Protagonismo feminino no cristianismo antigo

as experiências de Perpétua de Cartago (203 d.C.)

Autores

  • Roney Marcos Pavani Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) - Nova Venécia

Palavras-chave:

História das mulheres, História do cristianismo, Alto Império, Cartago, Perpétua

Resumo

Nesse artigo, nos propomos, com base nas Atas de Perpétua e Felicidade (203 d.C.) – um relato de uma mulher recém-convertida ao cristianismo – a analisar como as mulheres cristãs na sociedade romana, e na Cartago do século III em particular, não eram propriamente invisíveis, e sim invisibilizadas. Isso era feito por meio de um trabalho constante de disciplina e enquadramento, que partia tanto de intelectuais quanto de autoridades civis e religiosas. Porém, obscurecer histórias de mulheres envolvendo o martírio e a sua atuação efetiva no seio das comunidades nem sempre funcionava. Atestam-no o relato de Perpétua, além de uma infinidade de outros textos cristãos, ditos apócrifos. Estas fontes, na realidade, representam um marco do cristianismo nascente, o qual, em muitas de suas vertentes, e em maior ou menor grau, fez as mulheres saírem da penumbra para assumirem novas identidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Documentação textual

BÍBLIA. Português. Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2003.

MARTIRIO de las santas Perpetua y Felicidad y de sus compañeros. In: BUENO, D. R. (ed.). Actas de los Mártires. Traducción de Daniel Bueno. Madrid: Fareso, 2003, p. 397-459.

SERMONES de San Agustín en el natalicio de las santas Perpetua y Felicidad. In: BUENO, D. R. (ed.). Actas de los Mártires. Traducción de Daniel Bueno. Madrid: Fareso, 2003, p. 1019-1023.

Obras de apoio

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BURKE, P. A Escola dos Annales (1929-1989): a Revolução Francesa da historiografia. São Paulo: Unesp, 1997.

CARCOPINO, J. Roma no apogeu do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CARDOSO, S. K.; SILVA, C. A. Identidade e autoridade no cristianismo primitivo: introdução ao martírio de Perpétua e Felicidade. Revista Oracula, n. 15, p. 20-31, 2014.

CARDOSO, S. K. Reverberações culturais e criação de identidade no cristianismo primitivo: análise retórica e iconográfica da Passio Perpetua. Revista Oracula, n. 16, p. 15-28, 2015.

CHEVITARESE, A. L. Jesus de Nazaré: o que a História tem a dizer sobre ele. Rio de Janeiro: Menocchio, 2022.

MATOS, D. S.; NOGUEIRA, P. A. S. Práticas religiosas populares na Passio Sanctorum Perpetuae et Felicitatis: entre sonhos oraculares e visões apocalípticas. Reflexus, n. 20, p. 331-354, 2018.

MATOS, D. S.; NOGUEIRA, S. M. S. Confrontando o sistema patriarcal romano: um olhar a partir da Passio Sanctorum Perpetuae et Felicitatis e dos Atos de Paulo e Tecla. Portal Metodista de Periódicos Científicos e Acadêmicos, n. 76, p. 47-63, 2016.

MATOS, M. I. S. Introdução. História, mulher e poder: da invisibilidade ao gênero. In: SILVA, G. V.; NADER, M. B.; FRANCO, S. P. (org.). História, mulher e poder. Vitória: Edufes, 2006, p. 9-23.

MENDES, N. M. Roma republicana. São Paulo: Ática, 1988.

OLIVEIRA, J. C. M. Dos arquivos da perseguição à história dos mártires: hagiografia, memória e propaganda na África Romana. Revista de História da Unesp, n. 29, p. 56-70, 2010.

PAVANI, R. M. “Que queres de mim, mulher?” (Jo 2,4): o papel feminino nas comunidades cristãs dos primeiros séculos. Dimensões, n. 45, p. 316-341, 2020.

PERROT, M. Minha História das Mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PIÑERO, A. O outro Jesus segundo os evangelhos apócrifos. São Paulo: Mercuryo, 2002.

RIBEIRO, C. F. Martírio e testemunho de Perpétua e Felicidade: contribuições de uma memória feminina e africana para o ensino de História. In: FURLANI, J. C. (org.). A África no Mundo Antigo: possibilidades de ensino e pesquisa. Serra: Milfontes, 2019, p. 216-243.

RUBIN, L. B. As concepções de corpo e gênero na Passio Perpetuae et Felicitatis (203): a palavra de uma mulher na Antiguidade. In: I CICLO INTERNACIONAL DO GTHA-RS e V JORNADA DO GEMAM. Anais... Santa Maria, 2018.

SILVA, G. V. A relação Estado/Igreja no Império Romano (séculos III e IV). In: SILVA, G. V.; MENDES, N. M. (org.). Repensando o Império Romano: perspectiva socioeconômica, política e cultural. Vitória: EDUFES, 2006, p. 241-266.

SILVA, G. V. A representação da mulher na sátira romana: amor e adultério em Horácio e Juvenal. Revista de História, n. 4, p. 73-86, 1995.

VEYNE, P. A sociedade romana. Lisboa: Edições 70, 1990.

Downloads

Publicado

19-09-2023

Como Citar

PAVANI, Roney Marcos. Protagonismo feminino no cristianismo antigo : as experiências de Perpétua de Cartago (203 d.C.). Romanitas - Revista de Estudos Grecolatinos, [S. l.], n. 21, p. 226–245, 2023. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/romanitas/article/view/40075. Acesso em: 7 dez. 2023.

Edição

Seção

Tema livre