Argumentação e impolidez

o post nas instâncias da interação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i31.35662

Palavras-chave:

Argumentação, Impolidez, Interação, Contextos sociais digitais, Facebook

Resumo

A partir da convergência teórica dos estudos de (im)polidez e de argumentação, este artigo busca analisar estratégias linguístico-discursivas (im)polidas que subjazem aos posicionamentos dos leitores que opinam, no Facebook, sobre a notícia “Moradores de rua se casam em avenida de BH”. Para a construção da base teórica, convocam-se trabalhos afiliados aos estudos da (im)polidez (LAKOFF, 1973; LEECH, 1983; BROWN; LEVINSON, 1987; CULPEPER, 1996) e da argumentação (ROULET, 1989; AMOSSY, 2000; 2009; 2017; RODRIGUES, 2011). Sob a orientação de um paradigma qualitativo, foram analisados 22 comentários referentes à referida notícia, veiculada em 2019 no Facebook do Portal G1. Como resultados, percebeu-se, no corpus, que as interlocuções foram permeadas por diversas estratégias linguístico-discursivas que visavam a ridicularizar o casamento coletivo realizado em Belo Horizonte (BH), revelando um discurso marcadamente agressivo e impolido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Albuquerque, Universidade de Brasília (UnB)

Professor do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas da Universidade de Brasília, onde atua, da graduação à pós-graduação, nas áreas de sociolinguística interacional, pragmática, linguística de texto, com ênfase no ensino de língua portuguesa tanto como língua materna quanto como língua adicional. Pós-doutorado na Universidade Federal de Goiás, sob a supervisão da Profa. Dra. Joana Plaza Pinto. Membro do GT de Linguística de Texto e Análise da Conversação da ANPOLL.

Isabel Roboredo Seara, Universidade Aberta

Professora do Departamento de Humanidades e coordenadora do Mestrado em Estudos de Língua Portuguesa e do Doutoramento em Didática das Línguas Multilinguismo e Educação para a Cidadania Global, uma parceria da FCSH – Universidade Nova de Lisboa e Universidade Aberta. Investigadora integrada do Centro de Linguística da Universidade Nova de Lisboa e colaboradora do Grupo de Investigação Pragmática. Discurso. Cognição (PraDiC) do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho. Coordena o projeto DIGITHUM (Digital Humanities) do Laboratório de Educação a Distância e e-learning (LeaD). Doutorada em Linguística Portuguesa, desenvolve trabalho de investigação no âmbito dos estudos de pragmática, análise do discurso, retórica, epistolografia, privilegiando igualmente os estudos de comunicação mediada por computador, nomeadamente os efeitos sociais e linguísticos das tecnologias digitais.

Leonor Werneck dos Santos, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)

Professora Titular de Língua Portuguesa da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde atua desde 1995, com Mestrado e Doutorado pela mesma instituição. Pós-doutorado na Universidade Aberta-Portugal, sob a supervisão da Profa. Dra. Isabel Roboredo Seara (2018), e na Universidade Federal do Ceará, sob a supervisão da Profa. Dra. Mônica Cavalcante/UFC (2013), com Bolsa Pós-Doutorado Sênior do CNPq. Ex-professora de ensino fundamental e médio (Colégio Pedro II, rede municipal e particular do Rio de Janeiro). Membro do GT de Linguística de Texto e Análise da Conversação da ANPOLL.

Micheline Mattedi Tomazi, Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes)

Professora Associada da Universidade Federal do Espírito Santo, onde atua desde 2009, com Mestrado em Língua Portuguesa pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e Doutorado em Linguística pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Pós-doutorado na Universidade Pompeu Fabra, Barcelona, Espanha, concluído em 2019, sob a supervisão do Prof. Dr. Teun A. van Dijk e Pós-doutorado na Universidade Federal de Minas Gerais, sob a supervisão da Profa. Dra. Janice Marinho, concluído em 2014. Membro do GT de Linguística do Texto e Análise da Conversação da ANPOLL e líder do Grupo de Estudos sobre Discursos da Mídia (GEDIM).

Referências

AMOSSY, R. L’argumentation dans le discours. Paris: Armand Colin, 2000.

AMOSSY, R. Argumentation in Discourse: A Socio-discursive approach to arguments. OSSA Conference Archive. 1. 2009. Disponível em: https://scholar.uwindsor.ca/ossaarchive/OSSA8/keynotes/1. Acesso em: 15 maio 2021.

AMOSSY, R. Apologia da polêmica. São Paulo: Contexto, 2017.

ANGENOT, M. Dialogues de sourds. Traité de rhétorique antilogique. Paris: Mille et une nuits, 2008.

BALOCCO, A. E.; SHEPHERD, T. M. G. A violência verbal em comentários eletrônicos: um estudo discursivo-interacional. D.E.L.T.A., v. 33, n. 4, p. 1013-1037, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-44506536361317067. Acesso em: 15 maio 2021.

BLITVICH, P. G-C.; SIFIANOU, M. Im/politeness and discursive pragmatics. Journal of Pragmatics, v. 145, p. 91-101, 2019.

BRIZ, A. Cortesía verbal codificada y cortesía verbal interpretada. In: BRAVO, D.; BRIZ, A. (eds.). Pragmática sociocultural: estudios sobre el discurso de cortesía en español. Barcelona: Ariel, 2004.

