AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS DE GESTÃO DE RISCOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS QUANTO AO ATENDIMENTO À INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2016

EVALUATION OF RISK MANAGEMENT POLICIES OF THE FEDERAL UNIVERSITIES CONCERNING COMPLIANCE WITH NORMATIVE INSTRUCTION 01/2016

Autores

Palavras-chave:

Gestão de Riscos, Universidades Federais, Políticas

Resumo

No mundo corporativo, as empresas estão expostas a uma quantidade significativa de incertezas. Por este motivo, se torna imprescindível gerenciar os riscos dentro das organizações. A primeira normativa que tratou do assunto no setor público – IN nº 01/2016 MP/CGU - possui pouco mais de 4 anos e foi emitida em conjunto entre o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão e a Controladoria-Geral da União. Este estudo tem como objetivo avaliar o grau de atendimento das Universidades Federais às diretrizes contidas na IN quanto à elaboração da Política de Gestão de Riscos, PGR, bem como compreender a Gestão de Riscos no setor público e analisar o conteúdo dos documentos produzidos pelas instituições. Para os propósitos delineados, escolheu-se uma pesquisa documental, de natureza aplicada e abordagem quali-quantitativa. O grau de atendimento à IN revelou-se bastante equilibrado, pois 51,11% das políticas cumpriram mais da metade do que a normativa estabeleceu, o que evidencia que houve dedicação para que as PGRs fossem elaboradas visando a efetiva implementação da Gestão de Riscos. As metodologias, ferramentas, formas e periodicidade da avaliação e monitoramento dos riscos tiveram baixa ocorrência nas políticas por se tratar da operacionalização do processo de Gestão de Riscos, ainda pouco conhecida pelas Universidades, que necessitam de um grau de amadurecimento maior no assunto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joseane Batalha Pinto, Universidade Federal do Amazonas

Mestranda em Engenharia de Produção, Universidade Federal do Amazonas, Brasil. Possui graduação em Administração pela Universidade Federal do Amazonas. Atualmente é Administradora na Universidade Federal do Amazonas. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração Pública.

Ricardo Jorge da Cunha Costa Nogueira, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG; Mestre em Desenvolvimento Regional pela Universidade Federal do Amazonas - UFAM; Especialista em Produção de Material Didático em Educação à Distância- UFAM; Especialista em Gestão pela Qualidade Total- UFAM; Graduado em: Administração de Empresas ? UFAM; Processamento de Dados pelo Instituto de Tecnologia da Amazônia ? UTAM atual Universidade Estadual do Amazonas ? UEA; e em ELETRÔNICA pelo Instituto de Tecnologia da Amazônia UTAM/UEA. Na UFAM é Professor Adjunto IV do Departamento de Administração da Faculdade de Estudos Sociais - FES; Coordenador do Curso de Especialização em Gestão Pública Municipal; Professor do Quadro Permanente do Mestrado em Engenharia da Produção - PPGEP/ UFAM; Membro do Conselho Departamental da Faculdade de Estudos Sociais - FES/UFAM; Membro da Comissão Nacional de Apoio à Diretoria de educação à Distância na Gestão do Programa Nacional de Formação em Administração Pública - PNAP/CAPES; Pesquisador CAPES; Membro titular da Câmara de Extensão junto a PROEXT/UFAM, atuando nas áreas de Ensino, Pesquisa e Extensão. Áreas de interesse: Gestão Estratégica; Sistema de Informação; Administração Mercadológica, EaD.

Kleomara Gomes Cerquinho, Universidade Federal do Amazonas

Professora Associada da Universidade Federal do Amazonas. Doutora em Administração - Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (2014), Mestre em Administração pela Fundação Getúlio Vargas - FGV/RJ (2001), Mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2002), Graduada em Administração - Universidade Federal do Amazonas (1993), Graduada em Direito - Universidade Paulista (2007). Advogada. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Empresas Públicas e Particulares, atuando principalmente nos seguintes temas: Gestão Tecnológica Empresarial e Governamental, Organização Empresarial e EaD. Atua, principalmente, em análise e avaliação de Portais/sites públicos. Tem experiência na área de Direito, com ênfase em Instituições Gerais de Direito, Direito Público (Administrativo/Licitações, convênios e contratos) e Direito do Trabalho.

Referências

ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). (2009). Gestão de Riscos – Princípios e diretrizes. NBR ISO 31000.

Alencar, A. J., & Schmitz, E. A. (2009). Análise de Riscos em Gerência de Projetos. 2. Ed. Rio de Janeiro: Brasport.

Araújo, E. N. de. (2015). Curso de direito administrativo. 7. Ed. São Paulo: Saraiva.

Ávila, M. D. G. (2014). Gestão de Riscos no setor público. Revista Controle: Doutrinas e artigos, 12 (2), 179-198. Recuperado de https://revistacontrole.tce.ce.gov.br/index.php/ RCDA/article/view/110/111.

Bastos, A. V. B., Souza, G. C., Ribeiro, J. L. L. S., & Peixoto, A. de L. A. (2016). O papel dos conselhos superiores na estrutura de governança das universidades federais brasileiras: o caso da UFBA. Artigo apresentado no XVI Coloquio Internacional de Gestión Universitaria, Arequipa, Perú. Recuperado de https://repositorio.ufsc.br/handle/ 123456789/172081.

Bissacot, T. C. C., & Oliveira, S. M. A. C. (2016). Instrumento para o gerenciamento de riscos ambientais. Revista Engenharia Sanitária e Ambiental, 21 (2), 227-232. doi: 10.1590/S1413-41522016140442.

