A atuação dos magos e adivinhos como 'theioi andres' no Egito tardo-antigo: práticas e rituais de adivinhação nos 'Papiros Mágicos Gregos' (séc. III e IV)

Autores

  • Hariadne da Penha Soares

DOI:

https://doi.org/10.17648/rom.v0i9.18494

Palavras-chave:

Magia, Poder, Egito tardo-antigo, Mistagogos, Papiros mágicos

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar a emergência dos magos e adivinhos como agentes de poder, no contexto da sociedade do Egito tardo-antigo, e como uma importante vertente dos diversos homens divinos (theioi andres) que passaram a exercer influência cada vez maior na vida espiritual e política do Império Romano a partir do século III. Os magos e adivinhos da Antiguidade Tardia, atuando como taumaturgos em suas comunidades, praticavam uma magia vinculada aos cultos de mistério e revelada pelos deuses, o que os capacitava como importantes agentes de poder em suas comunidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes textuais

A BÍBLIA DE JERUSALÉM. Edição em língua portuguesa de Gilberto da Silva Gorgulho, Ivo Storniolo e Ana Flora Anderson. São Paulo: Paulus, 2002.

BETZ, H. D. (Ed.). The Greek magical papyri in translation. Including the Demotic spells. Chicago: The University of Chicago Press, 1991.

Fontes arqueológicas

DELATTE, A.; DERCHAIN, P. Les intailles magiques gréco-égyptiennes. Paris: Cabinet des Médailles, Bibliothèque Nationale, 1964.

MASTROCINQUE, A. Les intailles magiques du Département de Monnaies, Médailles et Antiques. Paris: Éditions de la Bibliothèque Nationale de France, 2014.

Obras de apoio

ANDREWS, C. Amulets of Ancient Egypt. London: The British Museum Press, 1994.

BAGNALL, R. S. Egypt in Late Antiquity. New Jersey: Princeton University Press, 1993.

BEARD, M; NORTH, J.; PRICE, S. (Ed.). Religions of Rome. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

BETZ, H. D. Magic and mysteri in the Greek Magical Papyri. In: FARAONE, C. A.; OBBINK, D. (Ed.). Magika hiera: ancient Greek magic and religion. New York: Oxford University Press, 1991, p. 244-259.

______. Introduction to the Greek Magical Papyri. In: BETZ, H. D. (Ed.). The Greek magical papyri in translation. Chicago: The University of Chicago Press, 1991, p. xlii-liii.

BOWMAN, A. K. Egypt after the pharaohs, 332 B.C. – A.D. 642. California: University of California Press, 1996.

BRASHEAR, W. M. The Greek Magical Papyri: an introduction and survey; annotated bibliography (1928-1994). Aufstieg und Niedergang der Römischen Welt, v. II, 18.5, p. 3380-3684, 1995.

BROWN, P. El mundo en la Antigüedad Tardía: de Marco Aurelio a Mahoma. Madrid: Taurus, 1989.

BURKE, P. Hibridismo cultural. São Leopoldo: Unisinos, 2006.

BURKERT, W. Antigos cultos de mistério. São Paulo: Edusp, 1991.

CHARTIER, R. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1987.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1998.

CHRONOPOULOU, E. El oficio peligroso del mago. In: SUÁREZ, E.; BLANCO, M.; CHRONOPOULOU, E. (Ed.). Los papiros mágicos griegos: entre lo sublime y lo cotidiano. Madrid: Dykinson, 2015, p. 13-30.

ELIAS, N. SCOTSON, J. Os estabelecidos e os outsiders. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.

FARAONE, C. A.; OBBINK, D. (Ed.). Magika hiera: ancient Greek magic and religion. New York: Oxford University Press, 1991.

FISHWICK, D. The imperial cult in the Latin West: studies in the ruler cult of the Western provinces of the Roman Empire. Leiden: Brill, 1993.

FRANKFURTER, D. The magic of writing and the writing of magic: the power of the world in Egyptian and Greek traditions. Helios, v. 21, p. 189-221, 1994.

