A fotografia de Luiz Braga como encantaria da imagem

Autores

  • Thiago Guimarães Azevedo Universidade Federal do Pará

Palavras-chave:

Luiz Braga, Imaginário, Cultura Amazônica

Resumo

O presente artigo visa apresentar o fotógrafo paraense Luiz Braga dentro de uma perspectiva que reflete sua imagem a partir do imaginário amazônico, construído por sua relação com o espaço. Por meio de diversas referências, abre ao expectador uma relação memorial entre o fotógrafo e seus fotografados. Sua produção extrapola o visual, pois ora são percebidas como documento etnográfico do cotidiano, ora estão num universo mítico e encantado de uma Amazônia que existe no discurso do imaginário de seu povo. Como método trabalhou-se de forma documental e com realização entrevistas realizadas com o artista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thiago Guimarães Azevedo, Universidade Federal do Pará

Professor Auxiliar no curso de Design da Universidade do Estado do Pará Doutorando em Artes pelo PPGARTES/UFPA, Mestre em Artes pelo Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Pará - UFPA, possui MBA em Marketing pela Universidade da Amazônia - UNAMA e graduação em Bacharel em Design com Habilitação em Produtos pela Universidade do Estado do Pará (2006). Membro do grupo de pesquisa: Desenvolvimento de Produtos com Materiais Amazônicos - DEPROMA. Tem experiência na área de Desenho Industrial, com ênfase em Desenho de Produto, atuando principalmente nos seguintes temas: design, educação do design, arte, artesanato, marketing, imagem e cibercultura.

Referências

BARTHES, Roland. A câmara clara: nota sobre a fotografia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

BELTING, Hans. Por uma antropologia da imagem. In: Revista Concinnitas n. 8. Rio de Janeiro, 2005, p. 65-78.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BRAGA, Luiz. Luiz Braga. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

___. Retumbante Natureza Humanizada. São Paulo: Sesc Pinheiros, 2014

___. Retumbante Natureza Humanizada. Belém: Secult, 2016.

CASTRO, Fábio Fonseca de. Entre o mito e a fronteira. Belém: Labor Editorial, 2011.

CHIODETTO, Eder. Luiz Braga. Rio de Janeiro: Cobogó, 2014.

DOSSE, François. O Desafio Biográfico: Escrever uma vida. 2 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

ECO, Umberto. Estrutura ausente: introdução à pesquisa semiológica. São Paulo: Perspectiva, 2013.

LEVI, Giovani. Usos da Biografia. In. AMADO, Janaína e FERREIRA, Moraes (orgs). Usos & Abusos da história oral. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getulio Vargas, 1998.

MELLEIRO, Marta Maria e GUALDA, Dulce Maria Rosa. O método biográfico interpretativo na compreensão de experiências e expressões de gestantes usuárias de um serviço de saúde. In. Rev. Esc. Enferm USP, 2003, vol 37, ano 4, 2003. p. 69-76. Disponível em < https://www.scielo.br/pdf/reeusp/v37n4/08.pdf >. Acesso em 18 de agosto de 2018.

PAES LOUREIRO, João de Jesus. Fontes do Olhar. In Herkenhoff, Paulo. Amazônia Ciclos de Modernidade, 2012. p. 81. Disponível em <http://www.bb.com.br/docs/pub/inst/dwn/AmazoniaCiclosModer.pdf>. Acesso em 01 de julho de 2018.

___. Cultura Amazônica: uma poética do imaginário. Belém: Cultural Brasil, 2015.

___. A conversão semiótica: na arte e na cultura. Belém: EDUFPA, 2007.

___. Epifanias e Encantarias na Fotografia de Luiz Braga. In: Claudia Kahwage; Sandro Ruggeri. (Org.). Imagem e Pesquisa na Amazônia: Ferramentas de Compreensão da Realidade. 1 ed. Belém: Alves Gráfica E Editora, 2007, V. 1, P. 168-183.

PERSICHETTI, Simonetta. Imagens da fotografia brasileira, volume I. São Paulo: Estação Liberdade: Editora SENAC São Paulo, 2000.

ROUILLÉ, André. A fotografia entre o documento e a arte contemporânea. São Paulo: Editora Senac, 2009.

SOULAGES, François. Estética da fotografia: perda e permanência. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010.

Downloads

Publicado

2020-08-15

Como Citar

Azevedo, T. G. (2020). A fotografia de Luiz Braga como encantaria da imagem. Revista Do Colóquio, (18), 30–52. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/colartes/article/view/28434