações. Brasília: ANATEL, 2019.

Agência Nacional de Telecomunicações (2020). Infográfico Panorama Setorial de Telecomunicações: Maio/2020. Brasília: ANATEL, 2020.

Agência Nacional de Telecomunicações (2020). Painéis de Dados – Ranking das Operadoras. Recuperado em 30 de julho de 2020 de: https://www.anatel.gov.br/paineis/acessos/ranking.

Bansal, P.; Jiang, G. F., & Jung, J. C. (2015). Managing responsibly in tough economic times: strategic and tactical CSR during the 2008-2009 global recession. Long Range Planning. 48 (1), 69-79. doi: 10.1016/j.lrp.2014.07.002.

Bizzo, W. A., & Andrade, V. F. (2018). Análise comparativa das normas de gestão de responsabilidade social e sua abrangência. Gestão & Produção. 25(4), 807-825. doi: 10.1590/0104-530x3866-18.

Bowen, H. R. (1953). Social Responsibilities of Businessman. Iowa City: University of Iowa Press.

Bustamente, M. A., Álvarez, A. J., Villalobos, M. E., & Lucero, M. I. (2020). Percepción de la calidad de vida laboral de los trabajadores de los centros de salud familiar de la zona central de Chile. Información Tecnológica. 31(3), 65-74. doi:10.4067/S0718-07642020000300065.

Camargo, B. V., & Justo, A. M. (2013). Iramuteq: Um Software Gratuito para Análise de Dados Textuais. Temas em Psicologia. 21(2), 513-518. doi: 10.9788/TP2013.2-16.

Carvalho, T. S., Mota, D. M., & Saab, F. (2020). Utilização do Software IRAMUTEQ na Análise de Contribuições da Sociedade em Processo Regulatório Conduzido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Revista Vigilância Sanitária em Debate. 8(1), 10-21. doi: 10.22239/2317-269x.01429.

Damart, S., & Ledunois, S. A. (2017). Management as an integrating activity – A comparative textual analysis of the work of Mary Parker Follet and Oliver Sheldon. Journal of Management History. 23(4), 452-470. doi:10.1108/JMH-04-2017-0023.

Elkington, J. (1998). Cannibals with forks: The triple bottom line of 21st century business. Environmental Quality Management. 8(1), 37-51. doi: 10.1002/tqem.3310080106.

Fernandes, M. A., Silva, D. R. A., Ibiapina, A. R. S., & Silva, J. S. (2018). Adoecimento mental e as relações com o trabalho: estudo com trabalhadores portadores de transtorno mental. Revista Brasileira de Medicina do Trabalho. 16(3), 277-286. doi: 10.5327/Z1679443520180110.

Fernández, L. V., Bertin, M. J., & Pineaur, F. V. (2014). Prácticas de responsabilidad social, reputación corporativa y desempeño financeiro. Revista de Administração de Empresas. 55(3), 329-334. doi: 10.1590/S0034-759020150308.

Goulart, G. S., Viana, M. M., & Cheung, T. L. (2020). Consumer perception towards familiar and innovative foods: the case of a Brazilian product. British Food Journal. Ahead of print. doi: 10.1108/BFJ-02-2020-0160.

Global Reporting Initiative (2020). About GRI. Recuperado em 02 de junho de 2020 de: https://www.globalreporting.org/information/about-gri/Pages/default.aspx.

Hernandez, M. I. S., Vazquez, D. G., Barcik, A., & Dziwinski, P. (2016). The Effect of the Internal Side of Social Responsibility on Firm Competitive Success in The Business Services Industry. Sustainability. 8(2), 217-231. doi:10.3390/su8020179.

International Organization for Standardization (1996). ISO 14001: 1996 – Abstract and General Information. Recuperado em 20 de maio de 2020 de: https://www.iso.org/standard/23142.html.

Índice de Sustentabilidade Empresarial (2020). O que é o ISE B3. Recuperado em 03 de junho de 2020 de: http://iseb3.com.br/o-que-e-o-ise.

Jhunior, R. O. S., & Vilela, N. G. (2018). Sustentabilidade ambiental, econômica e social: ações e práticas de pequenas e médias empresas brasileiras. Organizações & Sustentabilidade. 6(2), 59-71. doi: 10.5433/2318-9223.2018v6n2p59.

Kim, J.; Milliman, J., & Lucas, A. (2018). Effects of CSR on employee retention via identification and quality-of-work-life. International Jounal of Contemporary Hospitality Management. 32(3), 1163-1179. doi: 10.1108/IJCHM-06-2019-0573.

Lahlou, S. (2011). Text mining methods: an answer to Chartier e Meunier. Papers on Social Representations. 20(38), 1-7.

Madorran, C., & Garcia, T. (2014). Corporate social responsibility and financial performance: the spanish case. Revista de Administração de Empresas. 56(1), 20-28. doi: 10.1590/S0034-759020160103.

Mascarenhas, A. C. Q., & Barbosa, A. C. Q. (2019). Gestão de recursos humanos sustentável e responsabilidade socioambiental: uma agenda para debates. Revista de Administração de Empresas. 59(5), 353-364. doi:10.1590/S0034-759020190505.

Mariappanadar, S. (2020). Do HRM systems impose restricitions on empleyee quality of life? Evidence from a sustainable HRM perspective. Journal of Business Research. 118(1), 38-48. doi: 10.1016/j.jbusres.2020.06.039.

Maslow, R. (1943). A theory of human motivation. Psychological Review. 50(4), 370-396.

