Acidentes por escorpião no município de Colatina, Espírito Santo, no período de 2009 a 2019

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/rbps.v23i4.37472

Palavras-chave:

Picadas de escorpião, Epidemiologia Descritiva, Morbidade

Resumo

Introdução: Os acidentes causados por animais peçonhentos correspondem a segunda maior causa de envenenamento no Brasil, são um importante problema de saúde pública e, em sua maioria, são ocasionados por escorpiões. Os acidentes causados pelos animais do gênero Tityus apresentam relevância para saúde pública devido a sua dispersão e adaptação em todo território nacional. Objetivos: Descrever o perfil das vítimas de acidentes e caracterizar a morbidade por escorpionismo no município de Colatina no período de 2009 a 2019. Métodos: Trata-se de estudo de série de casos a partir de dados secundários oriundos do Departamento de Informática do Sistema Único de Saúde. Resultados: Ocorreram 2.122 casos de acidentes por escorpião no município. Destes, 61% foram em indivíduos do sexo masculino. A faixa etária de 20 a 59 anos foi mais acometida, representando 63% dos casos. Entre o ano de 2009 a 2019 observou-se um crescimento de 125% da taxa de incidência e 70% dos acidentes ocorreram entre os meses de julho a janeiro, destacando-se o maior quantitativo (n = 869) no período de setembro a dezembro. Conclusão: A incidência de escorpionismo teve crescimento no período analisado. Os resultados apresentados podem colaborar para a definição de estratégias e apoiar a tomada de decisão dos gestores locais na prevenção de acidentes por escorpiões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Dourado FS, Alves RV, Pereira RLM, Costa VM, Croda JHR. Acidentes por animais peçonhentos. Boletim Epidemiológico. Número especial. set. 2019: 81-83. Secretaria de vigilância em saúde. Ministério da Saúde. [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https:// portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/ setembro/25/boletim-especial-21ago19-web.pdf.

Dourado FS, Pereira RLM. Acidentes escorpiônicos no Brasil, 2018. Boletim Epidemiológico. 2019; 50 (28): 17-21. Secretaria de vigilância em saúde. Ministério da Saúde. [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https:// antigo.saude.gov.br/images/pdf/2019/outubro/04/BE-multitematico-n28.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Guia de vigilância em saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2021.

Espírito Santo. Secretaria de Estado da Saúde. Dados de intoxicação no Espírito Santo em 2019. Vitória: Secretaria de Estado da Saúde; 2020. [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://ciatox.es.gov.br/Media/toxcen/ Dados%20Estatisticos/Dados%20de%20intoxicacao%20 no%20ES%20em%202019.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. [Internet]. Informações de Saúde (TABNET). [acesso em 05 out 2021] Dispo-nível em: http://www2.datasus.gov.br/DATASUS/ index.php?area=02.

Menezes JS et. al. Carnaval com saúde: orientações básicas para prevenção de doenças transmissíveis e acidentes por animais peçonhentos. Boletim Epidemiológico. 2020; 51 (8): 5-10. Secretaria de vigilância em saúde. Ministério da Saúde. [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https:// antigo.saude.gov.br/images/pdf/2020/fevereiro/21/ Boletim-epidemiologico-SVS-08.pdf.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de controle de escorpiões. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Carmo EA, Nery AA, Jesus CS, Casotti CA. Internações hospitalares por causas externas envolvendo contato com animais em um hospital geral do interior da Bahia, 2009- 2011. Epidemiol. Serv. Saúde. 2016; 25(01): 105-114, [aces¬so em 10 out 2021]. Disponível em: https://www.scielo. br/j/ress/a/NGM7YWHbZBLFjxFDCh8bz6r/?lang=p¬t&format=pdf.

Espírito Santo. Secretaria de Estado do Planejamento. Zonas naturais do Espírito Santo: uma regionalização do Estado, das microrregiões e dos municípios. Vitória: Secretaria de Estado do Planejamento; 1999.

Lisboa NS, Boere V, Neves. Escorpionismo no Extremo Sul da Bahia, 2010-2017: perfil dos casos e fatores associados à gravidade. Epidemiol. Serv. Saúde. 2020; 29(2): 01-12, [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ress/a/ c9pbMxtJDx4vyjfH7BbrMnx/?format=pdf&lang=pt.

Sousa FNF, Ávila LS, Sales LBF. Acidentes de trabalho por animais peçonhentos entre trabalhadores do campo, floresta e águas, Brasil 2007 a 2017. Boletim Epidemiológico. 2019; 50 (11): 1-14. Secretaria de vigilância em saúde. Ministério da Saúde. [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://portalarquivos2.saude.gov.br/ images/pdf/2019/marco/29/2018-059.pdf.

Santana CR, Oliveira MG. Avaliação do uso de soros antivenenos na emergência de um hospital público regional de Vitória da Conquista (BA), Brasil. Ciência e saúde coletiva. 2020; 25(3): 869-878, [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://www.scielo.br/j/csc/a/ CnqHC9fbBMxkZxzfSP36kmr/?format=pdf.

Almeida ACC, Mise YF, Carvalho FM, Silva RML. Associação ecológica entre fatores socioeconômicos, ocupacionais e de saneamento e a ocorrência de escorpionismo no Brasil, 2007-2019. Epidemiol. Serv. Saúde. 2021; [prepint] 21 p. [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://preprints.scielo.org/index.php/ scielo/preprint/view/2991/5369.

Carmo EA, Nery AA, Pereira R, Rios MA, Casotti CA. Fatores associados à gravidade do envenenamento por es¬corpiões. Texto Contexto Enferm. 2019; 28:e20170561, [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://www.scie¬lo.br/j/tce/a/JFVMWVJJ5h4yGK5MKFTTQtm/?lan¬g=pt&format=pdf.

Mineo MF, Franco-Assis GA, Del-Claro K. Repertório comportamental do escorpião amarelo Tityus serrulatus Lutz e Mello 1922 (Scopiones, Buthidae) em cativeiro. Rev. bras. zoociências. 2003; 5(1): 23-31, [acesso em 10 out 2021]. Disponível em: https://periodicos.ufjf.br/index.php/ zoociencias/article/view/24226.

Werneck GL, Braga JU. Vigilância epidemiológica. In: Medronho RA, Bloch, KVB, Ronir RL, Werneck GL. Epidemiologia. 2. ed. São Paulo: Ateneu; 2009. p.103-21.

Arquivos adicionais

Publicado

22.09.2022

Como Citar

1.
de Paula Júnior RA. Acidentes por escorpião no município de Colatina, Espírito Santo, no período de 2009 a 2019. RBPS [Internet]. 22º de setembro de 2022 [citado 16º de junho de 2024];23(4):78-84. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/rbps/article/view/37472

Edição

Seção

Relato de Caso