Representações discursivas de Lula

uma análise da referenciação no texto das capas da revista Época

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i31.35680

Palavras-chave:

Representações discursivas, Referenciação, Revista Época, Lula

Resumo

Este artigo objetiva analisar a referenciação e a multimodalidade para a (re)construção das Representações discursivas (Rds) de Lula em capas da revista Época. Através de uma pesquisa de abordagem qualitativa com apoio quantitativo, amparamo-nos na Análise Textual dos Discursos, proposta por Adam (2011), com vista a descrever e interpretar a referenciação e seus modificadores, através da categorização e recategorização do tema tratado “Lula”. O corpus analisado é constituído por dezessete capas da revista Época, coletadas entre 2002 e 2010. Nossos resultados permitem afirmar que a Época constrói Rds de “Lula” como um candidato que chega à presidência da República, que enfrenta problemas relacionados à sua carreira política, mas que, mesmo assim, é um homem de família que representa a nação brasileira e seu sonho de mudança. Ressaltamos que a análise realizada pressupõe a co(n)textualização dos sentidos, o que nos remeteu, por vezes, ao composto verbo-visual para uma interpretação mais assertiva das Rds do objeto de discurso “Lula”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucélio Dantas de Aquino, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN); mestre em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN); especialista em Tecnologias Educacionais pela UFRN; licenciado em Letras - Habilitação em Língua Portuguesa e suas respectivas Literaturas pela UERN. É professor na UFRN, atuando no Instituto Metrópole Digital, no Programa de Mestrado Profissional em Letras e no Programa de Pós-Graduação em Inovação em Tecnologias Educacionais.

Alexandro Teixeira Gomes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutor em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), com doutorado sanduíche na Universidade de Barcelona-Espanha; mestre em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC) e licenciado em Letras Português/Espanhol e Literaturas pela UFC. É professor na UFRN, atuando na Faculdade de Engenharia, Letras e Ciências Sociais do Seridó, no Programa de Mestrado Profissional em Letras e no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem.

Referências

ADAM, J.-M. A linguística textual: uma introdução à análise textual dos discursos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

AQUINO, L. D. Representações discursivas de Lula nas capas das revistas Época e Veja. 2015. 230 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2015.

BRAIT, B. Práticas discursivas e a esfera publicitária. In: MICHELETTI, G. (Org.). Enunciação e gêneros discursivos. São Paulo: Cortez, 2008. p. 15-27.

CASTILHO, A. T. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

CAVALCANTE, M. M. Referenciação: sobre coisas ditas e não ditas. Fortaleza: Edições UFC, 2011.

CAVALCANTE, M. M. et al. Coerência e referenciação. In: MARQUESI, S. C.; PAULIUKONIS, A. L.; ELIAS, V. M. Linguística textual e ensino. São Paulo: Contexto, 2017. p. 91-107.

ILARI, R. Introdução à semântica: brincando com a gramática. São Paulo: Contexto, 2009.

KOCH, I. G. V. Linguagem e cognição: a construção e reconstrução de objetos-de-discurso. Revista de Estudos Linguísticos Veredas, Juiz de Fora, v. 6, n. 1, p. 29-42, 2002. Disponível em: http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2009/12/cap022.pdf. Acesso em: 12 jun. 2014.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

KOCH, I. G. V. Introdução à linguística textual: trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009. (Coleção Linguagem).

MARCUSCHI, L. A. Linguística de texto: o que é e como se faz?. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2009 [1983]. (Coleção Luiz Antonio Marcuschi).

NEVES, M. H. M. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2011.

PASSEGGI, L. et al. As representações discursivas na pesquisa autobiográfica: uma metodologia de análise semântica. In: ABRAHÃO, M. H. M. B.; PASSEGGI, M. C. (Orgs.). Dimensões epistemológicas e metodológicas da pesquisa (auto)biográfica: tomo I. Natal: EDUFRN; Porto Alegre: EDIPURCS; Salvador: EDUNEB, 2012. p. 231-252.

QUEIROZ, M. E. Representações discursivas no discurso político. “não me fiz sigla e legenda por acaso”: o discurso de renúncia do senador Antonio Carlos Magalhães (30/05/2001). 2013. 187 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2013.

RODRIGUES, M. G. S.; PASSEGGI, L.; SILVA NETO, J. G. “Voltarei. O povo me absolverá...”: a construção de um discurso político de renúncia. In: ADAM, J.-M. et al. Análises textuais e discursivas: metodologia e aplicações. São Paulo: Cortez, 2010, p. 150-195.

RODRIGUES, M. G. S. et al. A carta-testamento de Getúlio Vargas (1882-1954): genericidade e organização textual no discurso político. Filologia e linguística portuguesa, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 224-232, 2012.

SCALZO, M. Jornalismo de revista. 4. ed. rev. e atual. São Paulo: Contexto, 2011.

Downloads

Publicado

2021-10-03