Território em disputa: capitães-mores no povoamento da vila de Lages, sul da Capitania de São Paulo (1776-1820)

Autores

  • Renilda Vicenzi UFFS - Campus Chapecó

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2021320211

Palavras-chave:

Vila de Lages, Capitães-mores, Povoamento

Resumo

Com o caminho demarcado por Cristóvão Pereira de Abreu (1732) ligando o caminho de Viamão aos sertões de Curitiba pelo interior, intensifica a circulação no sul da Capitania de São Paulo de homens e mercadorias, especialmente gado vacum e muar, propiciando a fixação de locais para pouso e descanso dos animais, a formação de novas propriedades rurais e espaços urbanos. A nova ocupação garantiria o domínio territorial português num espaço em que era possível desenvolver a criação de animais e dinamizar a prática do tropeirismo. Entre os homens que se deslocaram pelo caminho, estava Antonio Correia Pinto, indicado pelo Morgado de Mateus como capitão-mor para iniciar a ocupação e o povoamento na recém-criada vila de Nossa Senhora dos Prazeres das Lagens, no extremo sul da Capitania. Neste texto abordamos ações dos capitães-mores, a partir das determinações dos governadores da Capitania de São Paulo, na formação e efetivação do caminho das tropas (Viamão- Curitiba) e da vila de Lages entre 1776-1820, através da análise de fontes como os maços populacionais, cartas patentes, cartas e ofícios dos governadores e dos capitães-mores e registros eclesiásticos, procurando demonstrar as relações políticas e econômicas que passam a se estabelecer no território desta vila.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO – APESP. Documentos Interessantes, anos indicados.

____. Maços de População. Lages 1776-1818.

INSTITUTO HISTÓRICO E GEOGRÁFICO DO PARANÁ- IHGPR. Documentos Interessantes, anos indicados.

____. Arquivo da Torre do Tombo, anos indicados.

Obras Gerais

ALMEIDA, Aluísio de. Os caminhos do sul e a feira de Sorocaba. In: Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro. v. 186. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1945.

ALMEIDA, Paulo Roberto de. Formação da diplomacia econômica no Brasil: as relações econômicas internacionais do Império. São Paulo: Editora Senac-Funag. 2001.

BELLOTTO, Heloísa Liberalli. Autoridade e conflito no Brasil colonial: o governo do Morgado de Mateus em São Paulo (1765-1775). 2ª ed. São Paulo: Alameda, 2007.

BRANCHER, Ana; AREND, Silvia Maria Fávero. (Org.). História de Santa Catarina no século XIX. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2001.

CERCEAU NETTO, Rangel. População e mestiçagens: a família entre mulatos, crioulos e mamelucos em Minas Gerais (séculos XVII e XIX). In: PAIVA, Eduardo França; IVO, Isnara Pereira; MARTINS, Ilton Cesar (Org.). Escravidão, mestiçagens, populações e identidades culturais. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: PPGH-UFMG; Vitória da Conquista: edições UESB, 2010.

CERCEAU NETTO, Rangel. Famílias mestiças e as representações identitárias: entre as maneiras de viver e as formas de pensar nas Minas Gerais, no século XVIII. In: PAIVA, Eduardo França (Org.). Escravidão, mestiçagens, ambientes, paisagens e espaços. São Paulo, Annablume, 2011.

DEL PRIORI Mary; VENÂNCIO, Renato. Uma história da vida rural no Brasil. Rio de Janeiro: Ediouro, 2006.

FARIA, Sheila. A colônia em movimento: fortuna e família no Cotidiano Colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1998.

FERLINI, Vera. Lúcia. Amaral. São Paulo, de Fronteira a Território: uma Capitania dos Novos Tempos. In: Laboratório do Mundo: Idéias e Saberes do século XVIII. São Paulo: Imprensa Oficial, 2004.

FRAGOSO, João. Capitão Manuel Pimenta Sampaio, senhor do engenho do Rio Grande, neto de conquistadores e compadre de João Soares, pardo: notas sobre uma hierarquia social costumeira (Rio de Janeiro, 1700-1760). In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima (Org.). Na trama das redes: política e negócios no Império Português, séculos XVI-XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

FRAGOSO, João Luís. Economia Brasileira no Século XIX: mais do que uma Plantation Escravista-Exportadora. In: LINHARES, Maria Yeda (Org.). História Geral do Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 1990.

