Avaliação científica e subjetividade: o “artigo-comprimido” como síntese de uma produção científica alienante

Autores

  • Luana Silvy de Lorenzi Tezza Magnin Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)
  • José Henrique de Faria Universidade Federal do Paraná (UFPR) https://orcid.org/0000-0003-3971-7992
  • Gustavo Henrique Petean Universidade Federal de Goiás (UFG)

DOI:

https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2022.11.1.32632.8-38

Palavras-chave:

Alienação, Avaliação científica, Intensificação do trabalho, Pesquisador, Subjetividade

Resumo

Diante das mudanças dos últimos anos no campo da avaliação científica, o objetivo deste artigo é caracterizar os efeitos da relação das atuais políticas de avaliação científica da CAPES e a subjetividade dos pesquisadores públicos em Administração. O estudo qualitativo foi realizado com 13 pesquisadores com alto índice de publicação e os enunciados foram analisados a partir da filosofia da linguagem de Bakhtin. Os resultados apontam para três eixos principais: (i) perda da dimensão coletiva da universidade como instância política de reflexão e decisão; (ii) corrida cega para um fim que não é problematizado; (iii) invisibilidade da intensificação do trabalho e negação de sua relação com os processos de saúde/doença. Esses eixos, em conjunto, expressam o grau de alienação a que chegou o trabalho científico, no qual a publicação da pesquisa segundo um padrão específico torna-se mais meritória que sua própria concepção e desenvolvimento. Constata-se uma ruptura, um desencontro, entre significado e sentido, que passam a ser ocupados por vozes monológicas –  padronizantes – e que aniquilam a pluralidade que constitui, de fato, o fazer científico. Conclui-se que o desejo e o empenho dos pesquisadores em atender aos critérios de avaliação direcionam a produção acadêmica. Nota-se também a redução do exercício da autonomia e da dimensão política e social de reflexão na Academia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luana Silvy de Lorenzi Tezza Magnin, Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ)

Doutora em Administração pela Universidade Federal do Paraná - UFPR. Mestre em Psicologia pela UFPR (2014). Graduada e bacharel em Psicologia pela UFPR (2009), é servidora pública federal e ocupa o cargo de Analista de Gestão em Saúde na Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ, com lotação no Instituto Carlos Chagas - ICC/Fiocruz Paraná.

José Henrique de Faria, Universidade Federal do Paraná (UFPR)

Mestrado em Administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - PPGA/UFRGS (1979), Doutorado em Administração pela Universidade de São Paulo- FEA/USP (1984) e Pós-Doutorado em Labor Relations pelo Institute of Labor and Industrial Relations - ILIR - University of Michigan (2003). Professor Titular Sênior da UFPR, no Programa de Pós-Graduação em Administração - PPGADM (Mestrado e Doutorado). Pesquisador PQ/CNPq. Professor Visitante da Universidade Federal Tecnológica do Paraná - Programa de Pós-Graduação em Administração.

Gustavo Henrique Petean, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul; Professor do curso de Administração da Regional Goiás, Universidade Federal de Goiás.

 

Referências

Alcadipani, R., & Rosa, A. R. (2010). O pesquisador como o outro: uma leitura póscolonial do “borat” brasileiro. Revista de Administração de Empresas, 50(4), 371-382. https://doi.org/10.1590/S0034-75902010000400003

Alvesson, M., & Einola, K. (2018). Excessive work regimes and functional stupidity. German Journal of Human Resource Management, 32(3–4), 283–296. https://doi.org/10.1177/2397002218791410

Alvesson, M., & Karreman, D. (2011). Decolonializing discourse: Critical reflections on organizational discourse analysis. Human Relations, 64(9), 1121-1146. https://doi.org/10.1177/0018726711408629

Amorim, M. (2002). Vozes e silêncio no texto de pesquisa em Ciências Humanas. Cadernos de Pesquisa, 116, 7-19.

Amorim, M. (2004). O pesquisador e seu outro: Bakhtin nas Ciências Humanas. São Paulo: Musa Editora.

Bakhtin, M. (2011). Estética da criação verbal. (6ª ed.) São Paulo: Martins Fontes.

Barros, J. D. A. (2011). O conceito de alienação no jovem Marx. Tempo Social, 23(1), 223-245. https://doi.org/10.1590/S0103-20702011000100011

Benini, E. G., Fernandes, M. D., Petean, G. H., Penteado, R. C., & Magnin, L. S. L. T. (2020). Educação a distância na reprodução do capital: entre a ampliação do acesso e a precarização e alienação do trabalho docente. Trabalho, Educação e Saúde, 18(3), 1-15. https://doi.org/10.1590/1981-7746-sol00307

Bianchetti, L., & Valle, I. R. (2014). Produtivismo acadêmico e decorrências às condições de vida/trabalho de pesquisadores brasileiros e europeus. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, 22(82), 89-110. https://doi.org/10.1590/S0104-40362014000100005

Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (1988). Art. 207 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm.

