Epidemiologia da paralisia flácida aguda no Brasil

Epidemiology of acute flaccid paralysis in Brazil

Autores

  • Francisco Benjamin Sousa Alves Universidade do Estado do Pará
  • Randerson José de Araujo Sousa Universidade do Estado do Pará
  • Vivian de Carvalho Avelino Universidade do Estado do Pará
  • Nádia Vicência do Nascimento Martins Universidade do Estado do Pará

DOI:

https://doi.org/10.47456/hb.v2i1.33849

Palavras-chave:

Epidemiologia, Paralisia, Poliomielite, Saúde Pública

Resumo

A Paralisia Flácida Aguda (PFA) é um conjunto de sinais e sintomas que remetem às complicações originadas de lesões em neurônios motores inferiores, que se relacionam com doenças, como a poliomielite e com doenças metabólicas. Objetivou-se caracterizar o perfil epidemiológico da PFA no Brasil, a fim de denotar sua evolução em uma década. Os dados foram extraídos do Sistema de Informação de Agravos de Notificação e compreenderam ao período de 2010 a 2019. Os valores referentes as variáveis: total de casos, sexo, raça/cor, faixa etária, critério de confirmação, classificação final e evolução do caso foram tabulados com o auxílio do programa Excel 2010 e processados no software Action 3.7. Entre 2010 a 2019 notificaram-se 4703 pacientes com PFA, o ano de 2018 apresentou o maior número de notificações (520/ 11,06%). A região Nordeste demonstrou o maior número de casos (1755/ 37,32%). Quanto ao sexo o masculino superou o feminino. O registro da PFA se concentrou em maior quantidade em indivíduos de raça/cor Parda (2320/ 99,33%), sendo que a maior prevalência esteve no intervalo de 1 a 4 anos (1694/ 36,02%). Na classificação final, não houve registros na categoria ²Confirmado Poliovírus Selvagem². Portanto, nenhum dos casos foi causado pelo poliovírus selvagem, o que evidencia a manutenção eficaz da erradicação da poliomielite no Brasil. Entretanto, apurou-se a baixa especificação no critério diagnóstico utilizado e na classificação dos casos em relação as outras causas da PFA.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nádia Vicência do Nascimento Martins, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Ciências pela Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo (EEUSP) e Docente da Universidade do Estado do Pará (UEPA), Santarém, Pará, Brasil.

Downloads

Publicado

2021-04-28

Edição

Seção

Ciências da Saúde