Militarização dos territórios escolares: a atuação da CIPOE nas escolas da Grande Belém durante a pandemia

CIPOE'S PERFORMANCE IN THE SCHOOLS OF GREATER BELEM DURING THE PANDEMIC PERIOD

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/geo.v1i32.35290

Palavras-chave:

Biopoder, Mecanismo de segurança, Território

Resumo

O policiamento efetuado pela Companhia Independente de Polícia Escolar (CIPOE), uma unidade da Polícia Militar (PM), é uma realidade nas escolas da Grande Belém. Constitui-se o tema desta pesquisa as práticas de gestão e de controle territorial dessa companhia, as quais objetivamos analisar por meio dos registros disponibilizados em seus canais oficiais de divulgação em redes sociais, sobretudo, no Facebook. Como procedimentos metodológicos, recorremos à literatura especializada, à catalogação dos registros e à classificação das práticas desenvolvidas pela CIPOE no período pandêmico, agrupando os dados em seis categorias de atuação. Em seguida, procedemos com as análises, de acordo com o referencial teórico que tomamos como suporte. Como resultado, obtivemos a elaboração de um quadro e a catalogação de diversos trechos das postagens da companhia. Concluímos que a CIPOE continua realizando rodadas nas escolas, e avançando nas disputas pelo controle do território por meio de práticas de militarização do espaço escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leildo Dias Silva, Secretaria de Estado da Educação do Pará (SEDUC)

Professor de Geografia na Secretaria de Estado de Educação do Pará (SEDUC/PA). Mestre em Planejamento do Desenvolvimento pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos (NAEA), da Universidade Federal do Estado do Pará (UFPA), Campus Belém. Graduado em Licenciatura em Geografia e Técnico em Geodésia e Cartografia, ambos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), Campus Belém. Técnico/profissionalizante em Formação de Professores em Nível Médio Modalidade Normal pelo Centro Educacional Monte Castelo. Atuo principalmente pesquisando os seguintes temas: produção e controle do território pela segurança pública, pelas suas instituições e pelos seus agentes; segurança pública como paradigma de governo. Nos últimos dois anos, como professor da educação básica, tenho, também, me interessado pelo diálogo envolvendo o tema do Ensino em Geografia. Tenho experiência na docência e na elaboração de mapas.

Referências

[Omitido para avaliação], 2020. 166 p. (Mestrado, interdisciplinar) — Núcleo de Altos Estudos da Amazônia (NAEA), Universidade Federal do Pará (UFPA). [URL omitida para avaliação]

[Omitido para avaliação]; [Omitido para avaliação]. Terra Livre, [omitido para avaliação] 2020. [URL omitida para avaliação]

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da sociedade: curso dado no Collège de France (1975–1976). Tradução Maria Ermantina Galvão. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território e população: curso dado no Collège de France (1977–1978). Tradução Eduardo Brandão. 1ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

HAESBAERT, Rogério. Do muro ao drone: novos-velhos dispositivos geográficos de segurança. In: RODRIGUES, J. N.; MONTEIRO, L. C. R. (Orgs.). Crise e reinvenção dos espaços da política. Rio de Janeiro: Consequência, 2020.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

HAESBAERT, Rogério. Muros como tecnologías y dispositivos territoriales de control. Punto Sur1, v. 1, p. 81–103, jul./dic., 2019). Disponível em: <https://doi.org/10.34096/ps.n1.6914>. Acesso em: 20 fev. 2021.

HAESBAERT, Rogério. Sobre as i-mobilidades do nosso tempo (e das nossas cidades). Mercator, Fortaleza, v. 14, n. 4, p. 83–92, 2015. Disponível em: <http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/1782>. Acesso em: 20 fev. 2021.

HAESBAERT, Rogério. Território e Multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia (UFF), v. 17, p. 19–45, 2008. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/13531>. Acesso em: 20 fev. 2021.

MENDONÇA, Márcio José. Militarização volumétrica no Rio De Janeiro: entre o tráfico de drogas e o policiamento. GEOgraphia, v. 20, n. 44, p. 71-83, set./dez, 2018. Disponível em: <https://periodicos.uff.br/geographia/article/view/14412>. Acesso em: 20 mar. 2021.

PARÁ. Decreto nº 1.625, de 18 de outubro de 2016. Regulamenta a Lei Complementar nº 053, de 7 de fevereiro de 2006, alterada pela Lei Complementar nº 093, de 15 de janeiro de 2014, que dispõe sobre a organização básica da Polícia Militar do Estado do Pará, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.faspm.pa.gov.br/sites/default/files/regulamento_da_lei_compl_053_06_lob.pdf. Acesso em: 24 dez. 2019.

RAFFESTIN, Claude. Por uma Geografia do Poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo (SP): Ática, 1993.

SOUZA, Marcelo Lopes de. “Território” da divergência (e da confusão): em torno das imprecisas fronteiras de um conceito fundamental. In: SAQUET, M. A.; SPOSITO, E. S. (Orgs.) Territórios e territorialidades: teorias, processos e conflitos. 1ª ed. São Paulo: Expressão Popular: Unesp. Programa de Pós-Graduação em Geografia, 2008. 368 p.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Militarização da questão urbana. Lutas Sociais, São Paulo, n.29, p.117-129, jul./dez. 2012. Disponível em: <http://www4.pucsp.br/neils/downloads/neils-revista-29-port/marcelo-lopez-de-souza.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2021.

Downloads

Publicado

2021-07-21

Como Citar

DIAS SILVA, L. Militarização dos territórios escolares: a atuação da CIPOE nas escolas da Grande Belém durante a pandemia: CIPOE’S PERFORMANCE IN THE SCHOOLS OF GREATER BELEM DURING THE PANDEMIC PERIOD. Geografares, [S. l.], v. 1, n. 32, p. 217–239, 2021. DOI: 10.47456/geo.v1i32.35290. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/geografares/article/view/35290. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Geografizando a pandemia. Entrelugares do adoecimento existencial