Dal Rosso, S. (2008). Mais trabalho! A intensificação do labor na sociedade contemporânea. São Paulo: Boitempo.

Dal Rosso, S. & Cardoso, A. C. M. (2015). Intensidade do trabalho: questões conceituais e metodológicas. Sociedade e Estado, 30(3), 631-650. https://doi.org/10.1590/S0102-69922015.00030003

Davyt, A., & Velho, L. (2000). A avaliação da ciência e a revisão por pares: passado e presente. Como será o futuro?. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 7(1), 93-116. https://doi.org/10.1590/S0104-59702000000200005

Domingues, E. (2013). Autoria em tempos de "produtivismo acadêmico". Psicologia em Estudo, 18(2), 195-198.

Dourado, L. F. (2019). Estado, Educação e Democracia no Brasil: retrocessos e resistências. Educação & Sociedade, 40, 1-24. https://doi.org/10.1590/ES0101-73302019224639.

Faraco, C. A. (2009). Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial.

Faria, J. H. (2004).. Economia política do poder. (Vol. 1.) Curitiba: Juruá.

Faria, J. H. (2017). Poder, Controle e Gestão. Curitiba: Juruá.

Faria, J. H., & Ramos, C. L. (2014). Tempo dedicado ao trabalho e tempo livre: os processos sócio-históricos de construção do tempo de trabalho. RAM. Revista de Administração Mackenzie, 15(4), 47-74. https://doi.org/10.1590/1678-69712014/administracao.v15n4p47-74

Faria, J. H., & Walger, C. S. (2020). O Lugar da Universidade Pública: referência social ou fator de desenvolvimento das forças produtivas? Revista NUPEN, 12(27). https://doi.org/10.33871/nupem.2020.12.27.12-33

Ferraz, H (2020). Formas farmacêuticas sólidas: comprimidos e comprimidos revestidos Recuperado em 28 set., 2021, de https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/3500709/mod_resource/content/0/Comprimidos%20e%20comprimidos%20revestidos.pdf

Freitas, J. A. R. N. (2013). Trabalho do(c)ente: intensificação e adoecimento na pós-graduação. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Goldani, M. Z., & Silva, C.H.; Nascimento, L.F. & Blank, D. (2010). A questão da produção do conhecimento: desafios na gestão dos programas de pós-graduação. Revista Brasileira De Pós-Graduação, 7(12), 104-116. https://doi.org/10.21713/2358-2332.2010.v7.183

Governo Brasileiro (2021). CAPES. Administração Pública e de Empresas, Ciências Contábeis e Turismo. Recuperado a partir de https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/avaliacao/sobre-a-avaliacao/areas-avaliacao/sobre-as-areas-de-avaliacao/colegio-de-humanidades/ciencias-sociais-aplicadas/administracao-publica-e-de-empresas-ciencias-contabeis-e-turismo

Guntner, A. V., & Kauffeld, S (2021). The co-construction of leadership in change-related interactions between leaders and followers. Gr Interakt Org, 52, 551–562. https://doi.org/10.1007/s11612-021-00591-9

Guthey, E., Ferry, N. C., & Remke, R. (2021). Taking leadership fashions seriously as a vehicle for leadership learning. Management Learning. https://doi.org/10.1177/13505076211009674

Hanafi, S. (2015). Sistemas universitários no Oriente Árabe: publicar globalmente e perecer localmente versus publicar localmente e perecer globalmente In: Pinheiro, C., Hollanda, B. & Maia, J. (Orgs.) Ateliê do Pensamento Social: práticas e textualidades: pensando a pesquisa e a publicação em ciências sociais. (Cap. 1, pp. 19-46) Rio de Janeiro: FGV Editora.

Kuenzer, A. Z., & Moraes, M. C. M. (2005). Temas e tramas na pós-graduação em educação. Educação & Sociedade, 26(93), 1341-1362. https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000400015

Lawrence, P. (2003). The politics of publication. Nature, 422, 259-261. https://doi.org/10.1038/422259a

Magnin, L. S. L. T. (2020) Trabalho intensificado, subjetividades controladas e alienação nas universidades federais: uma contribuição à análise das políticas de avaliação científica. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, PR, Brasil.

