Leitura deleite como forma de estímulo em turmas do 2° ano do ensino fundamental

Autores

  • Lívia Barreto Cordeiro Faculdade Vale do Cricaré
  • Luciana Teles Moura Faculdade Vale do Cricaré

DOI:

https://doi.org/10.47456/krkr.v1i9.32801

Resumo

Este artigo pesquisou a influência da leitura deleite como incentivo à leitura nos alunos do ensino fundamental de uma escola de ensino infantil e fundamental do município de Presidente Kennedy, ao Sul do Espírito Santo. Participaram da pesquisa três turmas de 2º ano do ensino fundamental com suas respectivas professoras e suas auxiliares. O objetivo geral deste estudo constituiu em analisar se a leitura deleite funciona como uma forma de estímulo à leitura junto a alunos do 2° ano do ensino fundamental. A coleta de dados foi realizada numa escola polo no interior do município. Como procedimento de coleta foram utilizados os instrumentos e as estratégias de pesquisa: análise de documentos, entrevistas semiestruturadas e observação em sala de aula. Para respaldar a análise de dados coletados, foram tomadas por base as contribuições dos seguintes autores:  Gil (2008) para metodologia, Freire (2015), Zilberman (2001) e Cosson (2007) - para leitura, Kleiman (1989) Souza (2012) - para estratégias de leitura, Brasil (2012) - para o Pacto Nacional na Idade Certa, Warschauer (1993), Riter (2009) e Paiva (2010) - para leitura deleite. Com base nas análises realizadas, a leitura deleite acontece de duas a três vezes por semana, essa leitura era feita com recurso da voz, a entonação e a forma de se expressar no momento da mesma. A partir dessa leitura buscou-se averiguar se ela tem gerado nas crianças um interesse pelos livros e a imaginação além dos muros da escola. Conclui-se então que a leitura deleite tem contribuído de forma significativa na vida do aluno, fazendo com que o aluno tenha a leitura como um item muito importante para sua vida, buscando na leitura um momento de prazer, diversão e conhecimento para o mundo, além de contribuir na formação do professor, quando na sua prática aplica o que foi estudado, isso é tanto para as crianças já alfabetizadas quanto as que estão sendo alfabetizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Barreto Cordeiro, Faculdade Vale do Cricaré

Lívia Barreto Cordeiro Graduada em “Normal Superior” no ano de 2008 pela
faculdade UNITINS-Fundação Universidade do Tocantins. Pós-graduada em
“Especialista em Supervisão e Coordenação Pedagógica” pelo Instituto
Superior de Educação e Cultura Ullysses Boyd no ano de 2009. Pós-graduada
em “Especialista em Educação Inclusiva e Diversidade” pelo Instituto Superior
de Educação e Cultura Ullysses Boyd no ano de 2012. Mestra em “Ciência,
Tecnologia e educação” pela Faculdade Vale do Cricaré no ano de 2020.
Professora regente de turma na Escola municipal de ensino infantil e
fundamental pluridocente “Barra de Marobá”, no município de Presidente
Kennedy - ES

Luciana Teles Moura, Faculdade Vale do Cricaré

Faz estágio de Pós-Doutoramento no Programa de Psicologia da Universidade Federal do Espírito Santo, sendo Doutora e Mestre pelo mesmo programa de pós-graduação. Realiza pesquisas em torno das teorias dos relacionamentos interpessoais, com especial interesse nas relações parassociais, de consumo, mídia, e também as promovidas a partir de espaços físicos e virtuais. Membro da Associação Brasileira de Pesquisas do Relacionamentos Interpessoais (ABPRI). Também tem interesse e investiga as metodologias ativas de aprendizagem e práticas pedagógicas diversas. Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade Federal do Espírito Santo, especialização em Marketing Empresarial pelo Centro Superior de Ciências Sociais de Vila Velha e também em A Moderna Educação Brasileira, pela PUC-RS. Professor titular de graduação e pós-graduação nas áreas de Administração, Psicologia, Educação e Comunicação Social. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Relações Públicas, Marketing e Propaganda.

Downloads

Publicado

2020-12-31

Edição

Seção

Artigos