As famílias cativas de Itapemirim nos anos finais da escravidão (Província do Espírito Santo, 1872-1888)

Autores

  • Laryssa da Silva Machado Universidade Federal do Espírito Santo

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-2020310211

Palavras-chave:

Família escrava, Itapemirim, História do Espírito Santo

Resumo

O presente artigo pretende apresentar a família cativa de Itapemirim nos anos finais da escravidão (1872-1888). O recorte temporal foi feito entre a promulgação de duas leis importantes: a Lei do Ventre Livre (1871), que tornava libertos os nascidos de ventre cativo após aquela data, e a Lei Áurea, que colocou fim a escravidão. As fontes utilizadas nessa pesquisa foram as cartoriais (inventários post mortem e testamentos) e as eclesiásticas (livro de batismo). Esses documentos revelam a existência da família cativa de Itapemirim, que no período analisado estava consolidada na região. Para a identificação dessas famílias foi realizado o método onomástico, além de recorte serial para análise dos dados. A maioria das famílias eram matrilineares, algumas com poucos e outras com muitos filhos. Também se percebe a presença de muitos africanos, mesmo décadas após o fim do tráfico internacional de almas. Inúmeras denúncias de desembarque de africanos foram feitas nesse período, e a trama do tráfico envolvia as províncias do Espírito Santo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Laryssa da Silva Machado, Universidade Federal do Espírito Santo

Licenciada em História pelo Centro Universitário São Camilo-ES (2007)

Especialista em Psicopedagogia Clínica e Institucional pelo Centro Universitário São Camilo-ES (2009),

Especialista em Educação Profissional e Tecnológica pelo Instituto Federal do Espírito Santo (2016).

Mestre em História - UFES (2017-1019).

Docente de História da Rede Municipal de Marataízes-ES. 

Referências

Fontes

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Série Accioli, livro 66. (manuscritos).

____. Relatório com que o Exm. Sr. D. Antônio Pereira Pinto entregou a presidência da Província do Espírito Santo ao Exm. Sr. Comendador José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim, segundo vice-presidente da mesma. Vitória: TYP Capitaniense de P A de Azevedo, 1849, p. 10. Disponível em: < https://ape.es.gov.br/Media/ape/PDF/Relatorios/ANTONIO%20PEREIRA%20PINTO%20%E2%80%93%20Presidente%20da%20Prov%C3%ADncia.pdf>. Acesso em: 26 de maio 2020.

ARQUIVO NACIONAL. CINTRA, Coelho; RIVIERRE, Carlos. Planta da parte da província do Espírito Santo em que estão compreendidas as colônias. Arquivo Nacional. Rio de Janeiro - Unidade de Federação-Rio de Janeiro – Brasil, 1878.

____. MARTINIÈRE, E. de la. Carta corográfica da província do Espírito Santo organizada por ordem do Exmo. Sr. Dr. A. Alves de Souza Carvalho presidente da mesma província. Arquivo Nacional. Rio de Janeiro - Unidade de Federação-Rio de Janeiro – Brasil, 1861.

BRASIL, Diretoria Geral de Estatística. Relatórios e Trabalhos Estatísticos apresentados ao Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império em 31 de dezembro de 1876. Rio de Janeiro, Typ. Hyppolito José Pinto, 1877. Disponível em https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv49656.pdf. Acesso em: 26 de maio de 2020.

PARÓQUIA NOSSA SENHORA DO AMPARO. Livro de Batismo de Escravos 1. Itapemirim, 1840-1855.

____. Livro de Batismo de Escravos 2. Itapemirim, 1859-1872.

____. Livro de Batismo de Escravos 3. Itapemirim, 1882-1888.

IBGE. Recenseamento Geral do Império de 1872. Diretoria Geral de Estatística, Rio de Janeiro, Typ. Leuzinger/ Tip. Comercial, 1876, 12 volumes. Disponível em <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/monografias/visualiza_colecao_digital.php?titulo=Recenseamento%20Geral%20do%20Brasil%201872%20%20Imp%E9rio%20do%20Brazil&link=Imperio%20do%20Brazil#>. Acesso em: 26 de maio de 2020.

