Uma escuta das migrações, músicos haitianos e performances em deslocamento

Autores

  • Daniel Stringini UNIRIO

DOI:

https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.35192

Palavras-chave:

músicos haitianos, migração haitiana, etnomusicologia, escuta

Resumo

Em diálogo com o trabalho de músicos e coletivos haitianos no Sul do Brasil, proponho uma escuta da cidade a partir da escuta destes fluxos migratórios. Acompanhando a trajetória e deslocamento de músicos e de suas músicas ao longo da cidade, reflito sobre os encontros e tensões entre “mundos sonoros migrantes” e “mundos sonoros locais”. Sugiro que frentes musicais negras e migrantes em uma cidade majoritariamente branca têm produzido novas situações, apontado questionamentos e rearranjado territórios urbanos.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Stringini, UNIRIO

Doutorando em Musicologia/Etnomusicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro com pesquisa na temática Práticas Sonoras em Fluxos Migratórios Contemporâneos. Mestre em Etnomusicologia/Musicologia pelo Programa de Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), orientado pelo etnomusicólogo Drº Reginaldo Gil Braga, recebendo bolsa do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Licenciado em Música pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), 2008-2012, tendo sido Bolsista de Iniciação Científica do grupo FAPEM: Formação, Ação e Pesquisa em Educação Musical, sob orientação da Drª Claudia Ribeiro Bellochio. Integra o Núcleo de Etnomusicologia da UFRGS - ETNOMUS UFRGS - Núcleo de Estudos em Música do Brasil e América Latina, coordenado pelo etnomusicólogo Drº Reginaldo Gil Braga. Integra o projeto de extensão Cultura Popular e Universidade: Saberes em Diálogo, do curso de Música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), coordenado pelo etnomusicólogo Drº Vincenzo Cambria.

Referências

ARAUJO, Samuel. Entre muros, grades e blindados; trabalho acústico e práxis sonora na sociedade pós-industrial. El oído pensante 1 (1). 2013. Disponível em: http://ppct.caicyt.gov.ar/index.php/oidopensante. Acessado em: 20 de mar. de 2021.

___ et allí. A violência como conceito na pesquisa musical, reflexões sobre uma experiência dialógica na Maré. Transcultural Music Review 10, 2006. Disponível em: www.sibetrans.com/trans/trans10araujo.htm. Acessado em: 20 de mar. de 2021.

BAILY, John. So Near, So Far: Kabul’s Music in Exile. Ethnomusicology Forum, vol.14, n.º2, 2005, pp.213-33.

CHALCRAFT, Jasper; SEGARRA, Josep Juan; HIKIJI, Rose Satiko Gitirana. Bagagem Desfeita: A Experiência Da imigração Por Artistas Congoleses. GIS - Gesto, Imagem E Som - Revista De Antropologia 2 (1). São Paulo, Brasil, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2525-3123.gis.2017.129448. Acessado em: 20 de mar. de 2021.

CHERNOFF, J. M. The relevance of ethnomusicology to anthropology: strategies of inquiry and interpretation. Em: DjeDje, Jacqueline (ed.) African musicology: current trends. Los Angeles, Univ. of California Press, v.1, 1989, p. 59-92.

CUSICK, Suzanne G. 2006. Music as torture/Music as weapon. Transcultural Music Review 10. Disponível em: www.sibetrans.com/trans/trans10/cusik.htm Acessado em: 10 de mar. de 2021.

DIEME, Kassoum. O Haiti e suas migrações. BERSANI, Ana Elisa; JOSEPH, Handerson (org.). Dinâmicas migratórias haitianas no Brasil: desafios e contribuições. Temáticas: Revista dos pós graduandos em Ciências Sociais. IFCH/UNICAMP, n.49/50, 2017, pp.17-48.

EWELL, Philip. Music Theory and the White Racial Frame. Music Theory Online, vol. 26, n.2, s/n, set. 2020. Disponível em: https://mtosmt.org/issues/mto.20.26.2/mto.20.26.2.ewell.html?fbclid=IwAR1dSc4pSk6bBaW79vRFPJbLFMF1tXsr79t4iSorWnm_OU3lpJ9EnWGcd20. Acessado em: 25 de mar. de 2021.

GLISSANT, Édouard. Poetics of Relation. University of Michigan Press, 1990.

