Rotulação na perspectiva do modelo dialogal da argumentação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i31.35483

Palavras-chave:

rotulação, interação argumentativa, modelo dialogal, estase, roda viva

Resumo

Este trabalho propõe o estudo da rotulação, a partir da retomada e antecipação, na interação argumentativa, à luz do modelo dialogal da argumentação. O objetivo é verificar se a rotulação, ao realizar os movimentos de retomada e antecipação, pode se constituir como um recurso não apenas linguístico, como também argumentativo. A ancoragem teórica parte de dois campos de estudos: a Linguística Textual e a Argumentação. A primeira com foco no processo de rotulação (FRANCIS, [1994] 2003; CONTE, [1996] 2003; CARVALHO, 2005; KOCH, 2006; 2011; ALVES JUNIOR, 2011) e a segunda a partir dos estudos do modelo dialogal da argumentação (PLANTIN, 2008; 2018; GRÁCIO, 2010; 2012; 2013; DAMASCENO-MORAIS, 2017; 2020; 2021). Além dessas duas perspectivas teóricas principais, foram mobilizados alguns pressupostos da Análise Conversacional (SACKS; SCHEGLOFF; JEFFERSON, 1974; KERBRATORECCHIONI, 2006; MARCUSCHI, [1986] 2003; KERBRAT-ORECCHIONI; PLANTIN, 1995; FÁVERO et al., 2010) assimilados e adaptados pela perspectiva dialogal da argumentação. O breve corpus selecionado para é constituído por um recorte da entrevista com Ricardo Salles realizada pelo programa televisivo Roda Viva, em 2019. A descrição e análise da entrevista, a partir de uma abordagem qualitativa, lança mão de preceitos do modelo dialogal para proporcionar um recorte original de análise, como proposto pela presente chamada à publicação. A partir da empreitada analítica ora apresentada, observou-se ostensiva relação entre a retomada e a antecipação com o surgimento da estase argumentativa na interação entre entrevistado e entrevistadores do programa Roda Viva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nádia Vieira Simão, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Mestra em Letras e Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística da Universidade Federal de Goiás.

Rubens Damasceno-Morais, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Professor Doutor em dedicação exclusiva pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Integra a linha de pesquisa de pós-graduação Língua, Texto, Discurso (PPGLL/UFG). Membro do Grupo de Pesquisa: Estudos de Linguagem, Argumentação e Discurso ELAD e coordenador do Grupo de Pesquisa Teorias de Argumentação e Retórica (TEAR).

Referências

ALVES JUNIOR, M. A. A estratégia discursiva da rotulação: léxico, argumentação e textualidade. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011.

BRIZ, A. Turno y alternancia de turno de la conversación. Revista Argentina de Lingüística, v. 16, p. 9-32, 2000.

CARVALHO, M. A. F. O funcionamento textual-discursivo dos rótulos em artigos de opinião. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 191-228.

CAVALCANTE, M. M. Abordagens da argumentação nos estudos de Linguística Textual. ReVEL, edição especial, v. 14, n. 12, p. 106-124, 2016. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/ea45a0fb01f8dde37a9435628505a55d.pdf. Acesso em: 22 fev. 2020.

CIULLA, A. Os processos de referência e suas funções discursivas: o universo literário dos contos. 201 f. Tese (Doutorado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2008.

CIULLA, A.; MATOS, J. G. Os processos de recategorização na construção avaliativo-argumentativa do texto. ReVEL, edição especial, v. 14, n. 12, p. 258-277, 2016. Disponível em: http://www.revel.inf.br/files/af73ab200876e6eabc0845965c435b90.pdf#:~:text=Al%C3%A9m%20disso%2C%20a%20nosso%20ver,%C3%A0%20condu%C3%A7%C3%A3o%20argumentativa%20dos%20enunciados. Acesso em: 22 fev. 2020.

CONTE, M.-E. Encapsulamento anafórico. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003 [1996]. p. 177-190.

CORTEZ, S. L. Processos referenciais e argumentação emocionada: do pathos à construção do ponto de vista. Organon, v. 33, n. 64, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.22456/2238-8915.81609. Acesso em: 4 mar. 2020.

DAMASCENO-MORAIS, R. O redirecionamento dos papéis de atuação em campo jurídico. In: OLÍMPIO-FERREIRA, M.; GRÁCIO, R. A. (Orgs.). Retórica e Comunicação Multidimensional. 1. ed. Coimbra: Rui Grácio Editor, 2017. v. 1. p. 143-159.

DAMASCENO-MORAIS, R. Dialogando com a perspectiva dialogal da argumentação. In: PIRIS, E. L.; SOARES RODRIGUES, M. G. (Orgs.). Estudos sobre argumentação no Brasil hoje: modelos teóricos e analíticos. Natal: EDUFRN, 2020. p. 143-170.

DAMASCENO-MORAIS, R. O carpinteiro e a madeira: a constituição de corpora jurídicos em perspectiva etnometodológica. Revista de Estudos da Linguagem, v. 29. n. 2, p. 673-709, 2021.

DOURY, M. La position du chercheur en argumentation. Revue Sémen, n. 17, 2004. Consultado em 15 de jun. 2021. Disponível em http://journals.openedition.org/semen/2345.

DUCROT, O.; CAREL, M. Les propriétés linguistiques du parodoxe: paradoxe et négation. Langue Française, Paris, Larousse, v. 123, p. 27-40, 1999.