RELATÓRIO com que o Exm. Sr. Barão de Itapemirim, primeiro vice-presidente da Província do Espírito Santo entregou a administração da mesma no dia 28 de março de 1856. Disponível em: http://brazil.crl.edu/bsd/bsd/u129/. Acesso em: 14 dez. 2017.

VASCONCELLOS, Ignacio Accioli de. Memória Estatística da Província do Espírito Santo escrita no ano de 1828. Vitória: Arquivo Público Estadual, 1978.

OBRAS GERAIS

ALMADA, Vilma P. F. Escravismo e Transição: o Espírito Santo, 1850-1888. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

BITTENCOURT, Gabriel. História Geral e Econômica do Espírito Santo: do engenho colonial ao contexto fabril – portuário. Vitória: Multiplicidade, 2006.

CAMPOS, Adriana P. Escravidão, reprodução endógena e creolização: o caso do Espírito Santo no Oitocentos. Topoi, v. 12, n. 23, 2011, p. 84-96.;

CAMPOS, Adriana P. Escravidão e Creolização: A Capitania do Espírito Santo, 1790-1815. In: FRAGOSO, João ... [et al.] (Org.). Nas Rotas do Império: eixos mercantis, tráfico e relações sociais no mundo português. Vitória: Edufes; Lisboa: IICT, 2006, p.571-607.

CAMPOS, Adriana P; MERLO, Patrícia M. S. Sob as benções da Igreja: o casamento de escravos na legislação brasileira. TOPOI, v. 6, n. 11, 2005, p. 327-361.

CARVALHO, Marcus J. M. de. A rápida viagem dos “Berçários Infernais” e os desembarques nos engenhos do litoral de Pernambuco depois de 1831. In: OSÓRIO, Helen; XAVIER, Regina Célia Lima (Org.). Do tráfico ao pós-abolição: trabalho compulsório e livre e a luta por direitos sociais no Brasil. São Leopoldo: Oikos, 2018.

DAEMON, Basílio C. Província do Espírito Santo: sua descoberta, história cronológica, sinopse e estatística. Vitória: Secretaria de Estado da Cultura/Arquivo Público do Estado do Espírito Santo, 2010.

ENGEMANN, Carlos. De laços e de nós: constituição e dinâmica de comunidades escravas em grandes plantéis do sudeste brasileiro do Oitocentos. Tese de doutorado ao Programa de Pós-graduação em História Social. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2006.FARIA, Sheila de Castro. A Colônia em Movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1998.

FARIA, Sheila de Castro. A Colônia em Movimento: fortuna e família no cotidiano colonial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: 1998.

FLORENTINO, Manolo; GÓES, José Roberto. A paz nas senzalas: famílias escravas e tráfico atlântico, Rio de Janeiro c. 1790-c. 1850. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1997.

FURTADO, Júnia Ferreira. A morte como testamento da vida. In.: PINSKY, C. B.; LUCA, T. R. (Org.). O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2009.

LAGO, Rafaela Domingos. Sob os olhos de Deus e dos homens: escravos e parentesco ritual na Província do Espírito Santo (1831-1888). Dissertação (Mestrado em História) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Espírito Santo. Vitória, 2013.

MACHADO, Laryssa da Silva. Retratos da escravidão em Itapemirim-ES: uma análise das famílias escravas entre 1831-1888. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2019.

MARINS, Antônio. Itapemirim. In: MARINS, Antônio. Minha Terra e Meu Município. Rio de Janeiro: Jacintho Ribeiro dos Santos, 1920.

MATTOS, Hebe. Ao Sul da História: lavradores pobres na crise do trabalho escravo. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

MATTOS, Hebe. Colonização e escravidão no Brasil: memória e historiografia. In: FRAGOSO, João; GOUVÊA, Maria de Fátima. O Brasil colonial: vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

MATTOSO, Kátia M. Q. Ser Escravo no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1990.

MERLO, Patrícia Maria da Silva. O Nó e o Ninho: Estudo sobre a família escrava em Vitória, Espírito Santo, 1800-1871. Tese (Doutorado) apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2008.

MORENO, Luciano. Itapemirim: como tudo começou. Serra: Formar, 2016.

