A inserção dos libertos no imediato pós-abolição no Espírito Santo (1889-1910)

Autores

  • Rafaela Lago Faculdade Novo Milênio

DOI:

https://doi.org/10.46812/e-2020310206

Palavras-chave:

Libertos, Pós-abolição, Espírito Santo

Resumo

Neste artigo exploramos a questão da inserção social dos libertos no Espírito Santo, com foco na região central, no imediato pós-abolição, entre 1889 e 1910, a partir de análise de registros civis de nascimento de Vitória e de jornais locais, como A Província do Espírito Santo e O Cachoeirano. Observou-se no período analisado que muitos libertos permaneceram no Espírito Santo, e outros tantos ali chegaram. Ao invés de indivíduos apáticos e desprovidos de aptidão para o trabalho livre, nos deparamos com pessoas que no dia a dia e durante suas atividades enfrentavam dura realidade e que muitas vezes foram marginalizados e excluídos da cidadania civil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Fontes

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO (APEES), Fundo Governadoria. Série 383, Livro 79, Ofício enviado ao Presidente de Província do Juiz Municipal de Órfãos do Termo de Itapemirim. 1/5/1877.

CÚRIA METROPOLITANA DE VITÓRIA. Livro de Batismo de Escravos da Catedral.

____. Livros de Batismo de Livres da Catedral de Vitória (1871-1888).

CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS FÍSICAS E JURÍDICAS DE VITÓRIA. Registro Civil de Nascimento de Vitória. Livros 1-12, 1889-1910.

HEMEROTECA DIGITAL DA BIBLIOTECA NACIONAL. O Espírito-Santense. 1874-1876.

____. O Estado do Espírito Santo. 1890.

____. O Cachoeirano. 1880-1899.

Obras Gerais

ALMADA, Vilma Paraíso Ferreira de. Estudos sobre estrutura agrária e cafeicultura no Espírito Santo. Vitória: SPDC/UFES, 1993.

BERLIN, Ira. Gerações de Cativeiro: Uma história da escravidão nos Estados Unidos. Tradução de Julio Castañon. – Rio de Janeiro: Record, 2006.

CHALHOUB, Sidney. População e sociedade. In: A construção nacional: 1830-1889. Vol.2. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

COELHO, Edmundo Campos. As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930. Rio de Janeiro: Record, 1999.

COSTA. Carlos Eduardo C. da. De Pé Calçado: família, trabalho e migração na Baixada Fluminense, RJ (1888-1940. Tese (Doutorado em História). Rio de Janeiro: IFCS, 2013.

______. da. O registro civil como fonte histórica: contribuições e desafios dos registros civis nos estudos do pós-abolição, Rio de Janeiro (1889-1940). Veredas da História, v. 9, n. 1, 2016.

______. Campesinato Negro no Pós-Abolição: Migração, Estabilização e os Registros Civis de Nascimentos. Vale do Paraíba e Baixada Fluminense, RJ. (1888- 1940). Dissertação (Mestrado em História Social), Programa de Pós-Graduação em História Social, UFRJ, 2008.

DORNELLES, João Batista. Profissões exercidas pelos negros em Pelotas (1905-1910). História em Revista, Pelotas, v. 4, p. 95-138, 1998.

FRAGA FILHO, Walter. Encruzilhadas da liberdade: histórias e trajetórias de escravos libertos na Bahia, 1870-1910. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, 2004.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande e senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal, 20ª, ed., Rio de Janeiro, José Olympio, 1980.

HAMEISTER, Martha Daisson. Para dar calor à nova povoação: estudo sobre estratégias sociais e familiares a partir de registros batismais da Vila do Rio Grande (1738-1763). Tese de Doutorado – Programa de Pós Graduação em História Social, Universidade Federal do rio de Janeiro, 2006.

LAGO, Rafaela Domingos. Entre a escravidão e a liberdade em Vitória/ES (1871-1920). Tese: (Doutorado em História). Universidade Federal do Espírito Santo, 2018.

LARA, Silvia Hunold. Campos da violência: escravos e senhores na capitania do Rio de Janeiro, 1750-1808. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1998.

LIBBY, Douglas Cole; BOTELHO, Tarcísio R. Batismos de crianças legítimas e naturais na Paróquia de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto, 1712-1810. Varia História, n. 31, Janeiro, 2004.

MARQUES, Leonardo. Por aí e por muito longe: dívidas, migrações e os liberto de 1888. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

MOTTA, Kátia Sausen. Eleições no Brasil do Oitocentos: entre a inclusão e a exclusão da patuleia na cidadela política (1822-1881). Tese (Doutorado em História). Universidade Federal do Espírito Santo, 2018.

NASCIMENTO, Álvaro Pereira. Entre o justo e o injusto: o castigo corporal na Marinha da Guerra. In: LARA, Silvia; MENDONÇA, Joseli (Org.). Direitos e justiças no Brasil, Campinas, Unicamp, 2006.

______. O vaivém da memória: Marcílio Dias e João Cândido na história. In: CARVALHO, José Murilo, e NEVES, Lúcia Maria Bastos P. das (Org.). Repensando o Brasil do Oitocentos. Rio de Janeiro: Civ. Brasileira, 2009.

NOZOE, Nelson; BASSANEZI, Maria Silvia C. Beozzo; SAMARA, Eni de Mesquista. Os refugiados da Seca: emigrantes cearenses, 1888-1889. Campinas: NEHD, NEPO, CEDHAL, 2003.

RIOS, Ana Lugão. Família e Transição: Famílias negras em Paraíba do Sul, 1872-1920. Dissertação (Mestrado em História). Federal Fluminense, Niterói, 1990.

RIOS, Ana Lugão; MAT¬TOS, Hebe Maria. Memórias do cativeiro: família, trabalho e cidadania no pós-abolição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

______. Para além das senzalas: campesinato, política e trabalho rural no Rio de Janeiro pós-abolição. In: CUNHA, Olívia Maria Gomes da; GOMES, Flávio dos Santos (Org.). Quase-Cidadão. Histórias e antropologias da pós-emancipação no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2007.

RUSSEL-Wood, A. J. R. Escravos e libertos no Brasil colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005.

SANTOS, Ana Gabriela. O casamento na implantação do Registro Civil brasileiro (1874-1916). In: Anais do I Encontro de Pós-Graduandos da SEO, 2016.

WEIMER, Rodrigo de Azevedo. Os nomes da liberdade: ex-escravos na serra gaúcha no pós-abolição. São Leopoldo: Oikos, 2008.

WISSENBACH, Maria Cirstina C. Sonhos africanos, vivências ladinas: escravos e forros em São Paulo (1850-1880). São Paulo: HUCITEC, 1998.

Downloads

Publicado

23-07-2020

Como Citar

LAGO, R. A inserção dos libertos no imediato pós-abolição no Espírito Santo (1889-1910). Revista Ágora, [S. l.], v. 31, n. 2, p. e–2020310206, 2020. DOI: 10.46812/e-2020310206. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/31130. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Pós-abolição: sociabilidades, relações de trabalho e estratégias de mobilidade s