ESTEVAM, H. Referenciação e argumentação: a construção dos objetos de discurso em textos argumentativos de alunos do Ensino Fundamental II. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

ESTEVES, L. B. Funções discursivas dos processos referenciais de encapsulamento em artigos de opinião. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.

FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L. C. V. O. Os processos de representação da imagem pública nas entrevistas. In: PRETI, D. (Org.). Estudos de língua falada: variações e confrontos. São Paulo: Humanitas, 1998. p. 153-177.

FÁVERO, L. L. et al. Interação em diferentes contextos. In: BENTES, A. C.; LEITE, M. Q. (Orgs.). Linguística de textos e análise da conversação: panorama das pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010, p. 91-158.

FÁVERO, L. L.; ANDRADE, M. L.; AQUINO, Z. G. O. Discurso e Interação: a Reformulação nas Entrevistas. DELTA, São Paulo, v. 14, n. esp., 1998. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-44501998000300008&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 3 fev. 2020.

FRANCIS, G. Rotulação do discurso: um aspecto da coesão lexical de grupos nominais. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Orgs.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003 [1994]. p. 191-228.

FUMO, P. P. Referenciação e argumentação no ensino do português em Moçambique. São Paulo: Pontes Editores, 2020.

GALEMBECK, P. T. “O turno conversacional”. In: PRETI, D. (Org.). Análise de textos orais. São Paulo: Humanitas, 2003.

GALEMBECK, P. T.; SILVA, L. A.; ROSA, M. M. O turno conversacional. In: PRETI, D.; URBANO, H. (Orgs.). A linguagem falada culta na cidade de São Paulo. São Paulo: T. A. Queiroz/Fapesp, 1990. p. 45-90.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. (Orgs.). Métodos de pesquisa. Coordenado pela Universidade Aberta do Brasil – UAB/UFRGS e pelo Curso de Graduação Tecnológica – Planejamento e Gestão para o Desenvolvimento Rural da SEAD/UFRGS. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GRÁCIO, R. A. A interacção argumentativa. Coimbra: Grácio Editor, 2010.

GRÁCIO, R. A. Fenomenologia, hermenêutica, retórica e argumentação. Coimbra: Grácio editor, 2011.

GRÁCIO, R. A. Teorias da argumentação. Coimbra: Grácio Editor, 2012.

GRÁCIO, R. A. Vocabulário Crítico da argumentação. Coimbra: Grácio Editor, 2013.

GRÁCIO, R. A. Filosofia da argumentação. Uma arte da hospitalidade voltada para a coexistência: argumentação, contingência e pedagogia da incerteza. Coimbra: Grácio Editor, 2019.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Análise da conversação: princípios e métodos. São Paulo: Parábola, 2006.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Les interactions verbales. Paris: Armand Colin, 1990.

KERBRAT-ORECCHIONI, C.; PLANTIN, C. (Orgs.). Le trilogue. Lyon: Université de Lyon 2, 1995.

KOCH, I. G. V. Rotulação: uma estratégia textual de construção do sentido. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 4, n. 2, p. 85-89, 2006.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 6. ed., São Paulo: Cortez, 2009.

KOCH, I. G. V. Argumentação e linguagem. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

KOCH, I. G. V. As tramas do texto. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2014.

MARCUSCHI, L. A. Análise da conversação. São Paulo: Ática, 2003 [1986].

MOESCHLER, J. Argumentation et conversation. 1985.

PALUMBO, R. Referenciação e argumentação: a dinâmica nas orientações argumentativas em debates políticos televisivos. Dissertação (Mestrado em Filologia e Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

PALUMBO, R. Referenciação, metáfora e argumentação no discurso presidencial. Tese (Doutorado em Filologia e Língua Portuguesa) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

PLANTIN, C. A argumentação: história, teorias, perspectivas. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PLANTIN, C. Deixem dizer: A norma do discurso de um está no discurso do outro. Revista Comunicação e Sociedade, n. 16, p. 145-161, 2009.

PLANTIN, C. Dictionary of argumentation – an introduction to argumentation studies. UK: College Publications, 2018.

SABAINI, M. T. Os processos de referenciação em textos argumentativos. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, 2012.

SACKS, H.; SCHEGLOFF, E. A.; JEFFERSON, G. A simplest systematics for the organization of turn-taking for conversation. Language, n. 50, p. 696-735, 1974.

SALES, T. Y. N. Processos referenciais em charges de jornais cearenses sob o aspecto multimodal. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017.

SILVA, W. B. A relação entre referenciação e argumentação. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2008.

SILVA, W. B. A referenciação em textos verbo-imagéticos. Tese (Doutorado em Linguística Letras e Artes) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2014.

SILVA FILHO, V.; RODRIGUES, R. H. Referenciação e orientação argumentativa em uma matéria jornalística. Linguagem & Ensino, Pelotas, v. 14, n. 2, p.503-528, 2011.

VAN EEMEREN, F. H. et al. Handbook of Argumentation Theory. 1. ed. Dordrecht: Springer Reference, 2014.

VAN EEMEREN, F. H.; GROOTENDORST, R. Les sophismes dans une perspective pragmatico-dialectique. In: LEMPEREUR, A. L’argumentation. Liége: Mardaga, 1991.

Downloads

Publicado

2021-10-03