BROWN, P.; LEVINSON, S. C. Politeness: Some Universals in Language Usage. Cambridge: University Press, 1987.

CABRAL, A. L. T; LIMA, N. V. Argumentação e polêmica nas redes sociais: o papel de violência verbal. Signo, v. 42, n. 73, p. 86-97, 2017.

CARVALHEIRO, J. R.; PRIOR, H.; MORAIS, R. Público, privado e representação online. In: CARVALHEIRO, J. R. (Coord.). A nova fluidez de uma velha dicotomia: público e privado nas comunicações móveis. Covilhã: LabCom, 2015. p. 7-27.

CHIZZOTTI, A. A pesquisa qualitativa em ciências humanas e sociais: evolução e desafios. Revista Portuguesa de Educação, v. 16, n. 2, p. 221-236, 2003.

CULPEPER, J. Towards an anatomy of impoliteness. Journal of Pragmatics, v. 25, p. 349-367, 1996.

CULPEPER, J. Impoliteness and entertainment in television quiz show: the weakest link. Journal of Politeness Research, v. 1, p. 35-72, 2005.

FONSECA, J. Heterogeneidade na língua e no discurso. FONSECA, J. Linguística e Texto: Teoria, descrição, aplicação. Lisboa: ICALP, 1992. p. 249-292.

GAUTHIER, G. L’argumentation périphérique dans la communication politique: le cas del’argument ad hominem. Hermès, v. 16, n. 2, p. 167-185, 1995.

GOFFMAN, E. Interaction Ritual: essays on face-to-face behavior. UK: Penguin University Books, 1967.

GRICE, H. P. Logic and Conversation. In: JAWORSKI, A.; COUPLAND, N. (Eds.). The Discourse Reader. 2. ed. USA: Routledge, 2006 [1975]. p. 66-77.

HAUGH, M.; CULPEPER, J. Integrative pragmatics and (im)politeness theory. In: ILIE, C.; NORRICK, N. R. (Eds.). Pragmatics and its Interfaces. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2018. p. 213-239.

ILIE, C. Unparliamentary Language: insults as congnitive formas of ideological confrontation. In: DIRVEN, R.; ROSLYN, F.; ILIE, C. (Orgs). Language and Ideology. vol. II. Amsterdam: John Benjamins, 2001. p. 238-261.

KERBRAT-ORECCHIONI, C. Análise da Conversação. São Paulo: Parábola, 2006.

LAKOFF, R. T. The logic of politeness; or, minding your p’s and q’s. In: CORUM, C. et al. (Eds.). Papers from the Ninth Regional Meeting of the Chicago Linguistic Society, p. 292-305, 1973.

LEECH, G. Principles of Pragmatics. London: Longman, 1983.

LEECH, G. The Pragmatics of Politeness. New York: Oxford University Press, 2014.

LOCHER, M.; WATTS, R. Relational work and impoliteness: Negotiating norms and linguistic behaviour. In: BOUSFIELD, D.; LOCHER, M. (eds.). Impoliteness in Language. Studies on its Interplay with Power in Theory and Practice. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 2008. p. 77-99.

MASON, J. Qualitative Researching. 2. ed. London, Thousand Oaks & New Delhi: SAGE, 2002.

MOESCHLER, J. Dire et contradire. Pragmatique de la négation et acte de réfutation dans la conversation. Berne: Peter Lang, 1982.

PERELMAN, C.; OLBRECHTS-TYTECA, L. Traité de l’argumentation. La nouvelle rhétorique. Bruxelles: Presses de l’Université Libre de Bruxelles, 1970 [1958].

PLANTIN, C. Le trilogue argumentatif. Présentation de modèle, analyse de cas, Langue Française, v. 112, p. 9-30, 1996.

RODRIGUES, M. das G. S. Ponto de vista emocionado no gênero discursivo comentário on-line – violência verbal. Linha D’Água, v. 34, n. 1, p. 13-28, 2021.

RODRIGUES, S.V. Estrutura e Funcionamento da interação verbal polémica. Contribut para o estudo da polemicidade em Camilo Castelo Branco. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2011.

ROULET, E. Une forme peu étudiée de’échange agonal: la controverse. Cahiers de Praxématique, v. 13, n. 3 pp. 7-18, 1989.

TERKOURAFI, M. Beyond the micro-level in politeness research. Journal of Politeness Research, v. 1, n. 2, p. 237-263, 2005.

THOMPSON, J. B. A interação mediada na era digital. Matrizes, v. 12, n. 3, p. 17-44, 2018.

THOMPSON, J. B. The media and modernity: a social theory of the media. Cambridge: Polity, 1995.

VAN EEMEREN, F. H.; GROOTENDORST, R. Speech Acts in Argumentative Discussions. A theoretical model for the analysis of discussions directed towards solving conflicts of opinion. Dordrecht: Foris Publications, 1984.

VAN EEMEREN, F. H.; GROOTENDORST, R. Argumentation, communication and fallacies. A pragma-dialectical perspective. New Jersey: Lawrence Erlbaum Ass. Publishers, 1992.

Downloads

Publicado

2021-10-03