MOTTA, José Flávio. Corpos Escravos, Vontades Livres: estrutura da posse de cativos e família escrava em um núcleo cafeeiro (Bananal, 1801-1829). Tese (Doutorado em História) -Faculdade de Economia e Administração, Universidade de São Paulo, 1990.

NOVAES, Maria Stella de. A escravidão e a abolição no Espírito Santo: história e folclore. Vitória: Departamento de Imprensa Oficial, 1963, p. 91 apud SANTANA, Leonor de Araújo. O negro na historiografia capixaba: a presença negra na obra de Maria Stella de Novaes. Dimensões: Revista de História da UFES, Vitória, UFES, CCHN, v. 11, jul-dez, 2000, pp. 301-306.

OLIVEIRA, José Teixeira. História do Estado do Espírito Santo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008.

PARRON, Tâmis Peixoto. A Política da Escravidão no Império do Brasil (1831-1865). 2009. Dissertação – Programa de Pós-graduação em História Social do Departamento de História da Faculdade de Filosofia. Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

PEREIRA, Walter Luiz Carneiro de Mattos. A trama do tráfico ilegal de africanos na província do Espírito Santo (1850-1860). XI Congresso Brasileiro de História Econômica, Vitória, 14 a 16 de setembro de 2015, p. 15. Disponível em http://www.abphe.org.br/arquivos/2015_walter_luiz_carneiro_mattos_pereira_a-trama-do-trafico-ilegal-de-africanos-na-provincia-do-espirito-santo-1850_1860.pdf. Acesso em 09 de dezembro de 2017.

PEREIRA, Walter Luiz Carneiro de Mattos. Tráfico Ilegal de Africanos ao Sul da Província do Espírito Santo, depois da Lei de 1850. VI Encontro Escravidão e Liberdade no Brasil Meridional, Florianópolis, 15-18 de maio de 2013, p. 2. Disponível em: http://www.escravidaoeliberdade.com.br/site/images/Textos.6/walterpereira.pdf. Acesso em: 10 jan. 2020.

REVEL, Jacques. Microanálise e construção social. In. REVEL, Jacques (org.). Jogos de Escalas: a experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1998.

RIBEIRO, Geisa Lourenço. Enlaces e Desenlaces: Família escrava e reprodução endógena no Espírito Santo (1790-1871). Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2012.

ROCHA, Haroldo Corrêa; COSSETTI, Maria da Penha. Dinâmica cafeeira e constituição de indústrias no Espírito Santo, 1850/1930. Vitória: Departamento de Economia, NEP/UFES, 1983.

SANTANA, Leonor de Araújo. O negro na historiografia capixaba: a presença negra na obra de Maria Stella de Novaes. Dimensões: Revista de História da UFES, Vitória, UFES, CCHN, v. 11, jul-dez, 2000, pp. 301-306.

SCHWARTZ, Stuart B. Escravos, Roceiros e Rebeldes. Bauru-SP: EDUSC, 2001.

SLENES, Robert W. Na senzala, uma flor: esperanças e recordações na formação da família escrava: Brasil Sudeste, século XIX. Campinas-SP: Editora da Unicamp, 2011.

SLENES, Robert W. Escravidão e famílias: padrões de casamento e estabilidade familiar numa comunidade escrava (Campinas, século XIX). In: Anais do IV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. São Paulo: ABEP, 1984, p. 2121. Disponível em: <http://www.abep.nepo.unicamp.br/docs/anais/pdf/1984/T84V04A13.pdf> Acesso em 04 de setembro de 2018.

VALENCIA-VILLA, Carlos, FLORENTINO, Manolo. Abolicionismo Inglês e Tráfico de Crianças Escravizadas para o Brasil, 1810-1850. História (São Paulo) v.35, e78, 2016.

Downloads

Publicado

16-11-2020

Como Citar

DA SILVA MACHADO, L. . As famílias cativas de Itapemirim nos anos finais da escravidão (Província do Espírito Santo, 1872-1888) . Revista Ágora, [S. l.], v. 31, n. 2, p. e–2020310211, 2020. DOI: 10.47456/e-2020310211. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/32332. Acesso em: 28 nov. 2021.

Edição

Seção

Pós-abolição: sociabilidades, relações de trabalho e estratégias de mobilidade s