Representações discursivas surdas no contexto do distanciamento social da pandemia da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/cl.v15i32.35879

Palavras-chave:

Isolamento social, Pessoa surda e surdocega, Representação discursiva

Resumo

Trata-se de uma discussão a respeito da vivência sob a medida do distanciamento social a partir da percepção de pessoas surdas e de uma pessoa surdocega. Objetivou-se analisar as representações discursivas da pessoa surda e surdocega acerca das medidas de distanciamento social, cujo resultado caracteriza um isolamento, seja ele anterior e/ou durante a pandemia da Covid-19. Teoricamente, o trabalho se baseia no conceito de Representação Social (MOSCOVICI, 2007) e, metodologicamente, recorre à Análise Crítica do Discurso (ADC). Caracteriza-se como uma pesquisa de cunho qualitativo e se desenvolveu analiticamente a partir da categoria Representação de Eventos (VIEIRA; RESENDE, 2016). Os resultados apontam uma representação negativa acerca do distanciamento social, que resulta em isolamento, sendo, do ponto de vista da pessoa surda e surdocega, um isolamento causado pela não interação linguística e/ou dificuldades de interação virtual devido à má qualidade da internet.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marília do Socorro Oliveira Araújo , Universidade Federal do Pará (UFPA)

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades da Universidade Federal do Pará (UFPA); licenciada em Letras - Língua Portuguesa pela mesma instituição; especialista em Libras: Docência e Interpretação e em Língua Portuguesa e Literatura pela Faculdade de Educação e Tecnologia da Amazônia (FAM). É intérprete pela Associação de Tradutores/Intérpretes de Língua de Sinais do Pará (ASTILP). Bolsista FAPESPA.

Márcia Monteiro Carvalho, Universidade Federal do Pará (UFPA); Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutora em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC); mestra em Letras: Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Pará (UFPA); especialista em Docência de Libras (FTED). É intérprete pela Associação de Tradutores/Intérpretes de Língua de Sinais do Pará (ASTILP). Líder do grupo de pesquisa Discurso e Relações de Poder (DIRE/UFPA/CNPq). É professora da Universidade Federal do Pará e do Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da UFSC.

Rosângela do Socorro Nogueira de Sousa, Universidade Federal do Pará (UFPA)

Doutora em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC); mestra em Letras: Estudos Linguísticos pela Universidade Federal do Pará (UFPA); especialista em Língua Portuguesa: uma abordagem textual pela mesma instituição. Líder do grupo de pesquisa Discurso e Relações de Poder (DIRE/UFPA/CNPq). Professora do Programa de Pós-Graduação em Cidades, Territórios e Identidades da UFPA.

Referências

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Congresso Nacional, 2005.

BRASIL. Lei nº 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais — Libras, e o art. 18 da lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Brasília: Congresso Nacional, 2002.

BRASIL. Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019. Diário Oficial da União, Brasília, DF, ed. 27, seção 1, p. 1, 7 Fev 2020 [citado em 18 Set 2020]. Disponível em: http://www.in.gov.br/en/web/dou/-/lei-n-13.979-de-6-de-fevereiro-de-2020-242078735. Acesso em: 27 out. 2021.

BUNGEROT, J. et al. The atis sign language corpus. In: Sixth International Conference on Language Resources and Evaluation, 2008. Proceedings. [...] Marrakech, Morocco: European Language Resources Association, 2008, p. 2.943-2946. Disponível em https://aclanthology.org/L08-1470/. Acesso em: 14 dez. 2021.

CAVALIERE, I. A. L.; COSTA, S. G. Isolamento social, sociabilidades e redes sociais de cuidados. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 491-516, 2011.

CARVALHO, M. M. A relação da Libras com a Linguística Sistêmico Funcional (LSF): análise de imagens de sinais com base em variáveis do Contexto de situação. Belas Infiéis, Brasília, v. 9, n. 5, p. 55–73, 2020. DOI: https://doi.org/10.26512/belasinfieis.v9.n5.2020.29368. Acesso em: 14 dez. 2021.

COSTA, L. S. A vida da pessoa com deficiência: reflexões legadas do distanciamento social. In: MENDES, A. et al. (Orgs.). Diálogos sobre acessibilidade, inclusão e distanciamento social: territórios existenciais na pandemia. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2020, p. 10-11. Disponível em http://www.ideiasus.fiocruz.br/portal/publicacoes-ideiasus/livros/247-dialogos-sobre-acessibilidade-inclusao-e-distanciamento-social-territorios-existenciais-na-pandemia. Acesso em 23 dez. 2020.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Orgs.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, Bookman, 2006. p. 15-41.

DICIONÁRIO ON-LINE. Disponível em: https://www.dicio.com.br/. Acesso em 28 out. 2021.

LIMA, R. C. Distanciamento e isolamento sociais pela Covid-19 no Brasil: impactos na saúde mental. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 30, n. 2, 2020.

MEDEIROS, A. P.; RAJS, S. As cidades e a pandemia: efeitos, desafios e transformações. In: MENDES, A. et al. (Orgs.). Diálogos sobre acessibilidade, inclusão e distanciamento social: territórios existenciais na pandemia. Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2020. p. 6-9. Disponível em: http://www.ideiasus.fiocruz.br/portal/publicacoes-ideiasus/livros/247-dialogos-sobre-acessibilidade-inclusao-e-distanciamento-social-territorios-existenciais-na-pandemia. Acesso em: 23 dez. 2020.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 5. ed. Trad. Pedrinho A. Guareschi. Petrópolis: Vozes, 2007.

PATROCÍNIO, P. R. T. Notas sobre narrativas autobiográficas de autores surdos. Revista Araticum, v. 21, n.1, P. 91-103, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.46551/2179679320200006. Acesso em: 14 dez. 2021.

PERLIN, G.; MIRANDA, W. Surdos: o narrar e a política. Ponto de vista, n. 5, p. 217-226, 2003.

QUADROS, R. M. Libras. São Paulo: Parábola, 2019.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos, Brasília: MEC; SEESP, 2004.

REIS, R.; GATI, H.; MACHADO, M. M. Isolamento social dos surdos em organizações. In: XXII SemeAd - Seminários em Administração, 2019. Anais. [...]. São Paulo: FEA/USP, p. 1-16, 2009.

SANTOS JUNIOR, E. O indivíduo surdo na sociedade ouvinte: resistir é preciso. Revista Virtual de Cultura Surda, n. 27, p. 1-16, março de 2020.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. 2. ed. rev. Florianópolis: Editora da UFSC, 2009.

TELESSAÚDERS. Página virtual. Disponível em: https://www.ufrgs.br/telessauders/posts_coronavirus/qual-a-diferenca-de-distanciamento-social-isolamento-e-quarentena/. Acesso em: 27 out. 2021.

VIEIRA, V.; RESENDE, V. M. Análise de discurso (para a) crítica: o texto como material de pesquisa. 2. ed. Campinas, São Paulo: Pontes Editores, 2016.

WILCOX, S.; WILCOX, P. P. Aprender a ver. Rio de Janeiro: Editora Arara Azul, 2005.

Downloads

Publicado

2021-12-16