GOODMAN, Steve. Sonic Warfare: Sound, Affect, and the Ecology of Fear. Cambridge: The MIT Press, 2010.

HASS, Monica. O linchamento que muitos querem esquecer: Chapecó, 1950-1956. Argos Editora, Chapecó, SC. 2013.

HEMETEK, Ursula. Mundos musicais inesperados de Viena: imigração e música. Em: CÔRTE REAL, Maria de São José (org.), Revista Migrações – Número Temático Música e Migração, n.7, Lisboa: ACIDI, out.2010, pp.119-146.

HOFMAN, Ana; SRDAN, Atanasovski. Sonic memory interventions against politics of urban silencing. МУЗИКОЛОГИЈА / Musicology. v.22, 2017.

INGOLD, Tim. Against Soundscape. In: CARLYLE, Angus (ed.), Autumn Leaves: Sound and the Environment in Artistic Practice. Paris: Double Entendre, 2008, p.10-13.

JOSEPH, Handerson. Diáspora. Sentidos sociais e mobilidades haitianas. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 21, n. 43, p. 51-78, jan./jun. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-71832015000100003 Acessado em: 10 de abr. De 2021.

___. Diáspora. NEIBURG, Federico (Org). Conversas etnográficas haitianas. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens Edições, 2017, pp.190-215.

KUN, Josh. The aesthetics of allá: listening like a sonidero. Em: RADANO, Ronald; OLANIYAN, Tejumola (org.). Audible Impire: music, global politics, critique. Duke University Press, Durham, London, 2016, p.95-116.

LA BARRE, Jorge de. A outra afinação do mundo: os territórios sonoros. Revista Interfaces 16 (1), 2012, 117-127.

LÜHNING, Angela; TUGNY, Rosângela Pereira de (Org.). Etnomusicologia no Brasil. Salvador: EDUFBA, 2016.

MEZZADRA, Sandro. Multidão e migrações: a autonomia dos migrantes. ECO-PÓS, UFRJ, v.15, n.2, 2012. Disponível em: https://revistaecopos.eco.ufrj.br/eco_pos/article/view/900. Acessado em: 10 de abr. de 2021.

MEZZADRA, Sandro; NEILSEN, Bret. Borders as Method, or, the Multiplication of Labour. Durham, North Carolina: Duke University Press, 2013.

OCHOA, Ana Maria. A manera de introducción: la materialidad de lo musical y su relación con la violencia. Dossier Música, silencios e silenciamentos: música, violencia y experiencia cotidiana. Revista da Sociedad de Etnomusicología, TRANS, v.10, 2006. Disponível em: https://www.sibetrans.com/trans/articulo/142/a-manera-de-introduccion-la-materialidad-de-lo-musical-y-su-relacion-con-la-violencia. Acessado em: 05 de abr. de 2021.

QUEIROZ, Luiz R. S. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. Revista da ABEM, vol. 25, n. 39, p. 132-159, 2017.

____. Até quando Brasil? Perspectivas decoloniais para (re)pensar o ensino superior em música. Revista PROA vol. 10, n. 1, p. 153-199, jan.-jun. 2020

SASKIA, Sassen. Três migrações emergentes: uma mudança histórica. Sur: Revista Internacional de Direitos Humanos, v.13, n.23, 2016, p.29-42.

SARDO, Susana. Pround to be a Goan: memórias coloniais, identidades pós coloniais e música. Em: CÔRTE REAL, Maria de São José (org.), Revista Migrações – Número Temático Música e Migração, n.7, Lisboa: ACIDI, out.2010, pp.55-73.

STEINGO, Gavin; SYKES, Jim (org). Remapping sound studies. Duke University Press, Durham, London, 2019.

SHELEMAY, Kay Kaufman. Let jasmine rain down: Song and remembrance among Syrian Jews. Chicago, IL, and London: University of Chicago Press, 1998.

WESTERN, Tom. Listening with displacement: sound, citzenship, and disruptive representation of migration. Migration and Society: Advances in Research 3, 2020, p.294-309.

Downloads

Publicado

2021-09-21

Como Citar

Stringini, D. (2021). Uma escuta das migrações, músicos haitianos e performances em deslocamento. Revista Farol, 17(24), 139–150. https://doi.org/10.47456/rf.v17i24.35192

Edição

Seção

Seção Temática