Calôba, G. (2018). Gerenciamento de riscos em projetos. Rio de Janeiro: Alta Books.

Carvalho, J. dos S., Filho. (2015). Manual de direito administrativo. São Paulo: Atlas.

Colombo, S. S., & Cardim, P. A. G. (2010). Nos bastidores da educação brasileira: a gestão vista por dentro (Cap. 1, pp. 23-35). Porto Alegre: Artmed.

Constituição da República Federativa do Brasil, de 5 de outubro de 1988 (1988). Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Costa, S. R. R. da., & Fajardo, J. de M. (2011). Um estudo acerca do uso da gestão de riscos estratégicos na auditoria de gestão da Marinha do Brasil. Revista Catarinense da Ciência Contábil, 10 (28), 73-89. doi: http://dx.doi.org/10.16930/2237-7662/rccc.v10n28p73-89.

Fáveri, R. de, & Silva, A. da. (2016). Método GUT Aplicado à gestão de risco de desastres: uma ferramenta de auxílio para hierarquização de riscos. Revista Ordem Pública, 9 (1), 92-107. Recuperado de https://rop.emnuvens.com.br/rop/article/viewFile/112/105.

Fernandes, A. A., & Abreu, V. (2014). Implantando a Governança de TI: da estratégia à gestão dos processos e serviços. Rio de Janeiro: Brasport.

Fonseca, L. A. M. (2008). Metodologia científica ao alcance de todos. 3. Ed. Manaus: Editora Valer.

Freitas, C. A. S. de. (2002). Gestão de risco: possibilidades de utilização pelo setor público e por entidades de fiscalização superior. Revista TCU, 33 (93), 42-54. Recuperado de https://revista.tcu.gov.br/ojs/index.php/RTCU/article/view/844.

Jhunior, R. de O. S., & Abib, G. (2019). Percepção e gestão de riscos no contexto de internacionalização. Revista Gestão e Planejamento, 20, 90-109. doi: 10.21714/2178-8030gep.v.20.5172.

Kauark, F., Manhães, F. C., & Medeiros, C. (2010). Metodologia da pesquisa: um guia prático. Itabuna: Via Litterarum.

Kripka, R. M. L., Scheller, M., & Bonotto, D. de L. (2015). Pesquisa documental: considerações sobre conceitos e características na pesquisa qualitativa. Artigo apresentado no Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa, Aracaju, SE, Brasil, 243-247. Recuperado de https://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2015/article/view/252/248.

Leão, L. M. (2019). Metodologia do estudo e pesquisa: facilitando a vida dos estudantes, professores e pesquisadores. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996 (1996). Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

Lei n. 12.527, de 18 de novembro de 2011 (2011). Regula o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do art. 5º , no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição Federal; altera a Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; revoga a Lei nº 11.111, de 5 de maio de 2005, e dispositivos da Lei nº 8.159, de 8 de janeiro de 1991; e dá outras providências. Brasília, DF. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/lei/l12527.htm.

MP (Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão) & CGU (Controladoria-Geral da União) (2016). Instrução Normativa Conjunta nº 1, de 10 de maio de 2016. Dispõe sobre controles internos, gestão de riscos e governança no âmbito do Poder Executivo Federal. Brasília, DF. Recuperado de https://repositorio.cgu.gov.br/handle/1/33947.

Oliveira, A. J. S. de, Jr., Gomes, A. R., & Machado, G. de V. (2015). Metodologia de auditoria com foco em processo e risco. Revista do TCU, 47 (132), 28-37. Recuperado de https://revista.tcu.gov.br/ojs/index.php/RTCU/article/view/249.

Paranhos, L. R. L., & Rodolpho, P. J. (2014). Metodologia da pesquisa aplicada à tecnologia. São Paulo: SENAI-SP Editora.

Pereira, A., Shitsuka, D. M., Parreira, F. J., & Shitsuka, R. (2018). Metodologia da pesquisa científica. Santa Maria: UFSM, NTE.

Santos, F. F., Pinto, A. R. da S., Gomes, L. da M. A., Silva, R. L., & Damiani, J. H. de S. (2011). Identificação de riscos em compras do setor público: um estudo de caso. Revista de Gestão e Projetos, 2 (1), 69-87. doi:10.5585/gep.v2i1.31.

Santos, V. dos, & Candeloro, R. J. (2006). Trabalhos Acadêmicos: uma orientação para a pesquisa e normas técnicas. Porto Alegre: AGE.

Silva, G., Mazzioni, S., & Fernandes, F. C. (2015). Gestão de riscos e sustentabilidade na indústria de transformação. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 6 (1), 157-171. doi: https://doi.org/10.6008/SPC2179-6858.2015.001.0013.

Veras, M. (2016). Gestão Dinâmica de projetos: LifeCycleCanvas. Rio de Janeiro: Brasport.

Publicado

2020-09-06

Como Citar

Pinto, J. B. ., Nogueira, R. J. da C. C. ., & Cerquinho, K. G. . (2020). AVALIAÇÃO DAS POLÍTICAS DE GESTÃO DE RISCOS DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS QUANTO AO ATENDIMENTO À INSTRUÇÃO NORMATIVA 01/2016 : EVALUATION OF RISK MANAGEMENT POLICIES OF THE FEDERAL UNIVERSITIES CONCERNING COMPLIANCE WITH NORMATIVE INSTRUCTION 01/2016. Brazilian Journal of Production Engineering - BJPE, 6(2), 227–244. Recuperado de https://periodicos.ufes.br/bjpe/article/view/31574

Edição

Seção

GESTÃO PÚBLICA - PUBLIC MANAGEMENT