Eugenia e literatura modernista

"supremacia"do mestiço como redenção brasileira?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.47456/e-20243508

Palavras-chave:

raça, povo, nação

Resumo

Esta pesquisa apresenta um estudo sobre os artigos de opinião de Plínio Salgado e Cassiano Ricardo – publicados no jornal Correio Paulistano – enquanto consumo cultural das posições de José Vasconcelos sobre a “raça cósmica”. É importante destacar, ainda, que os artigos de opinião tratados aqui traçaram as linhas mestras do verde-amarelismo. Problematizamos, também, como o modernismo verde-amarelo propôs outra reinterpretação da eugenia, que valorizava a contribuição do indígena, do africano e do imigrante europeu na formação racial brasileira. Em seguida, analisamos como as posições sobre miscigenação expostas nesses textos serviram de pano de fundo para inspirar a escrita do poema Martim Cererê (1927), de Cassiano Ricardo. Assim, levando em consideração o predomínio das teorias do branqueamento nos primeiros anos do século XX, defendemos que as apropriações das teses vasconcelianas pelos dois escritores modernistas produziram outro resultado como, por exemplo, a “raça cósmica” como valorização da mestiçagem em contraposição à raça pura.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

George Leonardo Seabra Coelho, Universidade Federal do Tocantins

Possui graduação - Bacharelado e Licenciatura - em História pela Universidade Federal de Goiás (2006), mestrado em História pela Universidade Federal de Goiás (2010) e doutorado em História pela Universidade Federal de Goiás (2015). Fez estágio pós-doutoral em História na Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO), na Universidade Federal de Goiás (UFG) e na Universidade Federal do Tocantins (UFT). Atualmente é Professor Adjunto no curso de Licenciatura em História da UFT-Porto Nacional e coordenador do PPGHispam-UFT. Também é coordenador do Núcleo de estudos Afro-brasileiros da UFT-Porto Nacional.Tem experiência na área de ensino de História, fotográfica, Literatura e História, com ênfase em História do Brasil e Literatura Modernista atuando principalmente nos seguintes temas: discurso e poder, literatura modernista, projetos de integração e pensamento autoritário brasileiro. Também desenvolve pesquisa abordando as relações entre Mídias, tecnologias e História, criador e líder do Grupo de Pesquisa em Mídias, tecnologias e História (MITECHIS). É Editora da revista Antígona (2763-9533), criador e Editor da revista Convergências: Estudos em Humanidades Digitais (2965-2758) e parecerista em mais de dez periódicos nacionais.

Márcia Regina da Silva Ramos Carneiro, Universidade Federal Fluminense - UFF

Professora Associada, lotada no Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional da Universidade Federal Fluminense, atuando no Departamento de História nas Disciplinas História do Brasil Republicano e História Econômica Geral (Curso de Ciências Econômicas). Participa do Corpo Docente do Programa de Pós-Graduação do Mestrado Profissional em Ensino de História - ProfHistória -UFF e do Programa de Pós-Graduação Desenvolvimento Regional, Ambiente e Políticas Públicas (PPGDAP) da UFF/Campos. Possui Graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal do Rio de Janeiro; Graduação em História (UFF); Especialização em História do Brasil, Mestrado em História Social e Doutorado em História Social pela Universidade Federal Fluminense. Atua em pesquisa, principalmente, nos seguintes temas: História e Memória, Cultura e História, militância política, pensamento integralista, estudo das questões de gênero, especialmente acerca das concepções/representações do Ser biológico e Político/Cartesiano: a Mulher, História Política e da Ciência. Coordenadora do Laboratório de Estudos das Direitas e do Autoritarismo (LEDA) e do Laboratório de Estudos da Imanência e da Transcendência (LEIT), desenvolvendo estudos de Ética, da Estética e da Dialética. Editora da Coluna; "Práxis, Poiésis & Theoria" da Revista ContemporArtes (UFABC/SP).Pós-Doutorado pelo PPG em Educação da Universidade Federal Fluminense, com o tema: "Gnoses e Escatologias integralistas brasileiras: O Pensamento Brasileiro na síntese integralista: dogma e temporalidades geracionais", sob supervisão do Professor Doutor Giovanni Semeraro.

Referências

Fontes

O ATUAL MOMENTO LITERÁRIO. Correio Paulistano, 17 maio 1929, p. 4.

RICARDO, C. A poesia dos cafezais. Correio Paulistano, São Paulo, 1928, p. 3.

RICARDO, C. Martim Cererê. São Paulo: Editora Hélios, 1927a, p. 163.

RICARDO, C. Martim Cererê. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1932, p. 139.

RICARDO, C. Minha terra tem palmeiras. Correio Paulistano, São Paulo, 1927b, p. 4.

RICARDO, C. Nheengassu verdeamarelista. Correio Paulistano, São Paulo, 1927c, p. 2.

SALGADO, P. O curupira e o carão. São Paulo: Editora Hélios LTDA, 1927a.

SALGADO, P. A revolução da Anta. In: SALGADO, P. O curupira e o carão. São Paulo: Editora Hélios LTDA, 1927b. p. 91-98.

SALGADO, P. Em defesa da Anta. Correio Paulistano, São Paulo, 1927c. p. 3.

SALGADO, P. Formação nacional. Correio Paulistano, São Paulo, 1927d. p. 3.