FRAGOSO, João Luís Ribeiro; ALMEIDA, Carla Maria Carvalho de; SAMPAIO, Antonio Carlos Jucá de. (Org.). Conquistadores e negociantes: histórias das elites no Antigo Regime nos trópicos. América lusa, séculos XVI a XVIII. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

GIL, Tiago Luís. Coisas do caminho: tropeiros e seus negócios do Viamão à Sorocaba (1780-1810). Tese (Doutorado em História), PPGH/UFRJ, Rio de Janeiro, 2009.

GOULART, José Alípio. Tropas e tropeiros na formação do Brasil. São Paulo: Conquista, 1961.

HERBERTS, Ana Lúcia. Arqueologia do Caminho das Tropas: estudo das estruturas viárias remanescentes entre os rios Pelotas e Canoas, SC. Tese (Doutorado em História), PPGH/PUCRS, Porto Alegre, 2009.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e fronteiras. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

KLEIN, Herbert. A oferta de muares no Brasil Central: o mercado de Sorocaba, 1825-1880. Revista estudos econômicos. v.19, n.2. São Paulo, Maio-Agosto, 1989.

KUHN, Fábio. Gente de fronteira: família, sociedade e poder no sul da América Portuguesa – século XVIII. Tese (Doutorado em História), PPGH/UFF, Niterói/RJ, 2006.

LACERDA, Arthur Virmond de. As ouvidorias do Brasil Colônia. Curitiba: Juruá, 2000.

LARA, Silvia Hunold. Fragmentos setecentistas. Escravidão, cultura e poder na América portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

LUNA, Francisco Vidal; KLEIN, Herbert S. Características da população em São Paulo no início do século XIX. População e Família. USP-FFLCH. nº.3. São Paulo, 2000.

MACHADO, Paulo Pinheiro. Bugres, Tropeiros e Birivas: aspectos do povoamento do planalto serrano. In: BRANCHER, Ana; AREND, Silvia Maria Fávero (Org.). História de Santa Catarina no século XIX. Florianópolis, Editora da UFSC, 2001.

MONTEIRO, Nuno Gonçalo. Governadores e capitães-mores do império atlântico português nos séculos XVIII. In: BICALHO, Maria Fernanda Baptista; FERLINI, Vera Lucia Amaral (Org.). Modos de Governar: idéias e práticas políticas no império português, séculos XVI-XIX. São Paulo: Alameda, 2005. p. 93-115.

PEREIRA, Claúdio Nunes (Org.). Genealogia tropeira: Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, séculos XVI, XVIII e XIX. v. 1, 2006.

RODERJAN, Roselys Vellozo. A formação de comunidades campeiras nos planaltos paranaenses e sua expansão para o sul, séculos XVI a XIX. Dissertação (Mestrado em História do Brasil), PPGH/UFSC, Florianópolis, 1989.

SANTOS, Fabiano Vilaça dos. Os capitães-mores do Pará (1707-1737): trajetórias, governo e dinâmica administrativa no Estado do Maranhão. Topoi, Rio de Janeiro, v. 16, n. 31, 2015, p. 667-688.

SOUZA, Laura de Mello e. Desclassificados do ouro: a pobreza mineira no século XVIII. Rio de Janeiro: Graal, 1986.

SOUZA, Laura de Mello e. O sol e a sombra: política e administração na América portuguesa do século XVIII. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

TEIXEIRA DA SILVA, Francisco Carlos. Pecuária e formação do mercado interno do Brasil-Colônia. Estudos Sociedade e Agricultura. n. 8. Abril, 1997.

VIANNA, Oliveira. Populações meridionais do Brasil: populações rurais do Centro-Sul. 1. 7ª ed. Belo Horizonte: Itatiaia; Niterói: Ed. da UFF, 1987.

VICENZI, Renilda. Nos campos de cima da serra: ser preto, pardo e branco na vila de Lages, 1776-1850. Tese (Doutorado em História), PPGH/UNISINOS, São Leopoldo/RS, 2015.

Downloads

Publicado

26-11-2021

Como Citar

VICENZI, Renilda. Território em disputa: capitães-mores no povoamento da vila de Lages, sul da Capitania de São Paulo (1776-1820). Revista Ágora, [S. l.], v. 32, n. 2, p. e-2021320211, 2021. DOI: 10.47456/e-2021320211. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/36064. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Os Governos do Império: Vice-reis, governadores e capitães-mores no mundo portug