INCORPORAÇÃO DO REJEITO DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM ARGILA BENTONITA PARA UTILIZAÇÃO COSMÉTICA

INCORPORATION OF TAILINGS FROM THE UNFOLDING OF ORNAMENTAL ROCKS IN BENTONITE CLAY FOR COSMETIC USE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/bjpe.v7i3.35138

Palavras-chave:

Cosméticos, Resíduo industrial, Gestão ambiental, Bentonita, Reutilização

Resumo

As máscaras argilosas são apontadas como as mais antigas preparações cosméticas utilizadas no tratamento de beleza em função da sua vasta gama de propriedades proporcionadas pelos minerais presentes. Dessa forma, torna-se interessante estudar a potencialidade cosmética de outros materiais com composição semelhante, especialmente aqueles gerados de forma abundante e com limitada reutilização, como os rejeitos industriais. O objetivo do presente trabalho foi caracterizar a incorporação do rejeito de rochas ornamentais (RRO) em argila bentonita cálcica para utilização na cosmetologia. A metodologia adotada consistiu na preparação de duas composições diferentes incorporando o RRO na argila bentonita cálcica, assim, as seguintes análises foram realizadas: pH, teor de umidade, densidade absoluta, fluorescência de raios X (FRX) e análise microbiológica. Os resultados obtidos demonstraram que a composição com maior quantidade de bentonita apresentou características mais eficientes no que diz respeito a cosmetologia, isto é, menor alcalinidade com pH igual a 6 e teor de densidade (2,7 g.cm-3) que favorece a suspensão contínua. Ambas as incorporações manifestaram conformidade com o controle microbiológico. Ao comparar a melhor incorporação com as argilas cosméticas comercializadas, baseando-se na composição química, majoritariamente sílico-aluminosa, fica evidenciado o potencial cosmético da amostra estudada, uma vez que a aplicabilidade das argilas na área cosmética depende primordialmente desta característica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Augusto Pereira de Sousa, Universidade Estadual da Paraíba, Departamento de Química do Centro de Ciências e Tecnologia.

Doutor em Engenharia de Processos pela Universidade Federal de Campina Grande (2007) e Mestre em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba (1994). Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba (1990) e graduação em Química Industrial pela Universidade Regional do Nordeste (1991). Atualmente é professor Associado da Universidade Estadual da Paraíba. Tem experiência na área de Engenharia de Materiais e Sanitária, com ênfase em Materiais Não-Metálicos, atuando principalmente nos seguintes temas: desenvolvimento de produtos e processos de minerais não-metálicos, gestão ambiental, desenvolvimento sustentável e educação ambiental.

Maria Barbosa da Silva Cordeiro, Universidade Estadual da Paraíba, Departamento de Química do Centro de Ciências e Tecnologia.

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Estadual da Paraíba(2021) e ensino-medio-segundo-graupelo COLÉGIO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS(2009).

Hilda Camila Nascimento Nogueira, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Estadual da Paraíba (2018) e Mestrado em Exploração Petrolífera e Mineral pela Universidade Federal de Campina Grande (2020). Possui experiência na área de Química, ênfase em Tratamento de Minérios, com foco em: Bentonita, Pelotização, Caracterização de materiais, Caulinita, Argilas cosméticas. Atualmente é Doutoranda em Química pela Universidade Estadual de Campinas.

Alanna Costa de Sousa, Universidade Estadual da Paraíba

Possui graduação em Química Industrial pela Universidade Estadual da Paraíba (2021).

Referências

ABNT NBR 10006 (2004). Procedimento para obtenção de extrato solubilizado de resíduos sólidos. Associação Brasileira de Normas Técnicas.

Babisk, M. P. (2009). Desenvolvimento de Vidros Sodo-Cálcicos A Partir de Resíduos de Rochas Ornamentais (Dissertação de Mestrado). Instituto Militar de Engenharia. Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

CEMP 105 (1997). Materiais para fundição - Determinação do Teor de Umidade. Associação Brasileira das Indústrias de Fundição de Ferro e Aço.

Bergaya, F., Theng, B. K. G., & Lagaly, G. (2006). Chapter 7 Modified Clays and Clay Minerals. Developments in Clay Science. https://doi.org/10.1016/S1572-4352(05)01007-X

Carretero, M. I., & Pozo, M. (2010). Clay and non-clay minerals in the pharmaceutical and cosmetic industries Part II. Active ingredients. Applied Clay Science. https://doi.org/10.1016/j.clay.2009.10.016

CPRM – Serviço Geológico do Brasil (2002). Geologia e Recursos Minerais do Estado da Paraíba. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais.