Magnin, L. S. L. T., Faria, J. H., Penteado, R. C., & Takahashi, A. R. W. (2020). Produtivismo na pós-graduação em administração: posicionamentos dos pesquisados brasileiros, estratégias de produção e desafios enfrentados. REAd. Revista Eletrônica de Administração (Porto Alegre), 26(2), 265-299. https://doi.org/10.1590/1413-2311.284.95633

Magnin, L. S. L. T., & Pan, M. A. G. S. (2015). As políticas de educação continuada por competências: um estudo das configurações subjetivas do trabalhador público brasileiro. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, 18(2), 153-167. https://doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v18i2p153-167

Marx, K. (2011). Grundrisse: Manuscritos econômicos de 1857-1858. (M., Duayer & N., Schneider, Trad.). São Paulo: Boitempo. (Obra original publicada em 1857-1858)

Meis, L., Velloso, A., Lannes, D., Carmo, M. S., & Meis, C. (2003). The growing competition in Brazilian science: rites of passage, stress and burnout. Brazilian Journal of Medical and Biological Researc, 36(9), 1135-1141. https://doi.org/10.1590/S0100-879X2003000900001

Moulin, G., Sales, J., Machado, M., Brazileiro , R., Cabral, S., Bressan, V., & Silveira, F. (2020). Produção Científica e Sociedade: a Fronteira entre o Passado e o Futuro. Gestão E Sociedade, 14(37), 3439–3460. https://doi.org/10.21171/ges.v14i37.3094

Palangana, I. C. (2002). Individualidade: afirmação e negação na sociedade capitalista. (2ª ed.) São Paulo: Summus Editorial.

Paes, A. P. P. (2016). Para além dos paradigmas nos Estudos Organizacionais: o Círculo das Matrizes Epistêmicas. Cadernos EBAPE.BR, 14(1), 24-46. https://doi.org/10.1590/1679-395131419

Pan, M. A. G. S., Rossler, J. H., Ferrarini, N. L., Valore, L. A., & Oliveira, S. M. (2011). Subjetividade: Um Diálogo Interdisciplinar. Interação em Psicologia, 15, 1-13. http://dx.doi.org/10.5380/psi.v15i0.25365

Pedrini, A. G. (2005). O cientista brasileiro é avaliado? São Paulo: Rima Editora.

Pimenta, B. F. F., Oliveira, A. M. B., Sousa, J. C., & Silva, P. M. M. A (2021). Relação entre a Prática Docente e a Síndrome de Burnout na Rede Pública de Ensino. Revista de Gestão e Secretariado, 12(1), 1-25. https://doi.org/10.7769/gesec.v12i1.1151

Pina, J. A., & Stotz, E. N. (2014). Intensificação do trabalho e saúde do trabalhador: uma abordagem teórica. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, 39(130), 150-160. https://doi.org/10.1590/0303-7657000074913

Santos, E. L. (2017). O campo científico da administração: uma análise a partir do círculo das matrizes teóricas. Cadernos EBAPE.BR, 15(2), 209-228. https://doi.org/10.1590/1679-395152841

Sguissardi, V., & Silva, J. R., Jr. (2009). Trabalho intensificado nas federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã.

Silva, A. R. L. (2019). Um Pesquisador Ordinário: Entre Substantivos e Gerúndios na Polifonia dos Esquecidos. Revista Interdisciplinar de Gestão Social, 8(3), 41-60.

Souza, S. J., & Albuquerque, E. D. P. (2012). A pesquisa em ciências humanas: uma leitura bakhtiniana. Bakhtiniana: Revista de Estudos do Discurso, 7(2), 109–122. https://doi.org/10.1590/S2176-45732012000200008

Tourinho, M. M. & Palha, M. D. C. (2014). A Capes, a universidade e a alienação gestada na pós-graduação. Cadernos EBAPE.BR, 12(2), 270-283. https://doi.org/10.1590/1679-39519356

Viana, N. (2012). A alienação como relação social. Revista Sapiência, 1(2), 23-42.

Volóchinov, V. (2017). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora 34.

Downloads

Publicado

2022-01-18

Como Citar

Magnin, L. S. de L. T., Faria, J. H. de, & Petean, G. H. (2022). Avaliação científica e subjetividade: o “artigo-comprimido” como síntese de uma produção científica alienante: . Revista Gestão & Conexões, 11(1), 8–38. https://doi.org/10.47456/regec.2317-5087.2022.11.1.32632.8-38

Edição

Seção

Artigos