SALGADO, P. Raça harmoniosa. Correio Paulistano, São Paulo, 1926. p. 3.

Obras Gerais

AGUILAR CAMÍN, H.; MEYER, L. À sombra da revolução mexicana: história mexicana contemporânea 1910-1989. São Paulo: EDUSP, 2000.

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ANDERSON, B. Nação e consciência nacional. São Paulo: Ática, 1989.

BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1970.

CARVALHO, L. D. A identidade da “raça cósmica”: a experiência da eugenia no México. História, Ciências, Saúde, Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 23, p. 268-270, dez. 2016. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-59702016000500019

CHARTIER, R. À Beira da falésia: a história entre certezas e inquietudes. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 2002.

CHARTIER, R. História cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Difel Bertrand, 1990.

COELHO, G. L. S. A “Noite Africana” chegou ao “País das Palmeiras”: a apropriação do negro escravizado no poema Martim Cererê. Anos 90, [s. l.], n. 28, p. 1-18, 2021. DOI: https://doi.org/10.22456/1983-201X.111812

COELHO, G. L. S. Consumo cultural do pensamento vasconceliano na literatura modernista brasileira: intercâmbios intelectuais na constituição do discurso da raça latino-americana na década de 1920. Revista Eletrônica da ANPHLAC, [s. l.], n. 25, p. 183-221, 2019. Disponível em https://anphlac.emnuvens.com.br/anphlac/article/view/2954. Acesso em: 11 abr. 2023. DOI: https://doi.org/10.46752/anphlac.025.2018.2954

COUTINHO, A. A literatura brasileira: modernismo. 2. ed. Rio de Janeiro: Editora Sul Americana, 1970.

CUNHA, E. Os sertões (Campanha de Canudos). Rio de Janeiro: Laemmert & Co., 1902.

DIWAN, P. Raça pura: uma história da eugenia no Brasil e no mundo. São Paulo: Contexto, 2007.

DUSSEL, E. 1942: o encobrimento do outro: a origem do mito da modernidade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

FABRIS, A. Modernidade e modernismo no Brasil. Campinas: Mercado de Letras, 1994.

FELL, C. José Vasconcelos, los años del Águila (1920-1925). México: UNAM, 2009. 737 p. Disponível em: https://docs.google.com/file/d/0B9Ed9nf_plwQRWlzQ2J0YzVqZ2M/edit. Acesso em: 20 maio 2018.

FERNÁNDEZ RETAMAR, R. “Caliban en esta hora de nuestra América”, en Todo Caliban. Buenos Aires, CLACSO, 2004.

MBEMBE, A. Necropolítica. Arte & Ensaios. Revista do PPGAV/UFRJ, [s. l.], n. 32, dez. 2016.

MOREIRA, L. F. Meninos, poetas e heróis: aspectos de Cassiano Ricardo do modernismo ao Estado Novo. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2001.

MOTTA, M. S. A nação faz cem anos: a questão nacional no centenário da independência. Rio de Janeiro: Editora FGV: CPDOC, 1992.

PERES, D. C. (coord.). Martim Cererê: o Brasil dos meninos, dos poetas e dos heróis. Rio de Janeiro: Instituto Nacional do Livro, 1987.

RICOEUR, P. A história, a memória, o esquecimento. São Paulo: Editora da Unicamp, 2000b.

SALGADO, Plínio. Literatura e política. In: SALGADO, Plínio. Obras completas. São Paulo: Américas, 1956. v.19, p. 5-125.

SANDES, N. F. A invenção da nação: entre a monarquia e a república. Goiânia: Editora UFG, 2011.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil – 1870-1930. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SCHWARCZ, L. M. Nem preto nem branco, muito pelo contrário: cor e raça na sociabilidade brasileira. São Paulo: Claro Enigma, 2012.

STEPAN, N. L. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América Latina. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005.

STERN, A. Mestizofilia, biotipología y eugenesia en el México posrevolucionario: hacia una historia de la ciencia y el estado, 1920-1960. Relaciones. Estudios de historia y sociedad, [s.l.], v. XXI, n. 81, 2000. Disponível em: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=13708104. Acesso em: 9 abr. 2023.

SUÁREZ Y LÓPEZ GUAZO, L. Eugenesia y racismo em México. [S. l.]: Eugenesia y racismo em México, 2005. Disponível em: http://www.librosoa.unam.mx/handle/123456789/2225. Acesso em: 9 abr. 2023.

RICOEUR, P. A metáfora viva. São Paulo: Edições Loyola, 2000.

TENÓRIO, M. Um Cuauhtémoc carioca: comemorando o centenário da Independência do Brasil e a raça cósmica. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 7, n. 14, p. 123-148, 1994.

VELLOSO, M. A brasilidade verde-amarela: nacionalismo e regionalismo paulista. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 6, n. 11, p. 89-112, 1993. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/reh/article/view/1952. Acesso em: 9 abr. 2023.

Downloads

Publicado

27-05-2024

Como Citar

SEABRA COELHO, George Leonardo; DA SILVA RAMOS CARNEIRO, Márcia Regina. Eugenia e literatura modernista: "supremacia"do mestiço como redenção brasileira? . Revista Ágora, Vitória/ES, v. 35, p. e-20243508 , 2024. DOI: 10.47456/e-20243508. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/agora/article/view/43296. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Modernismos no Brasil ao longo do século XX