Farmacopéia, A. N. D. V. S. (2010). Farmacopeia Brasileira. Farmacopeia Brasileira, 5a Edição. https://doi.org/10.1590/S0102-33062006000100002

Filho, H. F. M., Polivanov, H., & Mothé, C. G. (2005). Reciclagem dos resíduos sólidos de rochas ornamentais: the case of waste of the dimension stones. Anuário Do Instituto de Geociências.

Gonçalvez, J. P. (2000). Utilização do resíduo de corte de granito (RCG) como adição para produção de concretos (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

López-Galindo, A., & Viseras, C. (2004). Pharmaceutical and cosmetic applications of clays. In Interface Science and Technology. https://doi.org/10.1016/S1573-4285(04)80044-9

Mattioli, M., Giardini, L., Roselli, C., & Desideri, D. (2016). Mineralogical characterization of commercial clays used in cosmetics and possible risk for health. Applied Clay Science. https://doi.org/10.1016/j.clay.2015.10.023

Modabberi, S., Namayandeh, A., López-Galindo, A., Viseras, C., Setti, M., & Ranjbaran, M. (2015). Characterization of Iranian bentonites to be used as pharmaceutical materials. Applied Clay Science. https://doi.org/10.1016/j.clay.2015.03.013

Poensin, D., Carpentier, P. H., Féchoz, C., & Gasparini, S. (2003). Effects of mud pack treatment on skin microcirculation. Joint Bone Spine. https://doi.org/10.1016/S1297-319X(03)00064-2

Rautureau, M., Gomes, C. de S. F., Liewig, N., & Katouzian-Safadi, M. (2017). Clays and health: Properties and therapeutic uses. In Clays and Health: Properties and Therapeutic Uses. https://doi.org/10.1007/978-3-319-42884-0

RDC Nº 481 (1999). Estabelece os parâmetros de controle microbiológico para os produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes. Diário Oficial da União, Agência Nacional de Vigilância Sanitária.

Ribeiro, C. J. (2010). Cosmetologia aplicada a dermoestética. Pharmabooks.

Santos, P. S. (1975). Tecnologias de Argilas Aplicadas às Argilas Brasileiras. São Paulo: Edgar Blucher Ltda.

Silva, F. A. N. G., Luz, A. B., Sampaio, J. A., Bertolino, L. C., Scorzelli, R. B., Duttine, M., & da Silva, F. T. (2009). Technological characterization of kaolin: Study of the case of the Borborema-Seridó region (Brazil). Applied Clay Science. https://doi.org/10.1016/j.clay.2009.01.015

Silva, P. S. C., Oliveira, S. M. B., Farias, L., Fávaro, D. I. T., & Mazzilli, B. P. (2011). Chemical and radiological characterization of clay minerals used in pharmaceutics and cosmetics. Applied Clay Science. https://doi.org/10.1016/j.clay.2011.02.013

Towers, M. (2009). British Pharmacopoeia 2009. British Pharmacopia. https://doi.org/10.3788/AOS201232.1231003

Turovelsky, H. (2005). Les Nouvelles Estéthique: os tratamentos estéticos para um rosto luminoso e silhueta perfeita. Buenos Aires.

Zague, V., De Almeida Silva, D., Baby, A. R., Kaneko, T. M., & Velasco, M. V. R. (2007). Clay facial masks: Physicochemical stability at different storage temperatures. Journal of Cosmetic Science. https://doi.org/10.1111/j.1468-2494.2007.00391_5.x

Publicado

2021-07-07

Como Citar

Sousa, A. A. P. de, Cordeiro, M. B. da S., Nogueira, H. C. N., & Sousa, A. C. de. (2021). INCORPORAÇÃO DO REJEITO DO DESDOBRAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS EM ARGILA BENTONITA PARA UTILIZAÇÃO COSMÉTICA: INCORPORATION OF TAILINGS FROM THE UNFOLDING OF ORNAMENTAL ROCKS IN BENTONITE CLAY FOR COSMETIC USE. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 7(3), 01–12. https://doi.org/10.47456/bjpe.v7i3.35138

Edição

Seção

ENGENHARIA DA SUSTENTABILIDADE - SUSTAINABILITY ENGINEERING