Mendes, F. R. P., Zangão, M. O. B., Gemito, M. L. G. P., & Serra, I. C. C. (2016). Representações sociais dos estudantes de enfermagem sobre assistência hospitalar e atenção primária. Revista Brasileira de Enfermagem. 69(2), 343-350. doi: 10.1590/0034-7167.2016690218i.

Mendes, A. M., Tonin, F. S., Buzzi, M. F., & Pontarolo, R. (2019). Mapping pharmacy journals: A lexicographic analysis. Research in Social and Administrative Pharmacy. 15(12), 1464-1471. doi: 10.1016/j.sapharm.2019.01.011.

Milne, M. J., Tregidga, H., & Walton, S. (2003). The triple bottom line: benchmarking New Zealand´s early reporters. University of Auckland Business Review. 5(2), 1-14.

Nazir, O., & Islam, J. U. (2020). Effect of CSR activities on meaningfulness, compassion, and employee engagement: A sense-making theoretical approach. International Journal of Hospitality Management. 90(1), 1-10. doi: 10.1016/j.ijhm.2020.102630.

Orsato, R. J., Garcia, A., Silva, W. M., Simonetti, R., & Monzoni, M. (2015). Sustainability Indexes: why join in? A study of the ‘Corporate Sustainability Index (ISE)’ in Brazil. Journal of Cleaner Production. 96(1), 161-170. doi: 10.1016/j.jclepro.2014.10.071.

Prodanov, C. C., & Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: Métodos e Técnicas de Pesquisa do Trabalho Acadêmico (2ª ed.). Novo Hamburgo: Feevale.

Qamari, I. N., Ferdinand, A. T., Dwiatmadja, C., & Yuniawan, A. (2020). Transformative interaction capability: the mediating role between quality of work life and teamwork performance. International Journal of Quality and Service Sciences. 2(12), 133-148. doi: 10.1108/IJQSS-01-2019-0008.

Robie, G. L. E., Rosini, A. M., & Oliveira, M. C. (2016). Qualidade de vida no trabalho no contexto da sustentabilidade: Um estudo bibliométrico. Connexio – Revista Científica da Escola de Gestão e Negócios – Universidade Potiguar.

(1).

Salviati, M. E. (2017). Manual do Aplicativo IRAMUTEQ. Recuperado em 09 de julho de 2020 de: http://www.iramuteq.org/documentation/fichiers/manual-do-aplicativo-iramuteq-par-maria-elisabeth-salviati.

Sakar, S., & Searcy, C. (2016). Zeitgeist os chamaleon? A quantitative analysis of CSR definitions. Journal of Cleaner Production. 135(1), 1423-1435. doi: 10.1016/j.jclepro.2016.06.157.

Shulz, S. A., & Flanigan, R. L. (2016). Developing competitive advantage using the triple bottom line: a conceptual framework. Journal of Business & Industrial Marketing. 31(4), 449-458. doi: 10.1108/JBIM-08-2014-0150.

Sierdovski, M., Stefano, S. R., & Andrade, S. M. (2020). Variáveis de qualidade de vida no trabalho como construto de análise do pilar social da sustentabilidade organizacional: Um estudo das práticas nas 150 melhores empresas para se trabalhar no Brasil. Organizações & Sustentabilidade. 8(1), 24-41. doi: 10.5433/2318-9223.2020v8n1p24.

Singhapakdi, A., Lee, D. J., Sirgy, M. J., & Senasu, K. (2015). The impact of incongruity between an organization´s CSR orientation and its employees´ CSR orientation on employee´s quality of work life. Journal of Business Research. 68(1), 60-66. doi:10.1016/j.jbusres.2014.05.007.

Sinval, J., Sirgy, M. J., Lee, D., & Marôco, J. (2019). The Quality of Work Life Scale: Validity Evidence from Brazil and Portugal. Applied Research Quality Life. Ahead of print. doi: 10.1007/s11482-019-09730-3.

Sirgy, M. J., Efraty, D., Siegel, P., & Lee, D. J. (2001). A New Measure of Quality of Work Life (QWL) based on Need Satisfaction and Spillover Theories. Social Indicators Research. 55(3), 241-302. doi:10.1023/A:1010986923468.

Sirgy, M. J., Reilly, N., Wu, J., & Efraty, D. (2008). A work-life identity model for well-being: Towards a research agenda linking quality of work life programs with quality of life. Applied Reseach Quality Life. 3(3), 181-202. doi:10.1007/s11482-008-9054-6

Sivaraman, A. (2020). Soft side of digital transformation: The connected employee. South Asian Journal of Human Resources Management. 7(1), 121-128. doi: 10.1177/2322093720919336.

Uesangkomsate, P. (2019). Exploring green logistics management in Thai small and medium-sized food exporters. Proceedings of IEEE International Conference on Industrial Engineering and Engineering Management, Macau. 194-198. doi: 10.1109/IEEM44572.2019.8978917

Wardani, L. M. I., & Anvar, M. S. (2019). The role of quality of work life as mediator: psychological capital and work engagement. Humanities & Social Sciences Reviews. 7(6), 447-463. doi:10.18510/hssr.2019.7670.

World Comissionon Environmentand Development (1987). Our Common Future - Brundtland Comission. Oxford: Oxford University Press.

Publicado

2021-05-03

Como Citar

Agostinho, O. L. ., Pinto, J. de S. ., & Gibbin, R. V. (2021). ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO NO SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES BRASILEIRO: ANALYSIS OF QUALITY OF WORK LIFE IN THE BRAZILIAN TELECOMMUNICATIONS SECTOR. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 7(2), 31–47. https://doi.org/10.47456/bjpe.v7i2.34855