FRAZER, J. G. O ramo de ouro. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1982.

GARCÍA MOLINOS, A. Sobre los recursos para persuadir al lector en los papiros griegos mágicos. In: SUÁREZ, E.; BLANCO, M.; CHRONOPOULOU, E. (Ed.). Los papiros mágicos griegos: entre lo sublime y lo cotidiano. Madrid: Dykinson, 2015, p. 31-44.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GONÇALVES, A. T. M. Os Severos e a Anarquia Militar. In: SILVA, G. V.; MENDES, N. M. (Org.). Repensando o Império Romano: perspectiva socioeconômica, política e cultural. Rio de Janeiro: Mauad, 2006, p. 175-192.

GRAF, F. La magie dans l’Antiquité Gréco-Romaine. Paris: Les Belles Lettres, 1994.

LUCK, G. Arcana mundi: magic and the occult in the Greek and Roman worlds. Baltimore: The Johns Hopkins University Press, 1985.

MACHADO, R. Por uma genealogia do poder. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 1981, p. viii-xxiii.

MAUSS, M. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Epu/Edusp, 1974.

MONTERO, P. Magia e pensamento mágico. São Paulo: Ática, 1990.

MOKHTAR, G. História geral da África: África Antiga. Brasília: Unesco, 2010. v. II.

PEREIRA, R. G. G. Helenização e egipcianização: re-construção de identidades no Egito helenístico. 2005. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

REDE, M. História e cultura material. In: CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. (Org.) Novos domínios da História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012, p. 133-150.

RITNER, R. K. The mechanics of Ancient Egyptian magical practice. Chicago: The University of Chicago Press, 1993.

SANZI, E. Cultos orientais e magia no Mundo Helenístico-Romano: modelos e perspectivas metodológicas. Fortaleza: Eduece, 2006.

SCHEID, J. La religion des romains. Paris: Armand Colin, 1998.

SILVA, G. V. da (Org.). Conflito cultural e intolerância religiosa no Império Romano. Vitória: GM, 2008.

______. A orientalização do Império Romano: aspectos religiosos. In: ANDRADE FILHO, R. O. (Org.). Relações de poder, educação e cultura na Antigüidade e Idade Média. Santana de Parnaíba: Solis, 2005, p. 195-208.

______. Um exemplo de polêmica religiosa no século II d.C.: a oposição Ísis x Atargátis nas Metamorfoses, de Apuleio. Revista de História da Ufes, n. 9, p. 27-39, 2001.

______. Política, ideologia e arte poética em Roma: Horácio e a criação do Principado. Politéia, v. 1, n. 1, 2001, p. 30-51.

______. Reis, santos e feiticeiros: Constâncio II e os fundamentos místicos da ‘basileia’ (337-361). Vitória: Edufes, 2003.

SUÁREZ, E.; BLANCO, M.; CHRONOPOULOU, E. (Ed.). Los papiros mágicos griegos: entre lo sublime y lo cotidiano. Madrid: Dykinson, 2015.

TURCAN, R. Los cultos orientales em el mundo romano. Madrid: Biblioteca Nueva, 2001.

VASQUES, M. S. Espaços urbanos e relações de poder no Egito romano. Romanitas, n. 3, p. 47-64, 2014.

VÁZQUES HOYS, A. M. Arcana magica: diccionario de símbolos y términos mágicos. Madrid: Uned, 2003.

Downloads

Publicado

2017-06-30

Como Citar

SOARES, H. da P. A atuação dos magos e adivinhos como ’theioi andres’ no Egito tardo-antigo: práticas e rituais de adivinhação nos ’Papiros Mágicos Gregos’ (séc. III e IV). Romanitas - Revista de Estudos Grecolatinos, [S. l.], n. 9, p. 147–161, 2017. DOI: 10.17648/rom.v0i9.18494. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/romanitas/article/view/18494. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

Dossiê: Magia, adivinhação e ritos apotropaicos na Antiguidade